Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Luís Chaves apreensivo com futuro

Silva Cacuti - 06 de Fevereiro, 2015

Ténico Chaves falou ao Jornal dos Desportos das incidências da prova

Fotografia: M. Machangongo

O técnico Luís Chaves que, com as cores do Petro de Luanda, sagrou-se campeão nacional de andebol em juniores femininos, considera que o futuro da Selecção Nacional sénior feminino pode estar tremido à luz das ilações que tirou do último campeonato nacional da categoria disputado em Benguela.

Luís Chaves falava ao Jornal dos Desportos das incidências da prova em que a sua equipa recuperou o título nacional que tinha perdido em 2011.

“Penso que o futuro da selecção está um pouco tremido, porque no campeonato nacional de juniores reparei no aspecto morfológico das atletas da maioria das equipas e notei que a maioria das equipas trouxe atletas muito baixas. Além disso, devo dizer também que o nível competitivo das equipas esteve muito aquém do que  era de esperar. Tirando uma série, nas outras ouve grandes desníveis nos resultados. Só houve equilíbrio nos jogos entre duas ou três equipas de Luanda e isto é preocupante, se tivermos em conta que é o escalão imediato, depois do de seniores”, sustentou.

O técnico, que também é estatístico da equipa sénior,  não se deixou entusiasmar com o título alcançado e aponta o que tem que ser feito para a melhoria do quadro actual.

“É importante que nós treinadores, a arbitragem, todos os agentes da modalidade estejamos  mais atentos ao fenómeno do jogo e nos apliquemos mais para o desenvolvimento do andebol, porque a base da selecção em termos de futuro está tremido”, apelou.

Para começar o treinador diz ter identificado uma fraca qualidade do treino. “Temos de nos esforçar para melhorar a qualidade do treino das nossas atletas. Penso que tem faltado qualidade de treino e os treinadores devem ficar atentos a este pormenor.”

TÉCNICO DENUNCIA
ASSÉDIO A ATLETAS

Luís Chaves revelou que uma das grandes dificuldades que tem tido no seu trabalho está relacionado com o assédio às suas atletas por parte de emblemas adversários. O técnico apontou a dificuldade de realizar treinos com a equipa num só período como outro factor de estrangulamento da sua actividade.

“Nos nossos adversários uma atleta nesta categoria já recebe subsídios. Nós estamos numa fase de regularização financeira do clube. Neste contexto não é fácil manter atletas que estão a ser fortemente assediadas por outros clubes”, disse.

Oito das atletas que conquistaram o campeonato nacional às ordens de Luís Chaves fazem, agora dupla categoria, em função da perda de algumas atletas no plantel de seniores.

“E temos a satisfação de saber que seis delas foram incluídas na convocatória da selecção nacional para o torneio “Angola 40 anos” e pré-olímpico”.

O treinador recorda que desde 2011 o Petro de Luanda joga finais dos campeonatos nacionais de juniores e que perdeu as últimas três. “É uma vitória que significa trabalho, disciplina, método e, sobretudo, persistência. Perdemos três finais consecutivas, mas não nos desviámos do nosso caminho, esta foi a base da nossa vitória”, concluiu.

O Campeonato nacional de andebol em juniores femininos foi bastante disputado, face ao equilíbrio registado entre as equipas.