Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Manter o ciclo vitorioso

Silva Cacuti - 10 de Dezembro, 2013

Pupilas de Vivaldo Eduardo têm hoje com o primeiro teste a doer no Campeonato do Mundo da Sérvia

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Selecção Nacional sénior feminino de andebol procura hoje, a partir das 15h45 minutos, diante da selecção da Polónia vencer e estabelecer, pela primeira vez, o registo de três vitórias consecutivas numa primeira fase do mundial. O jogo é pontuável  para a terceira jornada do grupo C do Campeonato do Mundo que decorre na Sérvia desde 6 do corrente.

Nas duas primeiras jornadas as angolanas saíram vitoriosas, diante da Argentina (33-23) e do Paraguai (37-12). A equipa orientada por Vivaldo Eduardo pode, em caso de vitória, dar um passo importante, já que foge do quarto lugar do grupo e evita o confronto directo com o primeiro classificado do grupo D, teoricamente, abre boas perspectivas para a entrada no leque das oito melhores do mundo.

Vencer a Polónia não é uma tarefa impossível. Está ao alcance. O último confronto entre si, já se perde no tempo. Provavelmente nenhuma das actuais integrantes das duas selecções nacionais disputou essa partida.A Selecção Nacional está embalada.

As novatas estão a engrenar e só vencer é a grande ambição. Angola é uma das oito melhores selecções saídas do mundial de 2011, enquanto a Polónia, tem o mérito de ter conseguido estar na prova.É uma equipa arredada das grandes competições, como o Europeu em que não participa desde 2006. Para chegar ao mundial as polacas passaram, com dificuldades pelas suecas, 26-23 e 33-31. Katarzyna Koniuszaniec, 28 anos e 32 golos em oito jogos nas eliminatórias é a principal esperança da equipa.

A Selecção Nacional teve duas vitórias consecutivas nos mundiais da China, em 2009, quando venceu as selecções da Austrália, 39-9, e da Ucrânia, 28-20, mas perdeu, no terceiro jogo, 21-28, para a Áustria. Em 2011, no Brasil, a Selecção Nacional venceu, 30-29, a China e 28-24 à Islândia, no primeiro e segundo jogo. Angola consentiu derrota no jogo subsequente, 26-28, diante de Montenegro. Nos mundiais de 2007, na França e 2005, na Rússia Angola tinha começado os mundiais com derrotas, para a Noruega, 26-32 e 30-36, respectivamente.  Noutros jogos do grupo C, a Espanha defronta a Argentina, ao passo que a Noruega joga com o Paraguai.
 
Mundial da Sérvia
Angola tem a atleta mais alta da prova


A angolana Albertina Cassoma é a atleta mais alta do XXI Campeonato do Mundo que se disputa desde 6 do corrente na Sérvia, conforme a estatística das 384 atletas inscritas na prova, divulgada pela IHF.Albertina Cassoma, jogadora do 1º de Agosto mede 1,92 metros, a mesma altura da espanhola Elizabeth Chavez, enquanto, no extremo oposto, Ayaka Ikehara do Japão está catalogada como a atleta mais baixa da competição, com 1,57 metros, uma diferença de 35 centímetros.

A Selecção Nacional tem registos que a colocam em condições regulares, não consta das equipas mais altas, com uma média acima de 1,76 metros, mas também não está entre as mais baixas, com média abaixo de 1,69. As equipas mais altas da prova são a China e a Alemanha, com média de altura cifrada em 1,78 metros, enquanto o Japão com 1,68 é o país com média de altura mais baixa, 1,67 metros.

A agostina Albertina Cassoma é também uma das mais jovens inscritas, fazem parte das cinco jogadoras com 17 anos de idade. Carina Lorenzo, da República Dominicana, é a mais jovem, com 16 anos, numa prova que inscreve 21 jogadoras com idades abaixo dos 20 anos.Tal como na média de altura a selecção nacional é colocada na intermédia, com uma média de idade inferior a 27,1 anos de idade, mas superior a 24,8 anos de idade. S.C

Segunda Jornada
Angola vence Paraguai

A Selecção Nacional feminina de andebol somou ontem a segunda vitória no grupo preliminar C, ao bater o Paraguai por 37-12, em jogo da segunda jornada. Ao intervalo o combinado nacional vencia por 18-7.As comandadas de Vivaldo Eduardo passaram toda a primeira parte do jogo com uma filosofia virada para os duelos posteriores, com maior grau de dificuldade. A dupla técnica Vivaldo/Edgar Neto deu mais tempo de jogo a atletas como Luísa Kiala, Liliana Paixão e a guarda-redes Bá e Lisandra. Durante todo o primeiro tempo, Marcelina Kiala e Anastasia Sibo estiveram no banco.

A jogar com uma equipa visivelmente frágil, com índices inferiores aos de Angola em todos os aspectos de jogo, a equipa tomou conhecimento das facilidades que podia ter e complicou.Um mau início fez com que as angolanas marcassem apenas um golo nos primeiros quatro minutos. Daí em diante houve um período de explosão, liderado por Natália Bernardo e a Selecção Nacional chegou a fazer 8-2, mas parou de produzir. Permitiu a recuperação, 5-8 das paraguaias, após erros sucessivos e ineficácia ofensiva.

Ao minuto 17 Wandi marca e Angola acorda. Três golos de Liliana Paixão, outros tantos de Luísa, permitiram o adiantar no marcador. Ao intervalo, Angola vencia por 18-7.A segunda parte do jogo começou com Marcelina em campo. A veterana falhou um livre dos sete metros e voltou ao banco. A Selecção Nacional impôs uma variante defensiva que impediu a equipa sul-americana de marcar durante 17 minutos do tempo complementar.Mas quando marcou, a selecção do Paraguai atordoou a defensiva angolana e numa fracção de três minutos visou a baliza de Bá por três vezes. Mas Angola já ia longe no marcador. O plantel rodou quase todas as atletas do banco, com excepção de Sibo e as guarda-redes.Natália Bernardo, dona de nove golos, foi distinguida melhor jogadora da partida. SC