Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Militares conquistam Taa dos campees em ABIDJAN

Silva Cacuti - 29 de Outubro, 2018

A defesa militar estava coesa e obrigava as petrolferas a cometer erros ao ataque.

Fotografia: Jornal dos Desportos

A equipa sénior feminina de andebol do 1º de Agosto arrebatou ontem o troféu da 40ª edição da Taça dos Clubes Campeões ao bater na final a rival do Petro de Luanda por 25-21.  A final foi disputada no palácio dos Desportos de Treichville, em Abidjan, Costa do Marfim. Ao intervalo, o 1º de Agosto vencia já por 17-12.
Abidjan, que desde 2006 não testemunhava a competição, suspirou ao rever grandes lances de andebol protagonizados pelas jogadoras angolanas.
Com a derrota, esfumou-se o objectivo petrolífero de ser totalista no regresso às competições africanas, depois da vitória na Taça das Taças. A \"champions\" tem donas!
O 1º de Agosto venceu a prova pela quinta vez. Aliás, desde 2014, as militares não conhecem qualquer derrota. Diante das petrolíferas, esta foi a terceira final que as militares vencem.
O marcador andou equilibrado, sob comando das militares que, desde os instantes iniciais assumiram as rédeas do jogo. Construíram vantagens de até dois golos. O Petro de Luanda chegou ao primeiro empate, perto do minuto 15, a sete golos, mas, avisadas, as militares responderam com um avanço de dois golos, depois três, quatro e cinco, com que se chegou ao intervalo.
A equipa petrolífera estava permissiva. O ataque era incapaz de transpor a barreira constituída pelas possantes Liliana Venâncio e Albertina Cassoma. Ora as duas, ora a revezar-se.
O intervalo encontrou um Petro de Luanda cansado e sem soluções.
No reatamento, as comandadas de Vivaldo Eduardo imprimiram maior acutilância nas acções ofensivas e lograram uma certa recuperação do marcador. Chegaram aos 18-21, mas o fôlego trazido foi como \"sol de pouca dura\".
Depressa, Morten Soubak apelou ao \"time out\" e estancou as investidas das campeãs nacionais e golpeou as adversárias que tentavam nova conquista continental.
A defesa militar estava coesa e obrigava as petrolíferas a cometer erros ao ataque. Aos 22 minutos do segundo tempo, o placard mostrava 19-23, novo ascendente do 1º de Agosto, consequência da táctica aplicada por Morten Soubak. Estava encontrado a equipa vencedora.
No jogo de atribuição do terceiro lugar, o Abo Sport da República do Congo foi mais forte que o FAP dos Camarões e venceu por 27-22.