Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Selecção feminina cumpre objectivo

Silva Cacuti, Rio de Janeiro - 18 de Agosto, 2016

Terminou a participação do combinado nacional sénior feminino no torneio olímpico de andebol que ainda decorre no Rio de Janeiro

Fotografia: AFP

A Selecção Nacional sénior feminina de andebol melhorou em dois lugares a sua última prestação em Jogos Olímpicos, e protagonizou a passagem, pela primeira vez a passagem para os quartos-de-final.A inédita colocação angolana é fruto de duas sensacionais vitórias sobre a Roménia e Montenegro, na fase preliminar.

Depois de derrotas diante da Espanha, Brasil e Noruega a equipa nacional beneficiou da combinação de resultados e ficou apurada para os quartos-de-final, mercê da quarta vaga.Na segunda fase Angola encontrou e perdeu 27-31, com a Rússia, que ressurge sob comando do carismático Yevgni Trefolov. Invicta no seu grupo preliminar, as russas tinham grande favoritismo, embora Angola viesse com rótulo de sensacionalista e tentasse surpreender, a verdade é que as pupilas de Filipe Crus não tiveram qualquer chance.

A equipa angolana ainda equilibrou do jogo nalguns períodos, em demonstração da sua vontade de vencer também. Veio para cima a melhor frieza, rodagem competitiva e motivação das russas que, ao intervalo já tinham conseguido vantagem de quatro golos, 14-18.Acabou. “Tentámos, não conseguimos este objectivo,  por termos enfrentado uma selecção muito forte. Mas ainda assim não nos convenceu”, disse Filipe Cruz, nominal do jogo.

Terminou a participação da Selecção Nacional sénior feminina no torneio olímpico de andebol que ainda decorre aqui no Rio de Janeiro, coroada pela inédita presença nos quartos de final.Para a meia-final, defrontam-se hoje a Rússia e a Noruega, naquele que será o grande destaque da meia-final.  A França joga com a Holanda noutro jogo que promete ser emotivo.Os quartos-de-final abriram com o afastamento do Brasil pela Holanda. As holandesas venceram por 32-23. A França venceu a Espanha, por 27-26, depois de recuperar de uma de vantagem de seis golos. A Noruega despachou a rival Suécia por claros 33-20.

Desempenho
Natália Bernardo comanda sensação olímpica


Envergando a braçadeira de capitã da Selecção Nacional, Natália Bernardo, foi a atleta mais utilizada durante a campanha da equipa durante os jogos olímpicos. Filipe Cruz, seleccionador nacional deu uma média de 46:5 minutos de jogo, um total de 279:42, em 360 minutos possíveis, correspondentes a seis jogos.Natália Bernardo marcou 23 golos e deixa a prova como a 13- melhor marcadora da tabela geral. A capitã foi superada por Isabel Guialo que aparece na lista das melhores marcadoras com 29, média de 4,8 por partida. Guialo foi, só, a quarta jogadora mais utilizada, com 238 minutos.

 Juliana Machado foi a segunda aposta do seleccionador nacional, com 257 minutos, seguida por Magda Cazanga que jogou 255.28 minutos.
Das guarda-redes, Bá foi a mais utilizada e, por duas vezes, no primeiro e último jogos, fez 59,12 minutos de jogo.Bá conquistou os corações dos adeptos brasileiros.

Luísa Kiala, porta-bandeira, da missão olímpica foi das menos utilizadas. Em seis jogos Luísa só actuou por 100,3 minutos, com uma produtividade de apenas dois golos. Vilma Nenganga, atleta Júnior incluída por Filipe Crus na convocatória, actuou durante cerca de três minutos.No total Angola marcou 143 golos e sofreu 159. Na classificação geral Angola ficou na oitava posição. O Brasil acabou na 5- posição, seguido pela Espanha e Suécia. A Roménia, Coreia do Sul, Montenegro e  Argentina, por esta ordem, ocuparam as últimas posições.

Reconhecimento
Bá agradece ao povo brasileiro


Não podia ser de outra forma, depois do calor que recebeu de forma particular dos adeptos. Teresa Almeida “Bá” é a jogadora mais mediática da Selecção Nacional nos Jogos Rio2016, e na hora da despedida demonstrou gratidão a povo tão acolhedor. “Em primeiro lugar, gostaria de agradecer o público que sempre esteve connosco”, declarou a guarda-redes do Petro de Luanda, que se notabilizou nos jogos olímpicos do Rio2016 pela sua estatura de 98 kgs e defesas importantes nas duas vitórias de deram qualificação inédita à selecção nacional.

Quis a coincidência que os Jogos Olímpicos se realizassem na terra que deu origem à sua alcunha. “Bá” é personagem de uma telenovela brasileira.Isso espicaçou os habilidosos jornalistas das terras do samba e o resultado foi espantoso: Angola teve apoio como se jogasse em casa, excepto, obviamente, no confronto com os anfitriões.

Simpática e afável, Bá está feita uma estrela, no cidade Maravilhosa, com solicitações para fotos e entrevistas ou simplesmente um abraço ou aperto de mão.Apesar disso, confessou ter muitas saudades da família e enviou muitos abraços e beijinhos virtuais, particularizando o seu técnico (Vivaldo Eduardo), que a incentivou num momento difícil de recuperação após uma lesão.

A  mãe e o marido em particular, e a família em geral, enchem a jogadora de saudades. E ela faz uma revelação.Antes do jogo com a Rússia recebeu uma mensagem dos familiares que a encorajou e motivou.  “Recebi uma mensagem que diz que sou o orgulho da família. Tenho muitas saudades da minha família.Angola encerrou a participação eliminada nos quartos-de-final e ficou em oitavo, dois acima de Londres2016.
A SelecçãoNacionalvai virar agora as baterias para o CAN.

QUADRO DE MEDALHAS

PAÍSES                  OURO      PRATA      BRONZE        TOTAL


Estados Unidos           28           30             28                86

China                         17          15             19                 51

Grã-Bretanha              19          19             12                50

Rússia                        12          12             15                39

Japão                           7            4             18                29

França                         8           11             11                30

Itália                           8             9               6                23

Alemanha                  11             8               9                28

Austrália                      7             8              9                 24

Coreia do Sul               6              3              5                14

Hungria                       6              3              4                13

Canadá                       3               2              9                14

Países Baixos               8               3             3                14

Brasil                          3               4             4                 11

Cazaquistão                 2               3             5                10

Nova Zelândia              3               6             1                10

Coreia do Norte            2               3             2                  7

Polónia                        2                2            3                  7

Espanha                      4                1            2                  7

Quénia                        4                3            1                  8