Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleces j esto na Arglia

Silva Cacuti - 14 de Janeiro, 2014

Vivaldo Eduardo estagiou com as 18 atletas para a prova, com objectivo de revalidar o ttulo e oferecer um novo registo ao palmars da seleco

Fotografia: Jornal dos Desportos

As selecções nacionais masculina e feminina estão desde ontem em Argel, palco da XXI edição dos campeonatos africanos. Vivaldo Eduardo chegou da Sérvia, onde estagiou com as 18 atletas inscritas para o campeonato, com objectivo de revalidar o título e oferecer um novo registo ao palmarés da selecção nacional sénior feminino.

Duas vitórias e uma derrota são os resultados obtidos nos jogos particulares disputados na Sérvia pelo conjunto nacional, que está em Argel com o objectivo de revalidar o título. Qualquer outro resultado representa fracasso na missão.

A Selecção Nacional defrontou, duas vezes, a Argélia, com vitórias de 19-15 e 22-18 e perdeu para o Hypo No da Áustria, por 25-28.

Vivaldo Eduardo reestruturou a equipa que jogou o campeonato mundial da Sérvia e repescou Carolina Morais e Matilde André, juntou Juliana Machado, para fazer funcionar o jogo nas alas. Para a zona da primeira linha tem à sua disposição Azenaide Carlos e Isabel Fernandes que estiveram condicionadas por altura do mundial.

A Selecção Nacional joga a primeira fase inserida no grupo B, ao lado da Tunísia, Congo e Guiné Conacry.

Por seu turno, Filipe Cruz, cujo objectivo passa por recolocar a selecção masculina no pódio da prova continental, somente em Argel consegue ter todos os atletas juntos. O influente Augusto Pedro Dinzeia “Gugú” já se juntou ao grupo naquela cidade. O atleta falhou o estágio na Sérvia, por conta de uma dispensa da Federação.

O seleccionador nacional só trabalhou com o ponta Elias António durante o estágio na Sérvia, uma vez que o jogador teve dificuldades de vir a Luanda, no arranque da preparação. Outra contrariedade é o facto do guarda-redes Giovani Muachissengue estar a trabalhar condicionado e com poucas possibilidades de jogar a 100 por cento. A equipa está inserida no grupo B, com a Argélia, Marrocos, Congo, Nigéria e RDC.
Silva Cacuti



ANDEBOL  CAMPEONATO AFRICANO ARGEL'2014
Crise afasta Costa do Marfim


A XXI edição dos campeonatos africanos seniores masculino e feminino de andebol, que a cidade de Argel acolhe de 16 a 25 do corrente, está a ser manchada pela ausência da aguerrida equipa da Costa do Marfim, uma das mais tituladas no continente.

A ausência decorre de uma crise instalada no andebol daquele país que culminou com a indicação em princípios de 2013, de uma comissão para a reestruturação da modalidade.

A comissão foi criada por Alain Lobognon, ministro da Juventude e Desportos da Costa do Marfim, e é liderada por Kone Mariame, antiga capitã da selecção marfinense e devia apresentar até final de 2013 um amplo plano de estruturação do andebol ivoiriense.

A Costa do Marfim é a segunda selecção com mais representações em campeonatos africanos, com um total de 19 presenças, atrás somente da República do Congo que tem 20 e à frente de Angola que vai somar em Argel a sua 18ª presença.

A nomeação da comissão para a reestruturação do andebol seguiu-se a uma decadência nos resultados da selecção feminina e dos clubes, que se agravou com a crise política vivido no país.

No campeonato disputado em Angola, em 2008, a Costa do Marfim foi finalista e perdeu por 39-27 para a selecção nacional. No Egipto, em 2010, arrebatou a medalha de bronze ao superar o Congo por 30-25 e na prova africana de 2012 foi sétima classificada.

Antes, em 2011, a Costa de Marfim jogou no campeonato mundial do Brasil, onde foi 16ª classificada. Na prova africana disputada no Cairo, em 2010, a equipa decaiu e ficou em sétimo lugar.

A Costa do Marfim teve presenças ininterruptas nos campeonatos africanos desde 1976. No ano corrente, interrompe a sequência de 19 presenças, durante as quais conquistou a prova em duas ocasiões e obteve cinco medalhas de prata e quatro de bronze.

A nível de clubes, as principais contestatárias da hegemonia continental do Petro de Luanda, eram daquele país. Trata-se do Rombo Sport e o African Sport Clube de Abidjam no destaque.

Como que indiferente à ausência de um dos pesos pesados, o comité organizador mantém-se nos preparativos do evento fez a pré-acreditação das selecções participantes e pôs à disposição três pavilhões, Harcha Hacene, OMS Coupole e o Cheraga, que foram construídos especificamente com objectivo de acolher jogos deste campeonato.
Silva Cacuti.


NACIONAIS JUVENIS
1º de Agosto e ASA
levam Ouro à galeria


A equipa juvenil masculina de andebol do 1º de Agosto sagrou-se ontem, de forma invicta, campeã nacional, após derrotar o 4 de Abril, da Lunda Sul, por 25-18. Ao intervalo, a vantagem militar era já de 15-10.

Os militares tiveram atitude logo nos instantes iniciais do jogo e assumiram a dianteira do marcador, fruto de melhor discernimento na finalização dos lances ofensivos, enquanto os lundas, tranquilizados com a consciência do dever cumprido com a chegada à final, tardaram na reacção.

A equipa do 1º de Agosto partiu então para uma exibição de encher os olhos, com o seu guarda-redes a mostrar firmeza defensiva e maturidade no lançamento do contra-ataque. Os últimos minutos foram usados para gerir o resultado e comemorar antecipadamente a consagração.

Para a definição do terceiro lugar, o Renascimento do Uíge não teve dificuldades de passar pela Escolinha do Namibe e coroou o seu regresso aos campeonatos nacionais com uma medalha de bronze.

CAMPEONATO
FEMININO


Na prova feminina, o ASA, de Olga Mendes, não precisou de marcar muitos golos para mostrar que é a melhor equipa do país na categoria. Foram só 19 golos marcados que deram a vitória às aviadoras, diante da Casa do Pessoal do Porto do Lobito que só marcou 15.

As aviadoras recuperaram na época de 2013 o título que tinham perdido para o 1º de Agosto. As destronadas suaram para vencer a surpreendente Epal por 24-23, na definição do terceiro lugar.
Silva Cacuiti