Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Senegal aspira final com Angola

Tereza Luisa em Brazziville - 08 de Dezembro, 2018

A presso est do lado de Angola por ser a campe em ttulo e detentora da hegemonia h duas dcadas"

Fotografia: Jornal dos Desportos

Quem bate as palmas de contente e aspira jogar a final com Angola é o seleccionador do Senegal, o francês Frederic Bougeant. Depois de ver sancionada a sua selecção na edição passada do CAN por inscrição irregular de uma atleta, o treinador assume que em Brazzaville a realidade é diferente.
\"Trabalhamos muito para cá estar. A espinha está encravada há dois anos. O grupo está imbuído do mesmo espírito e estamos motivados para chegar a final\", disse.
O desejo de jogar a final transcende a vitória. Frederic Bougeant aspira a qualificação para o Campeonato Mundial.
\"Não sei se vamos vencer. A pressão está do lado de Angola por ser a campeã em título e detentora da hegemonia há duas décadas\", disse.
Entre a motivação e a vitória, o francês reconhece a potencialidade das Pérolas ante as senegalesas.
\"As angolanas contam com uma grande equipa. Ganharam muitos troféus e é a melhor de África. As minhas atletas apresentaram-se bem até o momento; é visível alguma motivação, mas há muito por fazer\", reconheceu.
Para o possível jogo da final diante de Angola, a receita de Frederic Bougeant na selecção senegalesa \"é manter a atitude nalguns aspectos e melhorar noutros\". Para o efeito conta com apoio divino: \"temos católicas e muçulmanas no nosso grupo. Todas rezam. Essa vai ser a nossa arma para alcançar os nossos objectivos\".
Frederic Bourgeant desconhece que as rezas não ajudam a alcançar a vitória. Deus presta a atenção aos que oram e jejuam.
                        
TÍTULO DE CAMPEÃ
Adeptos apontam Congo


Sonhar não faz mal a ninguém. Esse é o adágio que contagia os congoleses, após a disputa da fase preliminar da 23ª edição do Campeonato Africano das Nações que decorre em Brazzaville. Motivados pelos triunfos, os adeptos locais apontam o Congo como candidato ao título, 32 anos depois da última conquista em 1985.
Batah Phileas assegura que há crescimento nos jogos e a vontade de vencer também.
\"O Congo beneficia de apoio do público e estamos aqui para encorajar as jogadoras até o final\", disse.
O adepto reiterou que está expectante pela segunda fase. As equipas menos cotadas vão ser afastadas.
\"Devem ser evitados erros de palmatória para não se manchar a participação\", disse.
Sobre a final, Batah Phileas desvaloriza a equipa adversária: \"Não importa quem for. O importante é conquistar o título\".
O radicalismo veio do congolês Akindi Bethou. O adepto não quer ouvir o nome de Angola no jogo do dia 12. A final vai ser disputada entre os dois vizinhos e charás.
\"Os Congos são selecções equiparadas. Na fase de grupo debateram-se de igual para igual. Angola é um país irmão e uma potência. Com as angolanas não temos hipóteses\", reconheceu.
A rivalidade entre os Congos foi visível na quinta-feira no jogo de Angola com as compatriotas de Christiane Mwasessa. As locais preferiram apoiar as Pérolas a congolesas democráticas.
\"Não temos nada a ver com elas. Angola é a nossa segunda casa. Por isso, vamos apoiar as angolanas\", disse Akindi Bethou.
      
 GRUPO B
Campeãs batem anfitriãs

Com oitos na tabela geral de classificação, a selecção nacional sénior feminina  de andebol terminou a fase regular da 23ª edição do Campeonato Africano das Nações, na liderança do Grupo B. Ontem, para a quinta jornada, derrotou a similar do Congo por 32-19 no pavilhão Nocole Oba.
A presença massiva do público congolês não intimidou as Pérolas, que contaram com os poucos adeptos. Em trinta minutos, o placard registou 18-9 favoráveis as angolanas.
Para intimidar as Pérolas, as anfitriães recorreram ao contacto físico. As angolanas limitaram-se a consistência defensiva e finalizarm com eficácia.
Os adeptos abandonaram o recinto sob o hino \"dima, dima, dima\", que na língua local significa saiam, em referência às compatriotas.
Noutro jogo, a RDC venceu a Guiné por 35-18, Tunísia empatou com Camarões a 25 golos.