Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

1 de Agosto vence Interclube e conquista Taa de Angola

Francisco de Carvalho - 20 de Abril, 2019

O 1 de Agosto entrou de rompante para resolver a questo do resultado

Fotografia: Agostinho | Narciso Edies Novembro

Em sexta-feira santa, os militares ignoraram o amor ao próximo. Nem a partilha do pão e do vinho, em respeito do homenageado, foi considerado. No seio da colectividade, só a ambição de erguer o troféu da Taça de Angola de 2019 havia nos corações. Em busca da consagração, colocaram em sentido os polícias. Ao estilo militar, celebraram a vitória por 87-84 ante a tristeza dos polícias.

A reacção armada, liderada por Paulo Macedo, impediu a força dos porretes e dos capacetes no início do primeiro quarto. O 1º de Agosto entrou de rompante para resolver a questão do resultado. O ataque demolidor inibiu a equipa de Alberto de Carvalho. Ante a apatia dos polícias, que buscavam compreender a origem da força dos adversários, os militares cimentaram o placard a seu bel-prazer.  O 10-3 favoráveis ao 1º de Agosto espelha a ânsia de conquistar o troféu.

Refeito do jogo passivo nos minutos iniciais, Alberto Carvalho alterou a estratégia. Os polícias trocaram os porretes por outras armas e o equilíbrio tomou conta do jogo. A proporcionalidade de forças no ataque complicou os militares que viram o resultado apertar: 9-11. Os militares esticaram a corda, gesto imitado por polícias: 13-11.

Paulo Macedo decidiu alterar o jogo de "ataque eu, ataca você". Com investida rápida no ataque e lançamentos certeiros, a mudança complicou o Interclube. Sem alternativa para contrapor a forte defesa implementada, Alberto Carvalho "Ginguba" assistiu à fuga do 1º de Agosto: 22-11. O ataque era interminável. A vulgarização tomou conta do jogo dos polícias. No final do primeiro quarto: 34-11.

No segundo quarto, o Interclube entrou com todas as forças à disposição e levou o silêncio às bancadas do 1º de Agosto. Com melhor disposição, complicou o jogo militar. Alberto Carvalho era um homem feliz. No noutro lado, Paulo Macedo desconhecia alternativas para repetir a proeza do quarto anterior. Com arrastos, conseguiu chegar ao intervalo a vencer por 47-44. O parcial de 13-33 espelha a força do Interclube.

No reatamento, ditou-se o primeiro empate: 48-48. O Interclube e o 1º de Agosto estavam dispostos para festejar. Seguiu-se a primeira fuga dos polícias: 48-50. O equilíbrio perdurou pouco tempo. Os militares repuseram a verdade dos factos, empataram (50-50) e seguiram adiante. As perdas de bola dos polícias facilitaram o 1º de Agosto. Nem os pequenos rasgos individuais permitiu ao Interclube às boas exibições. Aceitou a fúria militar: 68-60.

No último quarto, toda a armada militar exibiu o que sabe. O 1º de Agosto entrou mais determinado ante as falhas constantes do Interclube. Paulo Macedo acelerou o ataque e Alberto de Carvalho contentou-se com a fragilidade na defesa. Sem recursos humanos "competentes" para contrariar o jogo colectivo dos militares, Ginguba teve de saudar o confrade que conquistou o prélio por 87-84.