Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Americanos falham consolidao histrica

Anaximandro Magalhes | Foshan - 16 de Setembro, 2019

Fotografia: DR

Falhada a conquista do sexto Mundial, os Estados Unidos da América perderam também a possibilidade de se consolidar na história da FIBA, como primeiro e único país a erguer a taça por três vezes consecutivas.
Depois do bicampeonato, em 2010, em Istambul, Turquia, e 2014, em Madrid, Espanha, os norte-americanos às ordens de Gregg Popovich tinham como objectivo desfazer a partilha com a Jugoslávia, outra selecção com cinco campeonatos no seu palmarés.
Com o percalço, Estados Unidos da América, Jugoslávia e Brasil, este último primeiro a estrear-se com dois ceptros, são os únicos países com esta proeza, duas medalhas de ouro sucessivas.
Em 16 edições, os jugoslavos, medalha de ouro em casa, em 1970, na cidade de Ljubljana, ganharam a segunda taça do seu historial em 1978, em Manila, nas Filipinas, a terceira em 1990, em Buenos Aires, Argentina, a quarta em 1998, em Atenas, Grécia, e a última em 2002, em Indianápolis, nos Estados Unidos da América.
Os Estados Unidos conquistaram os seus títulos em 1954, no Rio de Janeiro, Brasil, em 1986, em Madrid, Espanha, em 1994, em Toronto, Canadá, e em 2010, em Istambul, Turquia.
Na restrita lista de campeões, a Ex-União Soviética, hoje Rússia, é terceira com três mundiais no currículo, 1967, em Montevideu, Uruguai, 1974, em San Juan, Porto Rico, e 1982, em Cali, Colômbia.O Brasil, com dois títulos vem a seguir. Segundos campeões da história dos mundiais, os brasileiros suplantaram a concorrência em 1959, em Santiago, Chile, e em 1963, no Rio de Janeiro, seu território.
Com um troféu estão Argentina, em 1950, e a Espanha, campeã em 2006, no mundial de Saitama, no Japão.