Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola começa com vitória

Hélder Jeremias, em Maputo - 21 de Setembro, 2013

Uma equipa com espírito ganhador, dentro e fora de casa, é o que pretende a direcção

Fotografia: Santos Pedro

A Selecção Nacional de Basquetebol sénior feminina começou bem a sua campanha em defesa do anel continental, ao vencer ontem à noite, no pavilhão de Maxaquene, a sua similar da Nigéria, por 60-46, em partida pontuável para a primeira jornada do grupo B da 23ª edição da fase final do Campeonato Africano das Nações, que a capital moçambicana acolhe desse ontem.

Diante de uma equipa com argumentos credíveis, as comandadas de Aníbal Moreira começaram a partida de forma tímida, tendo, nos dois quartos inicias, permitido que as nigerianas dessem o ar da sua graça, numa fase em que as campeãs africanas mostravam insuficiência no capítulo da finalização, agravada pelo índice de contacto no sector defensivo.

O cenário acima apresentado permitiu que as nigerianas aproveitando a boa percentagem nos lançamentos livres, avolumassem os seus números no placar, não obstante a Selecção Nacional ter um jogo, do ponto de vista técnico e táctico, superior ao do adversário, motivo que redundou na vantagem de apenas dois pontos a favor de Angola no quarto inicial (15-13).

No segundo período, as pupilas de Aníbal Moreira e Eliza Pires apareceram com nova dinâmica de jogo, ao montar um esquema defensivo menos contundente, não obstante os índices em termos de finalização permanecerem em níveis pouco satisfatórios. Nesta etapa, Nacissela Maurício apareceu melhor ao dotar de maior fluidez o jogo da sua equipa, através de assistências oportunas, além a boa prestação ofensiva das suas companheira, mas não conseguiram um resultado melhor que três pontos a seu favor (25-22).

O terceiro período foi o mais produtivo para Angola, em que Catarina Camufal, Fineza Eusébio, Astride Vicente, Nguendula Filipe, Nadir Manuel, Sónia Guadalupe, Nacissela Maurício, Luísa Tomás, Clarisse Mpaka, Whitney Miguel, Madalena Félix e Felizarda Jorge colocaram em sentido a Nigéria, com base na estrita observância das orientações de Aníbal Moreira em termos tácticos (defesa à zona), o que fez com que o combinado nacional vencesse um parcial de 20-10, perfazendo 45-32.

A Nigéria ainda tentou o udo ou nada nos minutos iniciais da quarto derradeiro, tendo criado sérias dificuldades para angola, mas Aníbal Moreira e pupilas souberam estancar a ousadia das Nigerianas que já evidenciavam desgaste físico desse o período anterior, daí que as angolanas tiveram mais pernas para levar de vencida o jogo por expressivos 60-46.


TREINADOR

Aníbal Moreira reconhece debilidades


O técnico da Selecção Nacional sénior feminino de basquetebol, Aníbal Moreira, reconheceu que a sua equipa cometeu vários erros no jogo de estreia da 23ª edição do Campeonato Africano das Nações, realizado ontem, diante da selecção da Nigéria, em que a sua equipa venceu pontos 14 pontos de diferença.

No final da partida, Aníbal Moreira frisou que estava certo que o adversário iria colocar algumas dificuldades, mas sublinhou que o seu plantel estava em altura de obter um resultado mais confortável, caso não permitisse que em determinadas alturas, a Nigéria jogasse a seu bel-prazer.

Muito embora o jogo não tenha decorrido como pretendia, Aníbal Moreira reconhece que, por se tratar da primeira partida, as atletas tenham denotado algum nervosismo, até porque a Nigéria responde por uma das formações com maior tradição no continente. 

Questionado sobre o jogo de hoje, diante do cabo Verde, Aníbal Moreira considerou de “outra partida difícil”, em função do nível organizativo que a equipa da Ilha tem pautado nas competições internacionais.

“A equipa jogou bem, mas teve algumas etapas menos boas, em que permitiu que o adversário encurtasse a diferença. Vamos procurar rever esta situação, de modo que o colectivo não volte a permitir que situações idênticas voltem a acontecer e que, de jogo para jogo, façamos o nosso percurso até a concretização do objectivo”, disse Aníbal Moreira.    
H.J


ABERTURA

Equipa do Senegal
cilindra Egipto


A selecção do Senegal, vice -campeão africana, provou ser uma das principais candidatas a conquista da 23ª edição do Campeonato Africano de Basquetebol, (Afrobasket) depois de cilindrar a sua congénere do Egipto, por 100-69, no jogo que marcou a abertura do Africano de Maputo.

Inseridas no Grupo A, as duas formações mostraram-se bem do ponto de vista técnico, mas as senegalesas souberam aproveitar o porte físico para se imporem diante do adversário, que muito embora se tenha mostrado bem esclarecido do ponto de vista técnico, esteve muito aquém do seu habitual nível na maior prova continental.

Por seu turno, no grupo de Angola (B), os Camarões bateu o Quénia por 61-39, ao passo que o Mali superiorizou-se diante do Cabo Verde, ao vencer por 73-62. Realizaram-se ainda os jogos entre a Costa do Marfim-Argélia e Moçambique-Zimbabwe, mas até o fecho da nossa edição desconhecíamos os resultados finais.

A jornada de hoje inicia com a partida do grupo B, entre Nigéria – Quénia (às 10h00), seguida do confronto Zimbabwe-Argélia, Mali-Camarões, Cabo Verde-Angola,  Egípto Moçambique e Senegal-Costa do Marfim.
H.J


DESEJO
Selecção anfitriã quer
tributar Samora Machel

As autoridades moçambicanas estão engajadas na conquista da 23ª edição do Campeonato Africano das Nações, a fim de homenagearem a figura do primeiro presidente daquele país, o malogrado Samora Machel, que a 29 deste mês completaria 80 anos.

As “Samurais”, nome genérico da selecção anfitriã, prometem bater-se com toda dignidade para que o ouro fique no seu país, depois de terem sido encorajadas pelo presidente Fernando Guebuza, durante a recepção que tiveram na última segunda-feira no palácio presidencial.

Sob o lema “Vamos ser felizes”, o público moçambicano acredita que a sua equipa vai conseguir travar qualquer adversário, muito embora reconheça as potencialidades das demais selecções.

“Vamos jogar com toda a força para prestarmos uma grande homenagem ao nosso presidente Samara Machel no dia em que completaria 80 anos, caso ainda estivesse em vida. Sei que é possível e confio na vossa capacidade”, vaticinou o presidente moçambicano. 
 H.J


Agente de Carlos Morais
esclarece êxito do jogador


O agente internacional de jogadores, Adão Costa, confirmou ontem, em declarações ao Jornal dos Desportos, que o basquetebolista Carlos Morais foi admitido para fazer parte do grupo de atletas que cumprem a fase de adaptação à integração no clube Toronto Raptors da NBA.

O também representante do MVP do Afrobasket’2013, disputado na Costa do Marfim, fez questão de esclarecer que o processo de entrada do jogador angolano na liga profissional norte-americana ainda não está concluído.

“Nesta altura, Carlos Morais cumpre um processo de adaptação para entrar completamente na NBA porque, como devem saber, existe um certo rigor na NBA, que exige o cumprimento de um processo estabelecido para a entrada de jogadores na Liga Profissional Norte-Americana”, disse o agente de jogadores, responsável pela transferência do extremo-base ao basquetebol norte-americano.

“O Carlos está a fazer o tal processo que é exigido pela NBA. Foi admitido para o processo de adaptação, vai cumprir vários jogos que são importantes para a sua aprovação na liga profissional. Mas, ao que tudo indica, tudo pode acontecer, porque o jogador mostrou que tem talento”, acrescentou Adão Costa.

O agente de Carlos Morais disse ainda que o jogador tem até Janeiro para provar estar realmente habilitado para integrar o plantel do Toronto na época 2013/2014, cujo início está previsto para 29 de Outubro próximo. O espaço para adaptação disponível para o extremo base angolano deve durar dois meses.

“Acreditamos que até finais de Dezembro podemos saber qual a situação definitiva do Carlos Morais na equipa do Toronto. Mas, seja como for, uma coisa vos posso garantir: o Carlos está às portas de jogar na NBA”, assegurou o agente, que se mostra extremamente optimista na concretização do sonho do jogador.

“Penso que todos os angolanos, de Cabinda ao Cunene e do mar ao leste, devem estar unidos e rezar para que o nosso atleta consiga, de facto, jogar naqueles campos e erguer muito bem alto a bandeira de Angola. Esperamos que o Carlos seja o primeiro a levantar a bandeira de Angola nas quadras da NBA”, finalizou.
Paulo Caculo


CONSTATAÇÃO
“Temos atletas
para entrar na NBA”


Adão Costa considera que a provável entrada de Carlos Morais ao plantel definitivo do Toronto, tendo em vista a temporada de 2013/2014 da NBA, peca por acontecer muito tardiamente. Segundo o agente de jogadores, Angola sempre provou, pelo número de títulos e qualidade de jogadores que ostenta, reunir condições para colocar muitos atletas na Liga Profissional Norte-Americana de Basquetebol.

“Nós temos muitos atletas com nível para jogar na NBA. Aliás, isso não representa novidade para ninguém. Somos a potência no continente africano e não se justifica o facto de constatarmos que os nossos adversários, as selecções que superamos nos campeonatos africanos tenham jogadores na NBA e nós não”, afirmou o antigo director do departamento de basquetebol do 1º de Agosto.

“Estão de parabéns todas aquelas pessoas que directa ou indirectamente contribuíram para o sucesso do Carlos Morais, desde dirigentes, treinadores e amigos. Vamos torcer para que tudo corra bem com o nosso jogador e que possamos todos acompanhar de perto esta trajectória, que ainda se adivinha difícil, apesar de todos acreditarmos que o Carlos consegue realizar o seu sonho de jogar na NBA”, admitiu.

Antes de finalizar, Adão Costa confessou estar regozijado, “como agente do jogador, amigo da família e adepto do desporto”, pelo facto de estar à beira de ajudar a consolidação de um objectivo há muito perseguido e desejado por todos os angolanos.  
PC