Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola conquista doze medalhas em Brazzaville

21 de Setembro, 2015

Selecção Nacional masculina de Basquetebol conquistou a medalha de ouro

Fotografia: Paulo Mulaza

Angola conquistou 12 medalhas nos XI Jogos Africanos do Congo - Brazzaville, com o andebol feminino a arrebatar o ouro e o masculino a prata, no sábado, último dia de prova.  No geral são quatro medalhas de ouro, designadamente, no andebol feminino, no basquetebol masculino, no voleibol de praia pela dupla Éden Cerqueira e Edson Figueiredo, além do judo, por Antónia de Fátima “Faya”, nos -70 Kg. As três medalhas de prata foram obtidas por Pedro Pinotes, natação, pelo desportista adaptado José Chamoleia (classe T11), nos 400 m e o andebol masculino.

A delegação angolana regressa ao país com cinco medalhas de bronze, designadamente no basquetebol feminino, pela atleta Nair Garcia (Judo),  por Manuel Gomes, no boxe (56 Kg), no desporto adaptado por Esperança Gicaso (100 m) e José Chamoleia (200 m). Comparativamente à edição anterior em Maputo2011, Angola baixou no número de  26 para as actuais 12 medalhas. Em Maputo conquistaram seis medalhas de ouro, dez de prata e igual número de bronze,  Angola ficou em décima posição no quadro geral de medalhas. A presente edição ainda não foi divulgada oficialmente pelo Comité Organizado dos Jogos “Coja2015”.

Quanto às modalidades, que habitualmente aumentam o pecúlio de medalhas neste evento que assinalou o cinquentenário, ficaram desta vez de fora por opção do país organizador, o xadrez (habitualmente conquista três a quatro e a canoagem (duas a três). Outro factor que pode ter influenciado para o abaixamento das performances em Brazzaville, pode ter a ver com a diminuição de atletas nas modalidades individuais, por questões conjunturais.

Outras, mesmo estando presentes não produziram o esperado como o basquetebol feminino, pelo qual se esperava o ouro, na condição de bicampeã africana, o andebol masculino em que também se perspectivou o ouro, a ginástica que pelas garantias dadas pela Federação podia subir ao pódio nas diversas categorias,  o desporto adaptado cuja selecção em renovação, não produziu os números habituais.