Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola defronta Camares e Tunsia

Anaximandro Magalhes, no Cairo - 03 de Julho, 2018

Campeonato do Mundo, que vai decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro do prximo ano, na China, com a vitria sobre o Egipto.

Fotografia: Fiba frica

O seleccionador nacional de basquetebol sénior masculino, William Bryant Voigt, contrariou em declarações prestadas ao Jornal dos Desportos as alegadas más exibições da selecção na etapa derradeira do Grupo C da terceira janela do Torneio Africano de Qualificação para a 18ª edição do Campeonato do Mundo, que vai decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro do próximo ano, na China, com a vitória sobre o Egipto.
"Ganhámos à equipa anfitriã. Penso que isso é convincente. Por outro lado, conseguimos o nosso primeiro objectivo. E, acreditamos que estamos no bom caminho", disse.
Ainda assim, Voigt mostra-se confiante, pois, defende: "estamos a trabalhar com objectivo no futuro. Não podemos pensar somente em resultados imediatos. Se calhar, vamos sacrificar agora algumas vitórias para as ter mais à frente, mas as bases estão a ser criadas. É preciso pensar no Afrobasket em 2021". William lamentou as baixas percentagens nos lançamentos livres, de dois e três pontos. Os números preocupam-no.  Por outro, reiterou a prospecção permanente em busca de atletas que joguem em diferentes campeonatos e que tenham interesse em reforçar a Selecção Nacional, como uma das prioridades, com vista aos compromissos futuros.
"Temos de melhor muito os lançamentos com 16 por cento nos lançamentos triplos e 44 nos lances livres. Dificilmente, vamos conseguir as grandes equipas. E, é isso, que temos de continuar a melhorar. Já falei sobre isso, aquando da disputa dos play -offs. Assisti a alguns jogos e constatei médias baixas. Assim, será difícil ganharmos a qualquer equipa", antevê.
Para William Voigt é "um choque, porque equipas de há 20 anos lançavam melhor e hoje não"."Alguma coisa deixou de ser feita. É preciso trabalhar e melhorar muito", disse.

Números da Selecção
na primeira fase do
Torneio de Qualificação

6 jogos disputados
entre as cidades de
Luanda e do Cairo

4 vitórias
três no país
e uma fora

2 derrotas diante
de Marrocos e RDC
371 pontos marcados
aos adversários
369 cestos consentidos
na sua tabela
10 pontos
na liderança
do Grupo C
61,8 média de pontos
convertidos por jogo
61,5 pontos sofridos
por desafio

TRIUNFO SOBRE  EGIPTO

 Voigt contraria más exibições

O seleccionador nacional de basquetebol sénior masculino, William Bryant Voigt, contrariou em declarações prestadas ao Jornal dos Desportos as alegadas más exibições da selecção na etapa derradeira do Grupo C da terceira janela do Torneio Africano de Qualificação para a 18ª edição do Campeonato do Mundo, que vai decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro do próximo ano, na China, com a vitória sobre o Egipto.
"Ganhámos à equipa anfitriã. Penso que isso é convincente. Por outro lado, conseguimos o nosso primeiro objectivo. E, acreditamos que estamos no bom caminho", disse.
Ainda assim, Voigt mostra-se confiante, pois, defende: "estamos a trabalhar com objectivo no futuro. Não podemos pensar somente em resultados imediatos. Se calhar, vamos sacrificar agora algumas vitórias para as ter mais à frente, mas as bases estão a ser criadas. É preciso pensar no Afrobasket em 2021". William lamentou as baixas percentagens nos lançamentos livres, de dois e três pontos. Os números preocupam-no.  Por outro, reiterou a prospecção permanente em busca de atletas que joguem em diferentes campeonatos e que tenham interesse em reforçar a Selecção Nacional, como uma das prioridades, com vista aos compromissos futuros.
"Temos de melhor muito os lançamentos com 16 por cento nos lançamentos triplos e 44 nos lances livres. Dificilmente, vamos conseguir as grandes equipas. E, é isso, que temos de continuar a melhorar. Já falei sobre isso, aquando da disputa dos play -offs. Assisti a alguns jogos e constatei médias baixas. Assim, será difícil ganharmos a qualquer equipa", antevê.
Para William Voigt é "um choque, porque equipas de há 20 anos lançavam melhor e hoje não"."Alguma coisa deixou de ser feita. É preciso trabalhar e melhorar muito", disse.