Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola desce mais trs lugares no ranking

28 de Fevereiro, 2019

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

Angola voltou a baixar três lugares no ranking da FIBA-Mundo, ocupando actualmente a posição 39, com 262, 5 pontos, de acordo com a última actualização feita pelo organismo que tutela a modalidade no mundo, no caso a FIBA-Mundo, a 26 do mês em curso, depois da conclusão da sexta e última janela de qualificação para a Copa do Mundo de 2019.
Apesar de ter assegurado a qualificação para a Copa do Mundo da República Popular da China, competição a decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro do ano em curso, os hendecacampeões africanos continuam em queda livre, no que ao ranking mundial diz respeito.
Em pouco menos de dois anos, ANGOLA, onze vezes campeã africana, baixou nada mais, nada menos do que 23 lugares no ranking da FIBA-Mundo, sendo, por isso, o pior registo de todos os tempos da história do basquetebol angolano.Em 2017, já sob liderança de Hélder Martins da Cruz \"Maneda\", Angola havia baixado 21 lugares, saindo da posição número 16, para a posição 37 do ranking, isto depois dos hendecacampeões africanos terem fracassado no Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, em 2017, onde não foram para além do sétimo lugar.
No ano a seguir ANGOLA havia melhorado um lugar(36).
Com a conclusão da sexta e derradeira janela de qualificação para a Copa do Mundo da República Popular da China, prova que vai contar com a participação de 32 nações, contra as 24 das edições anteriores, o \"Cinco Nacional\" voltou a baixar mais três degraus, ocupando nesta altura a posição número 39.Estados Unidos da América, Espanha e França ocupam os três primeiro lugares do ranking mundial, com 793, 7, 703, 5 e 650, 2 pontos, respectivamente. Nigéria é, nesta altura, a selecção africana melhor classificada, na posição 33, com 296 pontos. O Senegal ocupa o lugar 37, com 269, 4 pontos.
Já a nível do continente, Nigéria continua na liderança, seguida do Senegal e de Angola, respectivamente. M.C