Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola falha pdio

Juscelino da Silva - 03 de Setembro, 2018

Manuel Silva defendeu que "o pas no pode ganhar sempre"

Fotografia: Contreiras Pipas | Edies Novembro

A selecção nacional masculina de basquetebol  Sub-18 qualificou-se em quarto lugar do campeonato africano que encerrou ontem em Bamako. Os angolanos perderam com o Egipto por 78-89  nas classificativas ao terceiro lugar. Ao intervalo, os angolanos já perdiam por 42-43.
Na hora de balanço, o seleccionador nacional, Manuel Silva \"Gi\", considerou positiva a participação do país, apesar de alguns factores condicionarem a preparação da selecção nacional de Sub-18 e a deslocação para o palco da competição.  A falta de imparcialidade de árbitros também influenciou para a classificação.
\"Se não chegássemos tarde a Bamako, não perderíamos com o Senegal. Jogámos cansados. A derrota levou-nos a cruzar com o Mali nas meias-finais\", justificou o treinador angolano.
O seleccionador nacional sustentou que a derrota diante do Senegal na estreia foi fatal para os objectivos definidos; alterou o percurso para a revalidação do título africano alcançado em 2016, em Kigali.
Manuel Silva defendeu que \"o país não pode ganhar sempre\". Agora, \"tem de continuar a trabalhar para defrontar adversários muito fortes\".
\"O terceiro lugar obriga-nos a trabalhar mais. As outras selecções estão muito fortes. O Mali tem jogadores altos e criaram-nos muitas dificuldades em alguns sectores\", disse.
Angola começou a defesa do título no grupo B ao lado de Senegal com quem perdeu na estreia por 76-77. Refeito do desaire, derrotou a Tunísia (73-68), Ruanda (80-79) e Argélia (86-50). Nos quartos de finais, ganhou à RDC por 62-44. Nas meias-finais, perdeu com o Mali.
Manuel Silva \"Gi\" reiterou a partir de Bamako, que mantém a \"palavra\" de abandonar a selecção nacional, tão logo regresse ao país.
\"Temos de ser coerentes nas nossas palavras. O que disse, antes de viajar para Bamako, não retiro. Tão logo chegue a Luanda, vou colocar o meu cargo à disposição. Com essa direcção da Federação Angolana de Basquetebol já não trabalho\", lembrou.