Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola perde com a RDC mais assegura qualificao

Anaximandro Magalhes, no Cairo - 02 de Julho, 2018

Yanick Moreira esteve em grande ao marcar 20 pontos

Fotografia: Fiba frica

Angola despediu-se ontem do Cairo, ao perder por 56-66, com derrota histórica ante o Congo Democrático, selecção com a qual nunca tinha perdido, em basquetebol sénior masculino, a nível de competições oficiais. O percalço dos hendecacampeões africanos foi pontuável  para a terceira e última jornada do Grupo C do Torneio Africano de Qualificação para a Copa do Mundo, China ´2019.
Determinada a fechar com triunfo o percurso iniciado em Luanda, onde fez o pleno, o \"cinco\" nacional teve um início de jogo prometedor, mas não foi além das expectativas criadas, gorando-as logo no final dos 10 minutos referente ao primeiro quarto, em que perdeu por 12-18.
Com a postura demonstrada, os hendecacampeões africanos deixaram irritados os expectadores presentes no Pavilhão Cairo Stadium Indoor, cuja assistência rondava as mil e quinhentas, das duas mil previstas para a lotação, por ser tal a displicência ofensiva, mesmo em situação de vantagem numérica.
Quando tudo fazia crer que a vitória frente ao Egipto (65-58), despertaria a equipa, esta não foi capaz de corresponder. Em desvantagem ao intervalo por 24-35,  Angola era exigida uma postura diferente. Passes mal feitos, falta de cortes, e bloqueios de formas a permitirem o lançamento fácil, era por demais evidente.
E, para não variar, a mesma produção verificou-se no segundo e terceiro quarto, tendo os hendecacampeões africanos perdido por 12-17 e 12-13, respectivamente.
Yanick Moreira foi a única unidade que brilhou, ao contrário dos consagrados Olímpio Cipriano que terminou com oito pontos, Reggie Moore, três, Leonel Paulo, dois, e Eduardo Mingas, que não marcou qualquer ponto, durante aos 14 minutos e 22 segundos em que ficou na quadra.
Defensivamente mal e ofensivamente pior, o combinado angolano às ordens de William Bryant Voigt chegou a consentir uma diferença de 28-41. A dois minutos para o final do terceiro período, Mingas, Ndoniema, Lukeny e companheiros, reduziram para 36-41, numa clara devolução de esperança e de que o empate estava próximo.
Em menos de um minuto, em duas situações de contra ataque e numa cobrança de lance livre, Shekinah Munanga, Mathieu Kamba e Christian Eyenga voltaram a dilatar a vantagem para 48-36, tornando mais difícil o objectivo de Voigt e pupilos.
A Selecção Nacional só foi superior ao opositor nos lançamentos de dois pontos, onde em 39 tentativas converteu 17, 43,6 por cento, contra 35 e 15 encestados, 42,9 por cento dos congoleses.
Para uma equipa que se propunha ganhar, o percentual nos lançamentos de três pontos reflectem o quão desastrosa foi a safra angolana, em 31 marcou somente 5, 16,1 por cento, contra 25/8 32 por cento do Congo. Nos lances livres em 17 encestou sete, 41, 2 por cento, ao passo que os congoleses  fizeram 12 em 20, 60 por cento.
Angola terminou na primeira posição do Grupo C, com 10 pontos, seguido de Marrocos e Egipto, ambos com nove pontos cada, ao passo que a República Democrática do Congo ocupou a cauda da tabela classificativa, com oitos pontos.
Ainda ontem, para a última jornada da terceira janela de qualificação, a selecção do Chad cilindrou a Guiné, por 80-49, isto para o Grupo A, a República Centro Africana bateu a Costa do Marfim, por 69-60, para o Grupo D, o Rwanda venceu a similar do Uganda, por 92-79 (B), enquanto o Egipto vergou o Marrocos, por 59-53, para o Grupo C.

Desempenho
Poste Yanick Moreira lidera artilharia


Contra todas as expectativas, Yanick Moreira, poste de dois metros e onze centímetros de altura, atleta que militou na última temporada no Parma Basket da Rússia, lidera a lista dos melhores marcadores da Selecção Nacional de basquetebol em seniores masculinos, com 70 pontos marcados, em seis jogos disputados, rumo a Copa do Mundo da China.

Após a conclusão da terceira janela de qualificação zona africana para a Copa do Mundo de 2019, prova a decorrer de 31 de Agosto a 15 de Setembro na República Popular da China, o internacional angolano contabiliza 70 pontos, em seis partidas, o que representa uma média de 11, 6 pontos por cada desafio.
O segundo lugar da artilharia é ocupado pelo extremo poste, Reggie Morre, com 50 pontos, estando com uma média de 8, 3 pontos por cada partida.
Por seu lado, Olímpio Cipriano, tetra campeão africano, 36 anos de idade, sendo por isso, um dos jogadores mais experiente do cinco nacional a par de Eduardo Mingas, ocupa o terceiro lugar da lista dos melhores marcadores de Angola, com apenas 40 pontos, em seis jogos, o que representa uma média de 6, 6 pontos por cada desafio.
Gerson Gonçalves "Lukeny" e Leonel Ditutala Paula ocupam as posições imediatas, com 37 e 33 pontos marcados, respectivamente, obtendo uma média de 6, 1 e 5, 5 pontos por cada encontro.
Entretanto, já a nível dos melhores artilheiros da competição, os atletas angolanos estão de fora do top dez. A lista é liderada pelo ugandês, Robinson Odoch, com 92 pontos, seguido do nigeriano, Ikechukwu Diogu, com 86 pontos, ao passo que o seu companheiro de selecção, Obi Emegano, ocupa do terceiro lugar, com 81 pontos.
Na lista geral, a entrada da terceira jornada, Yanick Moreira ocupava o lugar  número 34, contra 37 do Reggie Moore. Olímpio Cirpriano estava na posição 68.

Primeira fase

Angola e Senegal
passeiam classse


Angola e Senegal, duas potências do basquetebol africano, passearam classe durante a prmeira fase de qualificação para a décima oitava edição da Copa do Mundo de 2019, competição marcada para o continente asiático, mas concretamente, na República Popular da China.
A Selecção Nacional de Angola, onze vezes campeã africana, e com várias participações em fases finais de Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos, não teve qualquer dificuldade em alcançar o passe de acesso à fase seguinte da aludida competição, apesar de ter começado a terceira janela de qualificação Grupo C com derrota, diante de Marrocos, com quem perdeu por 47-61. O mesmo pode se dizer do Senegal, penta campeão africano, que dominou completamente o Grupo D, ocupando o primeiro lugar do seu grupo.
Tunísia e Nigéria, selecções que têm dominados os últimos Afrobasket´s, também estieveram em grande evidência nos respectivos grupos (A e B).Já Marrocos e Camarões, nações que procuram afirmara-se no contexto de grandes potências a nível da "bola ao cesto" apuraram-se sem qualquer dificuldade.
Por seu lado, a selecção do Egipto, penta campeã africana, teve que esperar pela última jornada para conseguir a qualificação. A vitória de 59-53 sobre a congénere de Marrocos colocou os egípcios na segunda fase.Doze (12) selecções asseguraram a qualificação para a segunda fase, nomeadamente, ANGOLA, Mali, Marrocos, Egipto, Senegal, Camarões, Nigéria, Chad, República Centro Africana, Rwanda, Moçambique e Tunísia.
Costa do Marfim, integrante do Grupo D, ficou de fora do segundo turno da competição, sendo por isso, a grande surpresa. O mesmo aconteceu com o Uganda, Guiné e República Democrática do Congo. M.C

FICHA TÉCNICA
Pavilhão: Stadium Indoor dois    
Espectadores: Mil e quinhentos 
Árbitros: Ognjen Jokic (Monte Negro), Opeyemi Oluwaseun Ogunleye (Nigéria) e Tarek Ben Ltaifa (Tunísia)

ANGOLA:(56)
Gerson Domingos (2), Yannick Moreira (20), Gerson Gonçalves "Lukeny" (6), Olímpio Cipriano (8), Hermenegildo Santos (0), Edson Ndoniema (6), Leonel Paulo (2), Eduardo Mingas (0), Hermenegildo Mbunga (7), Reggie Moore (3), Leandro Conceição (2) e Pedro Bastos (0).
Treinador: William Bryant Voigt

RDC: (66)
Jonathan Kasibabu (8), Pitchou Manga (0), Maxi Shamba (4), Mathieu Kamba (0), Ruphin Kayembe (13), Rodrigue Tambwe (10), Shekinah Munanga (0), Carl Embo (10), Gudul Mulomba (2), Christian Eyenga (17) e Evariste Tolembo (2).  
Treinador:John Dougalin
Parciais:12-18, 12-17, 12-13 e 20-18
Resultado ao intervalo: 24-35
Resultado final:  56-66