Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angolanos imbatíveis

Melo Clemente - 17 de Dezembro, 2015

Libolenses somam cinco vitórias consecutivas na prova que caminha para a final

Fotografia: José Cola

Um autêntico passeio "turístico"! É o que se pode dizer da primeira partida dos quartos-de-final em que a formação do Recreativo do Libolo derrotou ontem, no Pavilhão Multiusos do Kilamba, a similar da Associação Desportivo Bairro de Cabo Verde, por 61-93, alcançando o passe de acesso às meias-finais da competição. Apesar de ter cruzado com um adversário bastante fraco, os actuais campeões africanos não concederam qualquer facilidade ao seu opositor, que não contou com uma das suas principais unidades, no caso, o extremo base, Mário Correia, que devido a uma lesão no joelho esquerdo ficou de fora.

Com Valdelício Joaquim, Carlos Morais e Olímpio Cipriano a liderarem as acções ofensivas do Recreativo do Libolo, os cabo-verdianos do Bairro viram-se incapazes de suster o poderio da formação angolana que está fortemente engajada na reconquista do ceptro africano. Os libolenses conseguiram um parcial de 24-15, ao cabo dos primeiros dez minutos, fruto da maior dinâmica empreendida, fundamentalmente, nas acções ofensivas, onde eram privilegiadas os lançamentos dos seis metros e setenta e cinco (triplos).

Com os olhos postos nas meias-finais da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africanos, Norberto Alves, técnico português ao serviço do Recreativo do Libolo, aproveitou o passeio "turístico" para girar o seu banco. No segundo quarto, o domínio continuou a pertencer aos campeões africanos, que fizeram um parcial de 21-14, o que perfez 45-29, ao cabo dos primeiros 20 minutos, a favor da formação angolana. No terceiro período, os cabo-verdianos melhoraram significativamente a sua defesa, assim como o seu ataque, tendo perdido no parcial por 29-24, o que perfez 74-53, a favor do Recreativo do Libolo.

Com uma vantagem confortável, os libolenses limitaram-se a gerir o marcador, ante uma equipa que não tinha argumentos suficientes para contrapor a avalanche ofensiva dos actuais campeões africanos da "bola ao cesto". No quarto derradeiro, a formação da vila de Calulo conseguiu um parcial de 19-8, fixando o resultado final em 93-61. O cabo-verdiano, Fidel Teixeira, com 23 pontos, foi o cestinha da partida. Fidel foi ainda o rei dos ressaltos, com onze, sendo três ofensivos e oito defensivos. Nos lançamentos de dois pontos conseguiu uma percentagem de 58, contra 33, 33 nos lançamentos a longa distância.

No Libolo, os suspeitos do costume estiveram mais uma vez em grande destaque. Trata-se do Olímpio Cipriano, Carlos Morais  e Valdelício Joaquim, todos internacionais angolanos. Valdelicio marcou 19 pontos, contra 15 de Carlos Morais e Olímpio Cipriano. Valdelício Joaquim conseguiu ainda sete ressaltos, todos defensivos, contra seis do seu companheiro de equipa, o norte-americano, Marcus Lewis. Carlos Morais obteve 80 por cento nos lançamentos a longa distância.

As partidas das meias-finais estão marcadas para amanhã, sexta-feira, dia 18, ao passo que a final joga-se no sábado, dia 19. Por sua vez, o Atlético Petróleos de Luanda surpreendeu o Rades da Tunísia, a quem venceu por 74-49. Com este triunfo, petrolíferos e militares voltam a duelar amanhã, desta para as meias finais da taça dos Campeões.

FICHA TÉCNICA

Pavilhão do Kilamba
Comissário: Tony Sofrimento
Arbitragem:Bezgharek Sami, Samch Estafanuns e Shuforuwe Samuel
LIBOLO: Olímpio Cipriano (15), Jonathan Wallace (7), Carlos Morais (15), Vlademir Pontes (4), Braúlio Morais (2), Marcus Lewis (6), Valdelício Joaquim (19), Zola Paulo (6), Eduardo Mingas (3), Joseny Joaquim (4), Benvido Quimbamba (6), Milton Barros (6).
Treinador: Norberto Alves
BAIRRO: Duarte Erickson (3), Abreu Mendes (4), Freire Queta (4), Mário Correia (0), Fidel Mendonça (23), Mendes Ferreira (10), Marques Lopes (3), Lima Mendes (0), Faty Andrade (10), Nilton Gomes (2), Rocha Lopes (2), Galvão Freire (0).
Treinador: Hellio Africano Moteiro
Marcha do marcador: 24-15, 45-29, 74-53, 93-61

DECLARAÇÕES
Norberto Alves (Libolo)
"Fomos surpreendidos"

O técnico principal do Recreativo do Libolo, Norberto Alves, mostrou-se indignado com o Comité Organizador da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africanos, em virtude deste ter dado a conhecer sobre a demarcação dos horários dos quartos-de-final a quase meia à noite de terça-feira. Norberto Alves manifestou a sua insatisfação ontem, no final da partida, em que a sua equipa derrotou nos quartos-de-fina, a similar da Associação Desportivo Bairro de Cabo Verde, por 61-93. "Estas falhas não podem acontecer. Tivemos conhecimento da alteração da hora do jogo a, quase, meia à noite e isto nos obrigou a reformular a nossa programação", desabafou o técnico luso, que solicitou maior seriedade da Comissão Organizadora da prova. Depois de superar o Bairro, agora o pensamento está virado para as meias-finais. "Penso que acabamos por sermos justo vencedores. Creio que foi uma boa partida e, agora, só nos resta preparar a meia-final e a final", alertou Norberto Alves.

Por seu turno, Hélio Africano Monteiro, técnico do Bairro de Cabo Verde, a vitória do Libolo acabou por ser justa, porque apresentou mais argumentos. "O Libolo é superior à nossa equipa e creio que a vitória é por demais merecida".

DUELO MAGREBINO
Asfar verga Gazira e defronta Libolo nas "meias"


Liderado pelo irrequieto, Mustapha Khalfi, base, a equipa marroquina do Asfar Rabat venceu ontem, no Pavilhão Multiusos do Kilamba, a congénere do Gezira do Egipto, por 60-47, em duelo magrebino que centralizou as atenções dos quartos- de-final da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africano de basquetebol em seniores masculino. Depois de ter sido decisivo na vitória da sua equipa sobre o Atlético Petróleos de Luanda, no adeus à fase de grupos, por 70-67, ontem, o "pequeno" grande Mustapha Khalfi voltou a estar em grande plano, ajudando a sua colectividade a alcançar o passe de acesso às meias-finais da aludida competição.

Os militares do Asfar de Rabat venciam já ao cabo dos primeiros 20 minutos, por 33-25, período onde o equilíbrio acabou por ser a tónica da partida. Nos quartos subsequentes, a equipa do Asfar de Rabat de Marrocos superiorizou-se, ante a apatia dos egípcios do Gezira, que conta no seu palmarés com dois troféus continentais.Entretanto, no terceiro período, houve um rigoroso empate a 14 pontos, o perfez 47-39, a favor do Asfar de Rabat de Marrocos, equipa que defronta, amanhã,  o Recreativo do Libolo numa das partidas das meias-finais da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africanos.

No derradeiro quarto, os marroquinos voltaram a liderar o marcador, fazendo um parcial de 13-8, fixando o resultado final em 60-47. Amr Abdelhalim, do Gezira do Egipto, com 16 pontos, foi o cestinha da partida. Do lado marroquino Mustapha Khalfi foi o melhor marcador, com 14 pontos. Ainda ontem, para as classificativas do nono ao décimo lugares, o Interclub da República do Congo Brazzaville venceu a congénere do Ascut do Madagáscar, por 67-43. Hoje, a competição faz disputar as partidas para as classificativas do quinto ao oitavo lugares.

Ainda ontem, para a terceira partida dos quartos-de-final da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africano da "bola ao cesto", o 1º de Agosto cilindrou o Kano Pillars da Nigéria, por 102-60, quando ao cabo dos primeiros 20 minutos vencia já por uma margem confortável de 26 pontos (54-28). Os militares evidenciaram na quadra toda a sua superioridade, ante um Kano Pillars que não ofereceu qualquer resistência durante os 40 minutos de jogo. Joaquim Gomes "Kikas" e Felizardo Ambrosio "Miller" foram os melhores marcadores da equipa militar, ambos com 15 pontos, seguido do Cedrick Ison, com 14, contra 12 Hermenegildo Santos e Edson Ndoniema.


DESORGANIZAÇÃO
Comité organizador
traiu Kano Pillars


O amadorismo que tem sido evidenciado pelo Comité da Fiba-Afrique na XXX edição do Taça de Clubes Campeões Africanos de basquetebol em seniores masculino, competição que decorre no Pavilhão Multiusos do Kilamba, em Luanda, tem deixado perplexo os amantes da modalidade e, sobretudo, os profissionais da comunicação social que acompanham o evento. A falta de distribuição das estatísticas e comunicados de forma atempada, tem causado grandes constrangimentos aos actores directos e indirectos da competição.
A desorganização da Fiba-Afrique deixou irritado a formação do Kano Pillars. Ontem, a equipa nigeriana chegou ao Pavilhão Multiuso do Kilamba, às 11h00, para disputar o jogo marcado para as 13h30. Posto no local, foram informados de que o jogo havia sido remarcado para as 18h00.  Confrontando com a troca de horário, a delegação do Kano Pillars foi obrigada a deixar o magnífico Pavilhão Multiusos do Kilamba, infra-estrutura construída no âmbito da realização da 41ª edição do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, isto em 2013, com destino ao seu "quarte-general". Entretanto, a Comissão Organizadora da XXX edição da Taça de Clubes Campeões Africano, órgão criado pela direcção da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), presidido por Tony Sofrimento, tem atribuído todas as falhas da competição ao Comité da Fiba-Afrique.
M.C