Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Apito africano reduzido a trs representantes

Anaximandro Magalhes | Foshan - 31 de Agosto, 2019

Scott Beker, James Boyer (Austrlia) e Nicolas Fernandes (Tahiti).

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

Dos cinquenta e seis juízes que vão apitar na 18ª edição da Copa do Mundo da Republica Popular da China, competição que arranca este sábado, apenas três pertencem ao continente berço da humanidade (África).
Tratam-se de  Ahmed Abaakil, do Marrocos, Arnaud Kom Njilo, dos Camarões e Kingsley Ojeaburu, da Nigéria.
O apito angolano, que tem sido um habitué em fases finais dos Campeonatos do Mundo, surpreendentemente, ficou de fora, depois da classe evidenciada por Carlos Júlio, nos mundiais de 2010, na Turquia, e 2014, em Espanha, respectivamente.
O percurso do apito angolano em fase finais dos Campeonatos do Mundo de seniores masculinos e Jogos Olímpicos, começou a ser dado pelo malogrado António Soares de Campos. Fernando Pacheco \"Baganha\" e Domingos Simão apitaram os mundiais de Indianápolis, Estados Unidos da América, 2002 e Japão, em 2006, respectivamente.
A prova contará com 56 juízes, em representação de 40 países, de cinco continentes. A selecção foi feita após acompanhamento minucioso do desempenho de cada um.
Eis os escolhidos: África: Ahmed Abaakil (Marrocos), Arnaud Kom Njilo (Camarões) e Kingsley Ojeaburu (Nigéria).
América: Julio Anaya (Panamá), Steven Anderson, Matthew Myers (USA), Andrés Bartel (Uruguai), Omar Bermúdez, Krishna Domínguez (México), Juan Fernández, Leonardo Zalazar, Leandro Lezcano (Argentina), Daniel García Nieves (Venezuela), Matthew Kallio (Canadá), Guilherme Locatelli , Cristiano Maranho (Brasil), Aléxis Mercado, Jorge Vázquez, Roberto Vázquez (Porto Rico), Carlos Peralta (Equador) e Michael Weiland (Canadá). 
Europa: Andris Aunkrogers e Martins Kozlovskis, (Áustría), Luis Castilo e Antonio Conde (Espanha), Cici Gentian (Albânia), Aleksander Glisic (Sérvia), Maryin Horozov (Bulgária), Boris Krejic (Eslovénia) , Saverio Lanzarini, Tolga Sahin e Nauel Mazzoni(Itália), Wojciech Liska e Michael Proc (Polónia), Markos Michaeilides (Suíça), Yevgey Mikheyev (Cazaquistão), Georgios Poursanidis (Grécia), Yohan Rosso (França), Carsten Straube (Alemanha), Zdenko Tomasovic (Eslováquia), Yener Yilmaz (Turquia), Sergiy Zashchuk (Ucrânia) e Ademir Zurapovic (Bósnia).   
Ásia: Ahmed Al-Shuwaili (Iraque), Zhu Duan, Nan Ye, Felipe Andre Ibarra (China), Intae Hwang, Kuk Kim Jong (Coreia do Sul), Harja Jaladri (Indonésia), Tamaki Kato (Japão),  Ferdinand Pascual (Filipinas), Jung Yu (Taiwan). 
Oceânia: Scott Beker, James Boyer (Austrália) e Nicolas Fernandes (Tahiti).