Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Árbitro angolano apita no Afrobasket

Melo Clemente - 09 de Agosto, 2017

Juiz angolano foi um dos escolhidos da Fiba-Afrique organismo que tutela a modalidade no continente

Fotografia: Jose Soares | Edições Novembro

O árbitro angolano de categoria internacional, Clésio Francisco, vai representar o apito angolano na fase final do Campeonato Africano das Nações de basquetebol em  seniores femininos, vulgo Afrobasket, competição a decorrer de 18 a 27 do mês em curso, em Bamako, capital do Mali.

Com esta indicação por parte da Fiba-Afrique, organismo que tutela a modalidade da \"bola ao cesto\", a nível do continente africano, o juiz angolano vai apitar pela primeira vez uma fase final de um Campeonato Africano das Nações a nível de seniores.Clésio Francisco faz parte do quinteto de juízes angolanos que ostentam as insígnias da Fiba-Mundo, liderado por António Bernardo, David Manuel, Francisco Tandu e Osvaldo Neto, depois da retirada de Carlos Júlio, Domingos Simão e Francisco Pacheco \"Baganha\".

Em declarações ontem ao Jornal dos Desportos, Clésio Francisco mostrou-se satisfeito pela sua indicação para ajuizar na fase final do Campeonato Africano das Nações, prova que arranca a 18 do mês em curso em Bamako, capital maliana. \"Constitui pra mim motivo de grande satisfação ser um dos juízes nomeados para o Campeonato Africano das Nações do Mali.

Profissionalmente começo a atingir o auge, porque comecei a apitar os Afrobasket´s nos escalões de formação e hoje, finalmente, consigo atingir um campeonato de seniores femininos\", reconheceu o juiz de categoria internacional. Com nove Taça de Clubes Campeões Africanos no seu palmarés, sendo cinco no sector feminino e, quatro a nível dos seniores masculinos, Clésio Francisco prepara-se com todos os cuidados para dignificar a arbitragem angolana na fase final do Afrobasket do Mali.

\"Naturalmente que vou para esta competição com o propósito de dignificar o apito angolano. Desde que recebi a comunicação tenho estado a me preparar para aparecer em grande forma na prova. O torneio internacional de Luanda vai ser a uma prova em vou ajuizar, antes de seguir viagem para Mali, palco da fase final do Afrobasket 2017\", asseverou o árbitro angolano.Para o juiz de categoria internacional, o apito angolano tem estado a evoluir, apesar do quadro de juízes internacionais estar nesta altura reduzido a cinco árbitros.

\"A arbitragem angolana sempre esteve ao mais alto nível. Os árbitros angolanos só não apitam as finais das mais diferentes competições africanas porque as nossas equipas e selecções estão sempre a disputar as finais. Infelizmente, nos últimos anos perdemos a nossa melhor nata de juízes, refiro-me a Carlos Júlio, Domingos Simão e Francisco Pacheco \"Baganha\". Mas, temos jovens a despontar na arbitragem e que podem nos próximos tempos ascender a categoria internacional\".

CINCO NACIONAL
ESTÁ DE REGRESSO

A Selecção Nacional de basquetebol sénior feminina regressou ontem ao país, proveniente da República Federativa do Brasil, onde cumpriu a etapa derradeira do estágio pré-competitivo, visando a sua participação na fase final do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, prova a decorrer de 18 a 27 do mês em curso, em Bamako, Mali.

Em terras brasileiras, as comandadas de Jaime Covilhã efectuaram seis jogos de controlo, com realce para os dois confrontos que tiveram com a selecção principal do Brasil, que projecta a Copa América. Entretanto, a Pré-Selecção Nacional vai disputar de 11 a 13 do mês em curso, no Pavilhão Arena do Kilamba, no torneio internacional da modalidade, ao lado da República Democrática do Congo, conjunto que projecta igualmente à fase final do Afrobasket do Mali, Cabo Verde e o Misto de Luanda.

Angola está inserida no Grupo A, ao lado dos Camarões, Côte D\'ivoire, Tunisina e o Mali (país anfitrião). O Grupo B é liderada pela selecção do Senegal, actual campeã africana em título, Nigéria, Egipto, Guiné, República Democrática do Congo e Moçambique.