Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Árbitro angolano Carlos Júlio regozijado por apitar na prova

Sérgio V.Dias. Cuito - 15 de Junho, 2015

Árbitro do quadro FIBA está expectante em relação à participação no Mundial da Grécia

Fotografia: Kindala Manuel

O árbitro internacional angolano Carlos José Júlio manifestou-se regozijado por ter ser indicado pela Federação Internacional de Basquetebol Associado, FIBA, para apitar no mundial de sub-19 da modalidade, que tem como palco a Grécia.

 Na competição a decorrer de 27 deste mês a 5 de Julho, o combinado nacional angolano falha presença, depois de o país ver gorada a tentativa de organização do evento na concorrência em que teve como opositor esse país europeu.

 Carlos Júlio, árbitro de 43 anos, 14 dos quais a apitar em mundiais, disse ser um orgulho fazer parte da elite de árbitros que ajuízam a competição que decorre na Grécia.

 “Regozijo-me pelo reconhecimento do trabalho, que até aqui estamos a realizar no país, particularmente pelo facto da minha permanência no quadro dos mais activos árbitros da FIBA decorrer desde 2001 até à presente data”, disse ao nosso jornal.

 O interlocutor do Jornal dos Desportos disse esperar também o reconhecimento do país, por tudo o que tem vindo a fazer a nível da arbitragem de basquetebol.

 Em relação à expectativa da sua participação no mundial de basquetebol de sub-19 deste ano, Carlos Júlio, espera dignificar o nome do país e do continente.“Espero dar o melhor de mim e desse modo dignificar não somente o nome de Angola, mas o do continente africano, na esfera do basquetebol mundial”, acrescentou Carlos Júlio na entrevista concedida ao JD, no Cuito.

 O árbitro internacional  integra os quadros da FIBA desde 2001, espera apitar pelo menos até aos quartos - de - final do mundial de sub-19. “Seria muito honroso para mim apitar nesta fase da competição que vai ter como palco a Grécia”, disse Carlos José Júlio. Em relação à participação das equipas africanas nesse certame, manifestou-se algo apreensivo.

Carlos Júlio mostra-se, nessa perspectiva, convicto de que as equipas do continente “vão ser meros participantes” no mundial de basquetebol de sub-19”.


HEGEMONIA
"Tem de se trabalhar cada vez mais e melhor"


Num outro ângulo da entrevista concedida ao Jornal dos Desportos no Cuito,  o árbitro Carlos José Júlio fez uma abordagem em torno da hegemonia de Angola no basquetebol africano. Nessa perspectiva, apontou a necessidade de se “trabalhar muito mais” para manter-se  a fasquia.

 Carlos Júlio refere, que face o momento ascendente de muitas das selecções africanas como  Egipto, Argélia, Tunísia, Costa do Marfim, Senegal, Camarões e outras, “há necessidade de trabalhar-se muito e mostrar acções concretas”.

 “Se nos esquecermos do que norteou a nossa ascensão, obviamente poderemos perder a hegemonia continental. Contudo, se voltarmos a trabalhar mais e falar menos não teremos adversários, até porque o velho problema da altura, hoje já não serve de desculpas em virtude de neste momento termos jovens acima dos dois metros. Temos de potenciá-los”, argumentou Carlos Júlio.

 O interlocutor do JD disse, por outro lado, se as participações de Angola nos vários eventos de basquetebol “configurarem como efémeras e de meros competidores”, logicamente corremos o risco de perder a hegemonia”.

 “Porém, se quisermos falar de crescimento sustentado do nosso basquetebol temos de trabalhar muito mais, como referi atrás”, disse.
 Carlos Júlio lembra, nessa perspectiva, uma abordagem feita pelo professor Victorino Cunha, antigo seleccionador nacional e técnico do 1º de Agosto, que defendeu um trabalho aturado a nível das selecções jovens.
                  
 CONVICÇÃO
Estados Unidos
forte candidato


Em relação as equipas que entram para este mundial de basquetebol de sub-19 rotuladas como candidatas ao título, o árbitro internacional angolano Carlos Júlio coloca a selecção dos Estados Unidos da América (EUA) na "pole-position".
 "Por tudo que vem fazendo a nível do basquetebol, sobretudo nestes últimos anos, os Estados Unidos da América assumem-se como um forte candidato a título mundial neste certame que tem como palco a Grécia", disse o interlocutor do JD.

 Carlos Júlio junta a esse pormenor o facto de os Estados Unidos da América assumirem-se hoje por hoje como "verdadeiros papões" mundiais a nível de vários escalões de basquetebol. "Por essa razão, acredito que nesse Mundial da Grécia não fugirá à regra", argumentou.                     

PERFIL

De seu nome completo Carlos José Júlio, o árbitro angolano de 43 anos está integrado nos quadros da FIBA da FIBA desde 2001.
 Casado e licenciado em Gestão, Carlos Júlio é pai de cinco filhos: o Hoygaard, Ivanilson, Edneisser, Lweji e Abnara.
 Natural de Luanda, onde viu o seu cordão umbilical enterrado no bairro Cariango, no populoso município do Cazenga, Carlos Júlio, igualmente gerente da única dependência do Banco do Comércio e Indústria (BCI) do Bié, localizada na comuna do Cunje, no Cuito, é filho de José Eduardo Júlio e de Isabel António Vunana Júlio.

Anthony aposta no futebol
Enquanto continua a recuperar de uma cirurgia  ao joelho direito, Carmelo Anthony, está a apostar noutros desportos. Além de ser uma estrela da NBA ao serviço dos NY Knicks, o extremo decidiu fundar um clube de futebol profissional: o Porto Rico FC. Em parceria com o Bayamón FC, Anthony vai ver a sua equipa em acção na NASL