Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Assalto ao ltimo reduto

Melo Clemente - 28 de Maio, 2018

O trabalho de casa est feito e espero muito sinceramente que os erros cometidos.

Fotografia: JOSE COLA | Edies Novembro

A formação do 1º de Agosto defronta hoje a partir das 18h00 no Pavilhão Victorino Cunha, a similar do Atlético Petróleos de Luanda, na primeira partida dos play -off da final da 40ª edição do Campeonato nacional de basquetebol em seniores masculino, vulgo Unitel Basket, a melhor de sete partidas. Depois de apanhar um susto frente ao Atlético Sport Aviação (ASA), no primeiro embate das meias-finais da aludida competição, a equipa militar tem o arsenal preparado para começar a "alvejar" o seu rival a partir de hoje, pelo segundo ano consecutivo, a final do Campeonato Nacional da "bola ao cesto".
Paulo Macedo, técnico principal do Clube Central das Forças Armadas Angolanas, aproveitou os seis dias para limar as arestas, principalmente no capítulo defensivo, que se cometem inúmeros erros.
O internacional angolano, Felizardo Ambrósio "Miller", extremo poste, 30 anos de idade, dois metros e um centímetro de altura, com 97kg, constitui a única preocupação clínica, pelo que Paulo Macedo que foi o  antigo base dos hendecacampeões africanos, passa a contar com as suas principais unidades, nomeadamente, Armando Costa, base que continua a desfilar a sua qualidade na 40ª edição do Unitel Basket, Eduardo Mingas, Islando Manuel, Edson Ndoniema, Hermenegildo Santos, Jone Pedro, Mutu Fonseca, Leandro Conceição, Mohamed Malick Cissé, Emanuel Quezada, entre outras.
Apesar de reconhecer o potencial do adversário, o técnico militar não esconde o desejo de vencer mais uma vez os petrolíferos da capital, a fim de elevarem ainda mais os índices motivacionais da rapaziada que procura o 19º troféu nacional.

"Tenho consciência que o jogo será extremamente difícil, a julgar pela qualidade do nosso adversário, mas, vamos jogar em casa e temos a obrigação de lutar pela vitória. O trabalho de casa está feito e espero muito sinceramente que os erros cometidos, principalmente no segundo turno da competição,  possamos evitá-los", augurou o comandante do Clube Central das Forças Armadas Angolanas.
Armando Costa, Emanuel Quezada e Hermenegildo Santos vão conduzir as acções ofensivas da equipa caseira, enquanto o veterano Eduardo Mingas e o jovem Jone Pedro comandam o jogo interior dos militares.
Entretanto, os petrolíferos da capital perderam a final da temporada passada a favor do Recreativo do Libolo do Cuanza Sul, conjunto que cedeu os seus direitos desportivos ao Sport Libolo e Benfica, querem inverter o histórico (ver peça à parte), que é largamente favorável à equipa do Rio Seco, na presente época desportiva.
Depois de superar com toda a naturalidade o Sport Libolo e Benfica, a quem venceu por 3-0, nas meias-finais, a melhor de cinco partidas, a equipa tricolor  tenta vencer esta noite o seu rival no Pavilhão Victorino Cunha, recinto em que esta época os militares não perderam qualquer partida.
Childe Dundão, campeão africano de sub-18, base que aspira por chamada à pré-selecção nacional, face ao seu desempenho na presente temporada, vai ser-lhe atribuída, tal como tem acontecido nos últimos tempos, a condução do jogo ofensivo da equipa do Eixo -viário, a par de Joaquim Pedro "Quinzinho".
Leonel Paulo, Domingos Bonifácio, Gerson Gonçalves "Lukeny", Sekouba Conde têm sabido  tranquilizar os mais jovens, facto que deixa satisfeito o técnico camaronês ao serviço do Atlético Petróleos de Luanda, Lazare Adingono.
Adingono pretende acabar com a onda de maus resultados nos jogos com os militares que costumam ser superiores.  O público pode acorrer em massa ao Pavilhão Victorino Cunha, para testemunharem mais um clássico dos clássicos da "bola ao cesto".

Época 2018
Histórico favorece formação militar


As equipas do 1º de Agosto e do Atlético de Luanda disputam esta noite o 10º clássico dos clássicos na presente época desportiva, com larga vantagem para o Clube Central das Forças Armadas Angolanas, que somou nesta altura oito triunfos, contra uma vitória dos tricolores.
Ao contrário dos últimos anos, em que houve mais equilíbrio entre as duas agremiações, esta época a equipa militar liderada por Paulo Macedo está a superar com alguma facilidade o seu adversário.
Aliás, o número de vitórias do 1º de Agosto (oito), em nove clássicos, atesta perfeitamente a superioridade dos rubro - negros que lutam pelo 19º troféu do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino.
Dos nove clássicos dos clássicos disputados até aqui, um deles, foi jogado em solo moçambicano, em que o Clube 1º de Agosto cilindrou o seu rival, por 82-53.
A nível do Unitel Basket, os petrolíferos da capital sucumbiram em quatro ocasições, por 100-103, 89-100,  82-88 e 77-89. Na Taça de Angola, os militares somaram mais duas vitórias, por 88-82 e 91-76.
Relativamente ao torneio Victorino Cunha, os militares voltaram a cruzar no caminha da equipa do Eixo-viário e venceram, por 81-70, ao passo que a única vitória da equipa visitada aconteceu no torneio da Fesa (87-77).