Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Carlos Morais fora da NBA

28 de Outubro, 2013

O melhor jogador africano deve esperar por nova oportunidade na liga norte-americana

Fotografia: AFP

O internacional angolano, Carlos Morais, tentou tudo sem conseguir garantir um lugar no plantel de 15 jogadores com quem os Toronto Raptors vão disputar a NBA na próxima época. O base angolano disputou seis jogos de pré-temporada na equipa canadiana, tendo marcado apenas seis pontos nos 21 minutos em que esteve à prova. Para além de Carlos Morais, os responsáveis dos Raptors dispensaram ainda o poste Chris Wright depois dos testes decisivos nos jogos de pré-temporada.

Numa mensagem publicada na rede social Facebook, Carlos Morais lamenta ter sido incapaz de alcançar o sonho de jogar na NBA, mas diz-se orgulhoso por ter ajudado a elevar a bandeira de Angola no basquetebol mundial. “Esforcei-me bastante, lutei e lutei para conseguir realizar aquele que continua a ser o meu sonho e de todo o angolano amante de desporto, mas infelizmente só o meu talento, não serviu para conquistar a confiança daqueles que determinam quem fica na equipa.

Saio daqui triste mas de cabeça erguida, triste por nunca ter tido realmente a oportunidade de mostrar o meu valor, ou de mostrar que não sou capaz de jogar aqui, mas de cabeça erguida porque ainda assim acredito ter conseguido fazer com que a bandeira e nome de Angola fossem mais elevados”, escreveu Carlos Morais. Por outro lado, a final da NBA vai mudar de formato, passando a beneficiar a equipa com melhor campanha.

O anúncio foi feito por dirigentes da NBA, que comunicaram que o cronograma dos jogos da final passa para 2-2-1-1. A equipa que entrar nos play-off com melhor performance, vai jogar os dois primeiros encontros em casa, assim como o quinto e o sétimo jogo, se for necessário. O modelo 2-3-2, no qual o melhor classificado jogava os dois primeiros e também os últimos dois encontros em casa, fica pelo caminho. “O modelo anterior era injusto para a equipa com melhor campanha, que jogava o determinante jogo cinco fora de casa quando a série estava empatada a 2”, sublinhou Adam Silver, comissário-assistente da NBA