Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Chapa 100

Melo Clemente - 29 de Maio, 2016

Clube Central das Forças Armadas vulgarizou ontem a formação do Recreativo do Libolo

Fotografia: Mota Ambrósio

Liderado pelo trio constituído por Islando Manuel, Hermenegildo Santos e Edson Ndoniema, a formação do 1º de Agosto recebeu e venceu ontem, no Pavilhão Victorino Cunha, a similar do Recreativo do Libolo, por 113-83, na primeira partida do play-off da final da 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino (BIC Basket).

Por força da disputa da final da Liga dos Clubes Campeões do velho continente, o Pavilhão Victorino Cunha registou algumas clareiras.

Sem o base norte-americano, Cedrick Ison, no cinco inicial, por opção técnica, a equipa militar entrou melhor no desafio, ao contrário do seu opositor que se mostrou algo preso nos seus movimentos, principalmente, nos primeiros dois minutos do quarto inicial, onde perdia por um parcial de 5-0.

Com um cinco constituído por Hermenegildo Santos, Armando Costa, Felizardo Ambrósio “Miller”, Islando Manuel e Tariq Kirksay, a equipa rubro e negra rapidamente assumiu o comando das operações.

Rápidos na transição defesa ataque, onde era privilegiado a circulação da bola em todas as áreas de jogo, os militares conseguiam ofuscar o jogo ofensivo dos libolenses.

Carlos Morais, Olímpio Cipriano, Eduardo Mingas, Milton Barros e Roderick Nealy foram completamente anulados pela defesa militar, que esteve bastante rigorosa.

A cinco minutos e 32 segundos para o termo do primeiro quarto, o Clube Central das Forças Armadas Angolanas vencia já por uma margem de seis pontos (14-8).

Nos últimos seis minutos, a formação do Recreativo do Libolo conseguiu com alguma frequência violar a cesta do seu adversário que mostrou um frescura física impressionante. Ao cabo dos primeiros doze minutos, a equipa caseira vencia por uma margem de nove pontos (29-20).

Nesta etapa, o jovem Islando Manuel, um dos prováveis eleitos de Carlos António Dinis para o torneio pré-olímpico de Belgrado, Sérvia, prova selectiva aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro do ano em curso, destacava-se entre os demais.

Aliás, o extremo militar, medalha ouro nos XI Jogos Africanos de Brazzaville, está a atravessar um bom momento de forma desportiva, sendo por isso, um candidato natural a convocatória do seleccionador nacional. No segundo quarto, a equipa militar adormeceu, tendo aos libolenses reduzido a vantagem para apenas quatro pontos (33-29), quando restavam oito minutos para o intervalo maior.

Depois do merecido descanso, Islando Manuel passou a ser novamente o grande carrasco da defesa libolense, com os seus lançamentos a longa distância, sempre muito bem auxiliado por Edson Ndoniema, outra unidade que tem estado em evidência na presente época desportiva. Sem capacidade de reação, o representante da vila de Calulo foi para o intervalo maior a perder por 15 pontos de diferença (57-42).

Empurrados pelos seus adeptos, os militares mantiveram o domínio no terceiro período, tendo conseguido uma diferença confrontável de 25 pontos (75-50), isto quando restavam pouco menos de seis minutos para o termo do quarto em referencia. Com Olímpio Cipriano em sob rendimento, aliado a desinspiração de Carlos Morais no que aos lançamentos exteriores dizem respeito, os pupilos de Ricard Casas foram jogando ao seu pelo prazer, conseguindo um parcial de 33-20, perfazendo 90-62, ao cabo dos 36 minutos.

No derradeiro, com a vitória consumada, a equipa rubro e negra limitou-se a gerir a vantagem gorda até ao apito final. Islando Manuel, com 29 pontos foi o cestinha da partida, seguido pelo seu companheiro de equipa, Hermenegildo Santos, com 23 pontos. Carlos Morais, do Libolo, terminou com 16 pontos.

Felizardo Ambrósio “Miller” e Islando Manuel foram os reis dos ressaltos, com 11 e 10 respectivamente.


FICHA TÉCNICA

Pavilhão: Victorino Cunha

Comissário: Tony Sofrimento
Arbitragem: Carlos Júlio, Clésio Francisco e Claúdio Anderson
1º de Agosto: Francisco Sousa ( 11), Edson Ndoniema ( 17), Armando Costa ( 12), Jorge Taty ( 0), Felizardo Ambrósio “Miller” ( 9), Joaquim Gomes “Kikas” ( 1), Mutu Fonseca ( 5), Cedrick Ison (0 ), Tarcio Domingos ( 0), Hermenegildo Santos (23 ), Islando Manuel ( 29), Tariq Kirksay (6 ).
Treinador: Ricard Casas

Libolo:
Olímpio Cipriano ( 7), Joanathan Wallace ( 10), Carlos Morais (16 ), Roberto Fortes ( 12), Vlademir Pontes ( 0), Roderick Nealy ( 10), Valdelício Joaquim (3 ), Zola Paulo ( 8), Eduardo Mingas (4 ), Benvindo Quimbamba ( 63), Milton Barros (3 ), e Manda João (4 ).
Treinador: Norberto Alves
Marcha do marcador: 29-20, 57-42, 90-62, 113-83


OPINIÃO DOS TÉCNICOS

Ricard Casas (1º de Agosto)

“Estivemos perfeitos”

Por seu lado, Ricard Casas, que mais uma vez soube gerir o seu plantel, era um homem visivelmente satisfeito com a produtividade dos seus jogadores que estiveram irrepreensível do primeiro ao último minuto.

“Felizmente hoje estivemos quase perfeitos. Cometemos pouco erros durante os 48 minutos. Foi apenas o primeiro jogo do play-off da final. Temos que manter a serenidade para que no próximo jogo possamos realizar uma boa partida, apesar de reconhecermos que será muito difícil, dado que o Libolo vai aparecer com outra postura”, prognosticou Ricard Casas.


Norberto Alves   (Libolo)

“Defendemos mal”

Por seu lado, Ricard Casas, que mais uma vez soube gerir o seu plantel, era um homem visivelmente satisfeito com a produtividade dos seus jogadores que estiveram irrepreensível do primeiro ao último minuto.

“Felizmente hoje estivemos quase perfeitos. Cometemos pouco erros durante os 48 minutos. Foi apenas o primeiro jogo do play-off da final. Temos que manter a serenidade para que no próximo jogo possamos realizar uma boa partida, apesar de reconhecermos que será muito difícil, dado que o Libolo vai aparecer com outra postura”, prognosticou Ricard Casas.