Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Decacampees ultimam preparaa

Melo Clemente - 28 de Junho, 2013

Entrega dos atletas nesta primeira etapa de preparao deixa satisfeita a equipa tcnica

Fotografia: Jornal dos Desportos

Desde domingo naquela cidade, onde cumpre o segundo micro-ciclo de preparação, depois de ter feito o primeiro no Cuito, capital do Bié, os decacampeões africanos da “bola ao cesto” que procura recuperar o título perdido em 2011, continuam a aprimorar os aspectos técnicos e tácticos sem descurar a vertente física.

Durante a primeira semana de preparação, no Cuito, onde o cinco nacional foi recebido em apoteose, foi privilegiado o trabalho físico, tarefa que está a cargo de Pedro Santos.

O seleccionador nacional, Paulo Macedo, trabalha nesta altura com 19 atletas dos 21 convocados para a “operação Costa do Marfim”.

Yanick Moreira e Valdelício Joaquim, que militam em Universidades dos Estados Unidos, continuam ausentes do grupo. Uma fonte da Federação disse ao Jornal dos Desportos que os atletas podem falhar a fase final do Campeonato Africano das Nações, competição que apura os três representantes africanos no Mundial de 2014, que se disputa em Espanha.

A entrega dos 19 atletas tem deixado satisfeito a equipa técnica nacional, afirmou Walter Costa, adjunto de Paulo Macedo. “A entrega dos atletas tem sido formidável e isso só nos deixa satisfeito porque queremos formar um grupo coeso devido à importância da prova em que participamos”, referiu o antigo internacional, hoje técnico-adjunto.

A Selecção Nacional deve deixar a capital do país no dia 7 de Julho com destino a Espanha para cumprir um estágio de aproximadamente um mês e meio, antes de seguir para o local da competição.

Em Espanha deve fazer entre oito a dez jogos de controlo. Estão já confirmadas partidas com as selecções da Eslovénia e da Croácia. A Macedónia também consta da lista das selecções colm que os decacampeões africanos vão jogar. O cinco nacional mede igualmente forças com equipas Liga ACB daquele país ibérico.


Decisão
Fiba-Mundo altera composição dos mundiais


A Fiba-Mundo decidiu alargar para 16 o número de selecções que disputa os Campeonatos do Mundo de sub-17 em femininos e masculinos, refere o site do órgão reitor da modalidade. A medida entra em vigor a partir do próximo ano.

A decisão resulta de uma reunião realizada recentemente pelo organismo que tutela a modalidade no mundo. Assim, os Campeonato do Mundo de sub-17, quer em masculinos, quer em femininos, passam a contar com a participação de 16 selecções em vez das actuais 12.

O continente africano passa a ter dois representantes nas fases finais dos Campeonatos do Mundo na categoria de sub-17. A Selecção Nacional masculina de sub-16 disputa desde ontem a fase final da IV edição do Campeonato Africano das Nações, que decorre em Antananarivo, capital do Madagáscar.

Os angolanos tentam melhorar o quarto lugar alcançado na edição de 2011. Os dois primeiros classificados qualificam-se para o Campeonato do Mundo de sub-17, em 2014.

A selecção feminina de sub-16, treinada por Apolinário Paquete, continua a trabalhar na capital do país, tendo em vista a participação no Afrobasket, de Harare, capital do Zimbabwe.  
 M.C


Portugal
Base Renato Azevedo
destaca subida da equipa


A Oliveirense conseguiu, na época finda, após sete épocas de travessia do deserto, assegurar o regresso ao campeonato principal de basquetebol de Portugal.

A turma evidenciou um domínio avassalador ao longo de toda a temporada e fê-lo com um plantel caseiro. Dos 12 elementos, apenas três não são naturais de Oliveira de Azeméis e não há qualquer jogador norte-americano.

“Esta época, fomos uma autêntica família”, disse Renato Azevedo, 21 anos, base/extremo que completou a segunda temporada como sénior e fez quase toda a formação na Oliveirense. Mas há outros sentimentos que invadem o jogador.

“Na altura em que estava na formação, vivia de perto os sucessos do clube na Liga e tinha como ídolos muitos dos que agora são meus companheiros de equipa. E agora poder contribuir para este sucesso é um sentimento inexplicável”, referiu e acrescentou que “é óbvio que o sucesso só acontece com muito trabalho, mas o facto de os jogadores serem quase todos de Oliveira de Azeméis e conhecerem bem o clube também ajudou muito”.

EVOLUÇÃO

Considerado o MVP em vários jogos ao longo do campeonato, Renato Azevedo reconhece que teve “uma evolução muito grande”, justificando com o trabalho desenvolvido pelo treinador.

“É um treinador muito experiente”, disse o jovem jogador, que salientou:
 “Tínhamos um grupo muito forte. Éramos uma equipa ‘de’ Liga a jogar na Proliga e portanto a subida de divisão acabou por acontecer de forma natural e como um prémio”.

Assegurado o regresso ao escalão máximo do basquetebol português, Renato Azevedo garantiu que o sucesso da Oliveirense se “deve ao presidente da secção, Hélder Albergaria”.