Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Emblema de Calulo abandona a competio

Juscelino da Silva - 17 de Setembro, 2018

Olmpio Cipriano deve procurar outro clube para continuar a jogar

Fotografia: M.Machangongo | Edies Novembro

Lágrimas em Calulo. A direcção do Sport Libolo e Benfica extinguiu na passada sexta-feira a equipa sénior masculina de basquetebol por questões financeiras, onze anos depois de ascender à final flor do campeonato nacional. A agremiação da província do Cuanza-Sul dispõe de um orçamento avaliado em cinco milhões de kwanzas, valor insuficiente para responder às exigências do Unitel Basket 2018-2019.
Hoje, a equipa técnica liderada por Ricardo Rodrigues e o director para o basquetebol, Bruno Silva, reúnem-se com os atletas para os informar sobre a extinção da equipa. Olímpio Cipriano, Milton Barros, Mayzer Alexandre, Adilson Ramos, Sebastião Quicuami, Joseney Joaquim, Cristiano Xavier, Avelino Dó, Jovane, Denilson Sebastião, Andre Singui, Kavanssa, Edson Ekuikila, Ezequiel Silva e Divaldo Mbunga devem procurar até 28 de Fevereiro, data limite de inscrição na Associação Provincial de Basquetebol de Luanda, uma nova equipa para constarem do lote de jogadores no activo.
A extinção acontece num momento em que a equipa preparava a disputa da Supertaça com o 1º de Agosto no próximo dia 22 de corrente na Cidadela Desportiva. Agora, para a disputa da competição, a direcção técnica da Federação Angolana de Basquetebol \"indigitou\" o Petro de Luanda no confronto com os militares do Rio Seco.
Em busca da veracidade, o treinador Ricardo Rodrigues confirmou ao Jornal dos Desportos a extinção da equipa.
\"Na última sexta-feira, reunimos com a direcção e ficou decidida a extinção da equipa sénior. O clube vai apostar, doravante, nas camadas de formação. O basquetebol nacional perde uma das melhores equipas\", disse.
Ricardo Rodrigues lembrou que haviam reunido com o presidente Rui Campos, no início da época, e a direcção solicitou-os a redução do orçamento. Para o efeito, confidenciou, \"os dois atletas nucleares da equipa, Olímpio Cipriano e Milton Barros, aceitaram baixar os ordenados, o que ajudou a estabelecer-se em cinco milhões de Kwanzas\" o orçamento da época.
Em função da sangria sofrida, a equipa técnica foi ao mercado contratar sete jogadores, \"que tinham a vontade de jogar basquetebol, com um salário na ordem de 200 mil kwanzas por mês\". O orçamento aprovado não respondia às exigências. Ricardo Rodrigues assegurou que havia dificuldades de toda ordem. Nos treinos faltavam lanches e água para atletas. Para acudir a sede e a fome, o treinador disse que teve de usar do dinheiro do seu bolso. A crise é tão forte que não havia dinheiro para inscrever os atletas contratados na Associação.

PATROCÍNIO
Nem Candando salva os calulenses

A extinção do Sport Libolo e Benfica é fomentada pela falta de cumprimento dos acordos contratuais. A direcção de Rui Campos tem uma dívida de 14 meses de salários e, na reunião de sexta-feira, prometeu liquidá-lo a meio da época. A direcção técnica liderada por Ricardo Rodrigues prontamente rejeitou o pedido, "porque houve a orientação para contratar novos atletas". Em função da reacção negativa dos treinadores, decidiu-se pela extinção da equipa sénior masculina.
O Jornal dos Desportos apurou que o presidente Rui Campos e pupilos contactaram várias instituições e empresas em busca de patrocínios para a equipa de basquetebol sénior masculina. Dos contactos mantidos, apenas o Hipermercado Candando prontificou-se, à última hora, em patrocinar com material logístico. O volume proposto era insuficiente para sustentar o Sport Libolo e Benfica no Unitel Basket.
A equipa de Calulo tem um passivo avaliado em 800 mil dólares norte-americanos com jogadores que passaram pelo clube encarnado. Por não pagamento de salários e de prémios, o clube vai responder em tribunal. O poste Eduardo Mingas foi o primeiro a levar a agremiação do Cuanza-Sul às barras do Tribunal.
O Sport Libolo e Benfica é a designação adoptada em 2016. Antes, era conhecido por Recreativo de Libolo. A equipa sénior masculina surgiu no basquetebol nacional em 2007 com o técnico Raúl Duarte. Acumula no seu palmarés os títulos de campeão nacional das épocas 2011-2012, 2013-2014 e 2016-2017. Foi finalista vencido nas épocas 2009-2010, 2010-2011, 2012-2013, 2014-2015 e 2015-2016.
Venceu a Taça de Angola das épocas 2009-2010, 2010-2011, 2014-2015 e 2015-2016. Foi finalista vencido em 2012-2013.
O Sport Libolo e Benfica tem ainda no seu historial o troféu de campeão da Liga Africana de Clubes de 2014 e foi finalista vencido em 2015 e 2016.
JDS