Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Emoes voltam s quadras

Francisco Carvalho - 08 de Janeiro, 2016

O 1 de Agosto procura redimir-se da m prestao no ltimo nacional, onde foi relegado para terceira posio.

Fotografia: Jornal dos Desportos

As emoções do basquetebol sénior masculino voltam hoje aos pavilhões de Luanda e de Benguela, com o lançamento da primeira jornada do BIC-Básket'2015/2016. Das dez equipas participantes, estão na linha de frente, o Petro de Luanda, campeão em título, Recreativo de Libolo, vice-campeão, e 1º de Agosto com estatuto de candidatos ao troféu máximo.

Depois de longo período de férias e da realização da Taça de Clubes Campeões Africanos, o destaque da primeira jornada da fase regular do BIC-Basket'2015/2016 vai para o jogo entre o Interclube e 1º de Agosto, às 18h00, no pavilhão dos Bombeiros. O espaço é exíguo para albergar os adeptos sedentos do bom basquetebol.

Os polícias, quinto classificado da última edição, estão moralizados para entrar com pé direito no BIC-Basket'2015/2016. Habituada entre os quatro melhores do país, uma vitória pode "galgar a cavalaria" para o lugar outrora merecido.

Do outro lado está o "papão" de títulos, com 17. O 1º de Agosto procura redimir-se da má prestação no último campeonato nacional, onde foi relegado à terceira posição. Os militares têm a obrigação de impor o rigor para devolver a esperança aos adeptos e aos sócios. A eliminação nas meias-finais da Taça de Clubes Campeões Africanos ainda está presente na memória dos adeptos. Para o técnico espanhol contratado não há outra alternativa senão a vitória.

Noutro jogo não menos importante, o campeão em título, o Petro de Luanda, recebe às 18h00, na Cidadela Desportiva, o Sporting de Benguela. A vitória dos petrolíferos é tão transparente como a verdade. O campeão nacional e africano de clubes apresenta um plantel mais forte que o adversário.

Do outro lado da quadra vai estar o Sporting de Benguela, que teve uma péssima prestação no campeonato nacional da Segunda divisão, realizada na cidade de Cuito. A equipa das terras das acácias rubras ficou fora dos dois primeiros lugares do pódio por culpa da boa prestação do Sporting do Bié, que conquistou o troféu, e do Clube da Marinha de Guerra Angolana, vice-campeões.

Antes, às 16h00, no anexo da Cidadela Desportiva, o Progresso Sambizanga tem a visita do Recreativo de Libolo. A equipa do presidente de direcção Paixão Júnior vai procurar "aprender" o que há de melhor no basquetebol nacional. A probabilidade de uma vitória é remota.

Do outro lado da quadra estão os vice-campeões nacionais e africanos. A equipa da província do Cuanza Sul entra na competição com "o coração ferido", por perder os dois principais troféus da edição anterior.

À mesma hora, na Cidadela Desportiva, Vila Clotilda e Atlético Sport Aviação (ASA) defrontam-se em partida equilibrada. Os jovens do bairro Vila Alice vão procurar contrariar o máximo possível os aviadores, que entram com uma dose de favoritismo maior.

A equipa do aeroporto, treinada pelo experiente Carlos Dinis, é somente o quarto classificado da última edição. A ousadia, que o levou a afastar o Interclube do top-4, continua no seio da colectividade. A boa organização táctica, quer na defesa, quer no ataque, continua a ser a divisa de Carlos Dinis.

A Universidade Lusíada e a Marinha de Guerra protagonizam o jogo com menor cariz da primeira jornada do BIC-Basket'2015/2016. Os estudantes do Largo de Lumege têm pela frente os marinheiros da Ilha de Cabo, os vice-campeões da segunda divisão. A probabilidade de vitória está repartida em 50 por cento. Os detalhes técnicos e tácticos, quer individual, quer colectivos, vão ser determinantes para a vitória.


Petro de Luanda aposta
na revalidação do título


A revalidação do título do campeonato nacional sénior masculino é o principal objectivo do Petro de Luanda para a presente edição que hoje começa em Luanda. A revelação foi feita por Benjamim Avô, treinador adjunto da equipa do eixo-viário.

Movido pelo sentimento de glorioso, o Petro de Luanda já definiu a estratégia para alcançar o desiderato. Os dezoito jogos da primeira fase, sendo nove em casa e igual número como forasteiro, devem terminar em vitórias.

Para satisfazer a vontade dos adeptos e sócios, a máquina demolidora está preparada. O técnico camaronês Lazare Adingonó preparou os sistemas tácticos com Leonel Paulo, Domingo Bonifácio, Emanuel Quezada, Delcio Ucuahamba, Gerson Gonçalves, Jason Cain, Pedro Bastos, Walter Tadeu, Eduardo Ferreira, Paulo Santana, Joaquim Pedro, Hermenegildo Mbunga e Reggie Moore.

O desempenho dos atletas está acima da média. Os reforços provenientes da escola de formação e do exterior elevaram a qualidade dos campeões nacionais. Gerson Gonçalves já está a merecer o aplauso dos experts. O jovem formado no Eixo-viário foi "mais-valia" da equipa na Taça de Clubes Campeões Africanos. A técnica exibida faz do  atleta uma promessa do basquetebol nacional.

Joaquim Pedro é outro nome formado também no eixo-viário. Na prova continental de clubes, teve pouco tempo de jogos, mas foi possível evidenciar-se entre os adversários. Dotado tecnicamente com boas performances, Joaquim Pedro pode aparecer no BIC-Basket.

O grande reforço é Reggie Moore. O atleta regressa à equipa em busca de novos desafios. O primeiro já está garantido. É campeão africano de clubes. Ladeado do MVP (Jogador Mais Valioso) da última edição e da Taça de Clubes Campeões Africanos, Emanuel Quezada, Reggie Moore tem as condições para ofuscar os postes adversários, à semelhança que fez na prova continental.

O Petro entra na prova com muitas horas de preparação nas pernas e nas mãos. Depois do perder a Supertaça diante do  Libolo, a equipa de Lazaré Adingonó acertou nos detalhes e dispõe de um jogo colectivo muito forte. As derrotas impostas aos dois  rivais (Libolo e 1º de Agosto) na prova continental de clubes espelha a boa condição física e técnica dos atletas.


EM TODO O PAÍS
FAB vai continuar
com massificação


O presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), Paulo Madeira, reafirmou, no Lubango, o compromisso de desenvolver e levar a modalidade a todo território nacional, através do processo de massificação. Com vista o desenvolvimento, a instituição está a trabalhar com as associações provinciais.

“Existe o compromisso da parte do nosso elenco federativo de levar, cada vez mais, o basquetebol a todos os cantos do nosso país, onde existam as condições para a sua prática, ajudando assim no desenvolvimento da mesma”, realçou.

Paulo Madeira referiu que a federação traçou um cronograma de acções para o seu mandato, que passa pela formação dos técnicos, árbitros, entre outros agentes para ajudar na massificação. Por isso, os clubes devem investir com seriedade também nas camadas de iniciação.

Falando à imprensa sobre o número reduzido de equipas, que participam nos campeonatos nacionais de sub-16, em masculinos e femininos, o dirigente manifestou-se triste, relativamente a ausência de oito equipas, principalmente na categoria de femininos. Para si, a classe regista algumas debilidades originadas pela falta de interesse e apoio de clubes.

Madeira ressaltou que a sua instituição tem conversado com as direcções de alguns clubes sobre as questões inerentes ao alojamento das equipas, quando as mesmas são convocadas para estarem presentes em competições nacionais, facilitando a estadia.

A ausência dessas equipas "é um contra-senso". Os clubes trabalham todo o ano com os jovens e, por altura da realização dos campeonatos, não têm pelo menos um milhão de kwanzas para suportar as despesas com as equipas.


As estrelas do BIC-Basket


O BIC-Basket'2015/2016 entra hoje na quadra repleta de nomes que vão ficar retido na memória. O Petro de Luanda, campeão nacional e continental de clubes, dispõe de maior foco por tudo quanto fez recentemente.

Emanuel Quezada centraliza as atenções de adeptos e adversários. O norte-americano acumula as distinções de MVP de duas competições: BIC-Basket'2014/2015 e Taça de Clubes Campeões Africanos. A liderança imposta na competição africana atraiu as atenções dos organizadores e do público.

Jason Cain, outro norte-americano, pode despertar as atenções da imprensa e do público. A adaptação ao BIC-Basket deve estar completa, depois da Taça de Clubes Campeões. Cain foi fundamental nos jogos decisivos. As assistências foi a sua divisa.

Reggie Moore já é uma "marca". O angolano de origem norte-americana desfeiteou os adversários nos jogos das meias-finais e da final. Diante do 1º de Agosto e do Recreativo de Libolo, Moore foi "rei" das tabelas. Esteve bem no lançamento exterior.

Gerson Gonçalves é o angolano que mais acompanhamento vai ter. O jovem despontado das camadas de formação no eixo-viário deve manter a humildade para constar entre os grandes no final da compita. A boa performance nos lançamentos exteriores fazem lembrar o triplista Victor de Carvalho.

Leonel Paulo, Paulo Santana, Domingos Bonifácio, Pedro Bastos e Divaldo Mbunga vão soar na imprensa. O quinteto forma o esteio dos petrolíferos e têm a missão de manter a hegemonia.

No Recreativo de Libolo, espera-se a melhoria da condição física e técnica de Carlos Morais, Olímpio Cipriano, Eduardo Mingas e Milton Barros. O quarteto falhou na Taça de Clubes Campeões Africanos.

Nos "super-campeões", o 1º de Agosto tem estrelas em via de aposentação e a renovação feita quer na equipa técnica quer nos atletas carece de adaptação. Contudo, Miller e Kikas Gomes continuam a ser nomes a ter em conta. Com menos vigor em relação a outros tempos, a dupla ainda empresta luta nas  tabelas. Mas a surpresa e a responsabilidade nos postes militares está entregue a Jorge Tati, o expoente máximo do Projecto Promade. O reforço da equipa do Rio Seco tem tudo a seu favor para se inscrever entre os grandes da competição.


Os derbis da prova


A corrida para o título está reservado a três equipas. Dos quatro derby e dos dois clássicos da fase regular do BIC Basket'2015/2016, o primeiro acontece a 16 de Janeiro, no pavilhão Dream Space, em Viana, às 18h00. O Recreativo de Libolo recebe o 1º de Agosto, em partida da quinta jornada.

No dia 23 do corrente, ainda no Dream Space, em Viana, acontece o segundo derby, a partir das 18h00. O Recreativo de Libolo vai reeditar a final da época passada com o Petro de Luanda. O jogo vai ser disputado sob o signo de vingança. Duas derrotas em duas finais para a equipa da província do Cuanza Sul.

No dia 29 do corrente, no pavilhão Victorino Cunha, às 18h00, acontece o clássico dos clássicos. O 1º de Agosto recebe o Petro de Luanda. Habituado a "humilhar" os petrolíferos em casa, o 1º de Agosto vai ter de encontrar forças para repetir a proeza. Os campeões nacionais apresentam jogo colectivo forte capaz de desfeitear qualquer adversário em qualquer pavilhão.


BIC-BASKET
Transmissão
em tempo real


A 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol sénior masculinos, que se inicia hoje, é transmitido na íntegra e em tempo real no site da Federação Angolana da modalidade (FAB), informou o director da prova, Soares de Campos.

À semelhança da edição passada, a prova é disputada por 10 equipas, ao contrário de 11 como estava inicialmente previsto, fruto da desistência do Sporting do Bié.

A primeira fase disputa-se no sistema de todos contra todos a duas voltas. Na fase seguinte, as equipas são divididas em dois grupos. As cinco melhores classificadas, que vão lutar pelo “título”, constituem o grupo A, com um ponto de bonificação, e as restantes o B. Em ambos os grupos, vão disputar entre si no sistema todos contra todos a uma volta.

O primeiro classificado do A qualifica-se para a final, levando uma vantagem de um ponto de bonificação. As outras quatro formações também transitam para etapa final da competição.

Na fase final, as cinco equipas do grupo A vão disputar entre si no sistema de todos contra todos a uma volta. As quatro melhores disputam as meias-finais, em play-offs a melhor de cinco jogos.

As duas vencedoras da fase dos play-offs defrontam-se na final, a melhor de sete partidas, ao passo que as duas derrotadas debatem-se pelo terceiro posto a melhor de três jogos.

A quinta equipa do grupo A junta-se ao grupo B para “lutar” nas classificativas. O Petro de Luanda é o detentor do troféu.