Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Espanha cruza com Argentina na final inedita

Melo Clemente - 14 de Setembro, 2019

Seleco de Espanha teve crena na vitria sobre a Austrlia

Fotografia: Dr

A Espanha assegurou, independentemente do resultado da final de amanhã, domingo, com  a Argentina (13h00), a sua 11ª medalha nos últimos 13 Mundiais FIBA. Números impressionantes que marcam a melhor geração de basquetebolistas da actualidade, com realce para os”espectacular” base Ricky Rubio, Rudy Fernández, Juancho Hernangómez, Víctor Claver, Marc Gasol, Pau Ribas, Pierre Oriola, Willy Hernangómez e Sergio Llull.
Um conjunto que vale ouro e parte confiante para a final de domingo, com duas certezas: a qualificação directa para os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, e mais uma medalha, de prata ou de ouro, para gáudio dos amantes da modalidade em terras  espanholas.
Essa é a verdadeira Espanha que carrega o seu orgulho e qualidade para a final de amanhã, em Pequim, depois de um percurso de altos e baixos, de imensas viagens pelo meio e um Mundial marcado por imensos problemas de índole organizativa, impensáveis num país do primeiro mundo.
Com o estoicismo e a simplicidade que tornam grande o imaginário espanhol, o mundial, agora com o epicentro em Pequim, prepara à boa maneira asiática, uma cerimónia de encerramento de arromba, que vai deixar, estamos persuadidos disso, boquiabertos os prosélitos da “bola ao cesto” espalhados pelos mais recônditos cantos do planeta.
Para chegar à final, a Espanha passou por inúmeras peripécias, num curto espaço de 16 dias, percorreu mais de 20 mil quilómetros, troca de hotéis, mudanças de horários, regime alimentar, que tornou este punhado de jogadores numa muralha insensível às dificuldades e de tenaz resistência a todos os obstáculos tendentes a manter no “segredos os deuses”,  os problemas de balneário e extra-jogos, colocaram à prova a resistência de Espanha “americanizada” e que se apresta para  amanhã a ocupar dada a qualidade do seu jogo e dos seus executantes, o primeiro lugar do pódio.

PÓDIO
França e Austrália
lutam pelo bronze


Contra todas às expectativas, a selecção de França foi afastada da final da 18ª edição da Copa do Mundo de basquetebol, em seniores masculino, ao perder ontem, com a similar da Argentina, por 66-80, na segunda meia-final da referida competição, cujo encerramento acontece amanhã, domingo, com a disputa da grande final. Na primeira meia-final, a Espanha bateu a forte selecção da Austrália, por 95-88, após dois prolongamentos.
Depois de surpreender a selecção dos Estados Unidos da América, nos quartos-de-final da 18ª edição, vencendo a nação do basquetebol, por 89-79, ontem, a selecção francesa não teve capacidade física e atlética para suplantar a similar da Argentina, liderada pelo veterano Luís Scola, que terminou a partida com 28 pontos.
Adormecidos  com a retumbante vitória diante dos Estados Unidos da América, os franceses não foram capazes de travar o jogo ofensiva dos argentinos, que se apareceram com a lição muito bem estuda, anulando as principais unidades da selecção europeia que estava fortemente embalada para a grande final.
Os resultados alcançados pela selecção da Argentina, nos parciais, atesta perfeitamente  o domínio exercido pelos argentinos que vão disputar amanhã, domingo,  a medalha de ouro frente à congénere de Espanha.
A selecção da Argentina dominou o jogo do primeiro ao último minuto. No primeiro quarto, os argentinos venceram, por 21-18. No período, os argentinos voltaram a superiorizar-se, venceram no parcial,por 18-14.
Ante a  ineficácia do jogo ofensivo dos franceses, os argentinos voltaram a dominar os quartos subsequentes, venceram por 21-16 e 20-18, respectivamente, fixaram o resultado final, em 80-66.        

DISTINÇÂO
Organização
 indica candidatos
a prémio de melhor jogador


A organização do Mundial indicou 11 jogadores, dois de cada selecção que discutiram, ontem, as meias-finais, para atribuição do prémio de jogador mais valioso (MVP) da 18ª edição da prova.
São eles: Facundo Campazzo e Luís Scola (Argentina), Patty Mills e Joe Ingles (Austrália), Ricky Rúbio e Marc Gasol (Espanha), Rudy Robert e Evan Fournier (França).
À lista juntam-se,  Donovan Mitchell (Estados Unidos), Tomas Saturansky (República Checa) e Bogodan Bogdanovic (Sérvia), estes últimos cujas respectivas equipas terminam hoje, sábado, a participação. A votação segundo a organização pode ser feita no site da FIBA, mas não é oficial.
Anaximandro Magalhães | Beijing
  
DIVERSÂO
Zona de entretenimento
está montada no exterior
do Pavilhão
Wukesong Sport


Uma zona de entretenimento está montada pela organização da prova, desde o início da Copa do Mundo, para entreter os fãs e adeptos do basquetebol que não tenham condições para assistir ao vivo as partidas no Pavilhão Wukesong Sport, na cidade de Beijing.
Na zona, denominada Fã Zone, os adeptos entretém-se a fazer lançamentos para as tabelas alí montadas, bem como participam de outras actividades. Na Fã Zone também estão estalados retroprojectores, em que são passadas imagens em tempo real do interior do recinto desportivo,  com capacidade para 17.173 espectadores.
Anaximandro Magalhães | Beijing