Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

FIBA indica sedes do pré-olímpico

Gaudêncio Hamelay-Lubango - 21 de Janeiro, 2016

Angola volta a disputar torneio de repescagem para Jogos Olímpicos

Fotografia: José Cola

Os adversários de Angola e a cidade acolhedora do torneio de basquetebol de repescagem para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro'2016 vão ser conhecidos no dia 26 do corrente, após o sorteio a realizar-se na cidade suíça de Mies. Na terça-feira, a Federação Internacional de Basquetebol divulgou as cidades de Turim (Itália), Belgrado (Sérvia) e Pasay (Filipinas), como sede dos torneios pré-olímpicos.

A escolha das três cidades inova o modelo de apuramento das três últimas selecções para os Jogos Olímpicos. No torneio pré-olímpico anterior, a FIBA -Mundo realizou o evento numa única cidade (Caracas - Venezuela). Contrariamente ao modelo anterior, os vencedores de cada torneio têm acesso directo ao Rio'2016 e cada grupo vai acolher seis equipas.

Nesta presente edição, marcada para 4 a 11 de Julho, vai envolver 18 selecções, ao contrário das 12, em 2012. Angola, Tunísia e Senegal são os representantes de África. Os hendecampeões africanos vão disputar pela segunda vez o torneio, por ter perdido a final do Afrobasket'2015, diante da Nigéria. Antes, Angola perdeu o jogo com a Tunísia, em Antananarivo. O continente tem um apuramento directo aos Jogos Olímpicos.

A Selecção Nacional sénior masculina falhou o apuramento para os Jogos Olímpicos de Londres'2012, em Caracas. No saldo de jogos, acumulou uma vitória e duas derrotas.No torneio de repescagem da FIBA-Mundo participam as selecções nacionais que se posicionaram imediatamente às apuradas para os Jogos Olímpicos nos eventos continentais.A Europa é representada no torneio pré-olímpico pela França, Grécia, República Checa, Letónia e Croácia; a América tem como embaixadores o Canadá, México e Porto Rico; a Ásia vai enviar o Irão, Japão e Líbano; a África tem Angola, Tunísia e Senegal e, por fim, a Oceania tem um lugar: Nova Zelândia.

TORNEIO PRÉ-OLÍMPICO
Selecção pode ter "técnico interno"


O sorteio de grupo do pré-olímpico acontece no dia 26 do corrente, em Mies, na Suíça, e a Selecção Nacional sénior masculina está sem direcção técnica. O próximo seleccionador nacional de basquetebol sénior masculina vai ser escolhido entre os treinadores que militam no BIC-Basket'2015/2016, com vista à participação no torneio de repescagem para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro'2016. A opção de escolha foi manifestada no Lubango pelo presidente de direcção da Federação Angolana de Basquetebol, Paulo Madeira.

“Vamos indicar nos próximos tempos o treinador da Selecção Nacional e divulgar aquilo que vai ser o trabalho da sete ”, prometeu Paulo Madeira. O dirigente assegurou que as tarefas e os compromissos da Selecção Nacional sénior masculina de basquetebol exigem do próximo seleccionador competência. Para garantir a participação digna e a qualificação, Paulo Madeira assegurou que a FAB dispõe de um leque  de treinadores nacionais e estrangeiros ao serviço das equipas angolanas que podem assumir a direcção técnica dos hendecampeões. Por outro lado, ressaltou que a escolha se estende a treinadores de diferentes países.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Paulo Madeira disse que a postura da Federação Angolana de Basquetebol não se compadece com a "preferência" por um técnico interno ou externo. A ser assim, está a promover-se a "xenofobia". O futuro treinador deve ter "perfil para dirigir a Selecção Nacional", segundo Paulo Madeira. De momento, a Federação está focada em terminar a época de 2015, no mês de Junho, com a última realização dos campeonatos nacionais de formação, nos escalões de sub-18.
GAUDÊNCIO HAMELAY - LUBANGO

BIC-BASKET
Petro e Libolo
agitam jornada


As equipas do Petro de Luanda, campeã em título, e do Recreativo do Libolo, finalista vencido da última edição, defrontam-se no sábado no pavilhão do Dream Space, em Viana, no destaque da sexta jornada do campeonato nacional sénior masculino de basquetebol.Antes, para a quinta jornada, o Petro de Luanda defronta o Atlético Sport Aviação (ASA), na sexta-feira às 18h30 no pavilhão Anexo à Cidadela. O verdadeiro teste acontece no dia seguinte, a partir das 18h00 numa reedição da última final da Liga Africana de Clubes, em que o tricolor superou o Libolo.

Posicionado em quinto, com quatro pontos e menos dois jogos, o Petro de Luanda procura a terceira vitória na competição, depois de ultrapassar a Universidade Lusíada (81-68) e o Progresso Sambizanga (109-63). O Recreativo de Libolo é o segundo da tabela com sete pontos e vai tentar inverter a situação desfavorável, que tem perante o adversário nos últimos confrontos. Nos mais recentes, por sinal em finais, a equipa do Eixo -viário suplantou a do Cuanza Sul e sagrou-se campeã nacional e africana.

Lazare Adingono e comandados tencionam manter o ritmo de vitórias, mas vão ter pela frente um Libolo que necessita de se reerguer do “desaire” ante o 1º de Agosto, na jornada anterior por 84-95.  Em campo, vão estar executantes, com qualidade acima da média. Os donos da “casa” têm boa parte de jogadores na Selecção Nacional, mormente, Carlos Morais, Braúlio Morais, Valdelício Joaquim, Eduardo Mingas, Milton Barros e Olímpio Cipriano.

Os visitantes têm um conjunto liderado por Emanuel Quezada, em que constam entre outros, Domingos Bonifácio, Leonel Paulo, Regie Moore, Jason Cain e Gelson Gonçalves.Os plantéis equiparam-se, mas pormenores técnico individual têm sido determinantes nos confrontos.A dupla ronda do fim de semana (5ª e 6ª jornadas) pode confirmar a consolidação do 1º de Agosto no topo da prova, onde está com oito pontos. Os militares vão ter pela frente adversários inferiores, nomeadamente, o Vila Clotilde e a Marinha de Guerra.

O 1º de Agosto é o único invicto no campeonato, com quatro vitórias. A julgar pelo plantel disponível, comparativamente aos opositores do fim-de-semana, dificilmente vai deixar escapar os quatro pontos em disputa. A vitória recente de 95-84 sobre o Recreativo do Libolo é um dos muitos factores motivadores para a formação de Ricardo Casas.