Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Hoje temos finalista

Melo Clemente - 24 de Maio, 2016

As equipas protagonizam esta noite o clássico da temporada 2015/2016

Fotografia: José Cola

As formações do Atlético Petróleos de Luanda e do 1º de Agosto lutam pelo passe de acesso à final do BIC Basket, quando se defrontarem hoje a partir das 19h00, no Pavilhão Principal da Cidadela, desafio a contar para a quinta e derradeira partida do play -off das meias-finais da 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino.

Empatados na eliminatória (2-2), petrolíferos e militares disputam logo o último clássico da temporada 2015/2016, partida que vale o apuramento para a fase final do BIC Basket, onde já se encontra a formação do Recreativo do Libolo.

Refeita do desaire de sábado, em que perderam por expressivos 82-108, no Pavilhão Victorino Cunha, a equipa tricolor  procura suplantar hoje o seu opositor, num confronto que se espera bastante equilibrado, a julgar pela qualidade dos dois plantéis.

O técnico camaronês, Lazere Adingono, que persegue o seu segundo anel doméstico, aproveitou o dia de ontem para fazer correcções sobre os erros cometidos no desafio de sábado, onde foram completamente vulgarizados.

As transições rápidas defesa- ataque, circulação da bola em todas as áreas de jogo, lançamentos à curta e à longa distância, sem descurar a componente defensiva, marcaram a sessão derradeira de treinos, antes do clássico dos clássicos, por sinal o último da temporada.

Lazare Adingono  vai seguramente apostar  no seu  tradicional cinco constituído por Emanuel Quezada, Domingos Bonifácio, Reggie Moore, Leonel Paulo e Jason Cain, quintecto  que tem ofuscado o jogo ofensivo do clube militar.

Moralizados com o triunfo de sábado (108-82), os pupilos de Ricard Casas  procuram repetir a proeza esta noite no Pavilhão Principal da Cidadela Desportiva, palco que pode registar  lotação esgotada.

Depois da excelente exibição patenteada por Mutu Fonseca, poste, e Francisco Sousa, base,  contribuindo  com 14 e 12 pontos respectivamente, o técnico militar viu alargado ainda mais o leque de opções.

Ontem, no derradeiro treino, o técnico da equipa rubro - negra submeteu a  rapaziada a uma sessão demorada de lançamentos à  curta e longa distância.

Aliás, na partida de sábado, os militares foram completamente superiores nos lançamentos livres, ao conseguirem 87 por cento, contra 58 por cento da equipa petrolífera.

Entretanto, na presente edição do BIC Basket, as duas colectividades protagonizaram  oito clássicos, regista-se nesta altura um rigoroso empate de quatro vitórias cada. Na fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos as duas equipas  defrontaram-se por duas ocasiões e cada equipa venceu uma partida.

Os militares venceram na fase regular do BIC Basket, por um escasso ponto de diferença (83-82),  o Petro venceu na segunda volta, por 85-75. Os militares superaram  os petrolíferos  na fase de grupos, por 97-77, ao passo que na fase de Qualificação, os pupilos de Lazare Adingono venceram por 97-87.

Nas meias-finais, a equipa militar venceu o primeiro jogo, por 102-75,  consentiu duas derrotas consecutivas, por 113-107 e 86-96. No sábado, os militares venceram por 108-82.