Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Interclube almeja alcançar o troféu

Gaud?ncio Hamelay , no Lubango - 22 de Janeiro, 2017

Equilíbrio marca o início da competição de jovens que decorre na cidade de Lubango

Fotografia: Jornal dos Desportos

A equipa dos Bombeiros de Luanda luta de princípio até o fim para atingir os objectivos. Elisa Pires assegurou que a sua maior preocupação é "a pobreza" que continua a assolar o sector feminino nas provas nacionais.

“O número de equipas reduzidas no sector feminino é preocupante, principalmente, no escalão Sub-18. Tivemos um número diferente nos Sub-16. Se continuarmos com esse défice de equipas, temos de começar a preocupar-nos com o basquetebol feminino”, afirmou. 

Defendeu mudança do quadro rapidamente para preservar a prática de basquetebol no feminino no país.

Para Hilário Filipe, técnico principal do Interclube de Benguela, o número de equipas femininas já se esperava pelo facto de basquetebol de hoje ser praticado por quatro ou cinco equipas nos escalões seniores. No entanto, augura que nos próximos anos a tendência seja invertida.

Quanto aos nacionais, a sua equipa está preparada para defender ou melhorar o terceiro lugar alcançado na edição passada. Avançou que as equipas da Huíla têm uma ligeira vantagem em relação às outras devido ao clima e por jogarem em casa.

Ontem na primeira jornada, o 1º de Agosto derrotou o Sporting Clube de Benguela por 73-36.

Participam nos nacionais o Benfica Petróleos do Lubango, Interclube de Benguela, Interclube, 1º de Agosto e Sporting Clube de Benguela.


BASQUETEBOL SUB-18
Técnicos aguardam
trabalho dos árbitros


Os técnicos de equipas participantes no Campeonato Nacional de Basquetebol nos escalões de Sub-18, aguardam que a arbitragem e todos os intervenientes consigam corresponder as expectativas para propiciar uma prova com qualidade.

Ricardo Rodrigues, técnico do Recreativo do Libolo, em masculino, diz participar da competição com o objectivo de formar jogadores e não vencer a prova.  Sustentou que vai tentar criar o maior número de dificuldades aos adversários.

“Vai ser um campeonato com um pouco mais de qualidade, porque sabemos que as equipas como o 1º de Agosto, Vila Clotilde, o próprio Libolo e outras neste escalão, já têm qualidade basquetebolística. No entanto, vamos esperar que a arbitragem e todos os intervenientes consigam corresponder com as expectativas e que o evento seja com mais qualidade que o da categoria Sub-16”, disse.

Venâncio Quintas, técnico da Vila Clotilde, destacou que a única preocupação visa ensinar a jogar o basquetebol.

“Essa é a única coisa que podemos prometer: ensinar os miúdos a jogar um verdadeiro basquetebol. Os adversários da minha série B, sobretudo, ASA, 1º de Maio de Benguela, Sport Sumbe e Benfica, Desportivo da Huíla e Sporting Clube de Benguela, são todos fortes”, admitiu.

Gilson Chico, treinador da equipa feminina do Benfica Petróleos do Lubango, garantiu estar a competir neste nacional para jogar em pé de igualdade com as outras formações.

Assegurou que o trabalhado desenvolvido ao longo da preparação permite fazer boa figura.  “Estamos aqui para competir e respeitamos todos os adversários”, disse.

Gilson Chico indicou que sendo um campeonato dos escalões de formação, as equipas entram para ganhar jogos. Se deixarem o Benfica Petróleo do Lubango jogar “a equipa vai lutar até onde poder”.

Hilário Filipe, treinador da equipa feminina do Interclube de Benguela, espera que o número de formações aumente no futuro para se ter um campeonato mais nacional e digno.