Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Jogo das estrelas é hoje na cidadela

Álvaro Alexandre - 18 de Junho, 2010

Vencedores dos concursos serão agraciados com prémios monetários

Fotografia: Jornal dos Desportos

As principais "estrelas" do basquetebol nacional e algumas estrangeiras que actuaram no recém-terminado Bai basket defrontam-se hoje, a partir das 18h45 minutos no pavilhão principal da Cidadela, no também denominado "All Star Game". Frente a frente estarão o Misto de Angola, orientado por Raul Duarte e a Selecção dos Estrangeiros, tecnicamente dirigida por Alberto Babo.

Vinte e quatro basquetebolistas foram seleccionados no recém-terminado Campeonato Nacional pelas equipas técnicas com o intuito de oferecer, hoje e amanhã, uma festança de afundanços e outras acrobacias, no pavilhão principal da Cidadela. A organização é da  Casa Real, um grupo empresarial vocacionado para a realização de eventos desportivos.Para além dos homens, a actividade prevê um “All Star Game” com senhoras do campeonato nacional, na abertura.

 A partida vai envolver as formações do Interclube, campeã nacional, e do 1º de Agosto, vice-campeã. Para além, das duas partidas, vai haver também concurso de melhor cestinha, triplista, ressaltador, recuperador, smachs e de jogador fantasma (espectacular), que serão premiados. O conjunto que conquistar a prova masculina será agraciado com um prémio de 25 mil dólares. Nos concursos individuais, os basquetebolistas vão receber cada um prémio de participação que varia dos 500 aos 1000 dólares.

Os bilhetes estão à venda desde ontem, na Cidadela, e os preços variam dos 1000 kwanzas para a bancada do topo, 1500 para a geral, 2000 para a central e 2500 kwanzas para a área vip

Huilanos almejam pódio
na prova de cadeira de roda

A equipa do Centro Elavako, único “embaixador” da província da Huíla, no VI Campeonato Nacional de basquetebol em cadeiras de rodas, que arranca hoje na cidade de Benguela, almeja conquistar um dos lugares do pódio. Apesar da preparação ter sido marcada por algumas dificuldades de ordem material para o treinamento, como a falta de apoios e de campo, o que obrigou trabalhar ao relento nos últimos dias, o grupo partiu ontem via terrestre para o palco da competição motivada para a obtenção de resultados satisfatórios.

O técnico-adjunto da equipa, Pedro Alexandre, disse que esta situação poderá criar alguns embaraços aos protagonistas do espectáculo durante o desenrolar dos jogos. “Acabamos de ver o nosso calendário. No primeiro dia, jogaremos diante do Misto do Huambo e o moral do grupo está bom embora estejamos um pouco desmotivados por falta de apoios a nível da província”, disse. Pedro Alexandre afirmou que a preparação dos seus pupilos decorreu bem, pese embora ter começado tardiamente com os trabalhos devido a desmotivação vivida na equipa.

“Debatemo-nos com algumas dificuldades material para o treinamento e de campo. Primeiro estávamos a treinar no pavilhão do Benfica do Lubango, mas devido a mudança de gerência daquela infra-estrutura fomos obrigados a recorrer ao campo adjacente a Universidade Mandume ya Ndamufaya. Como treinamos ao ar livre, os atletas podem estar prejudicados em Benguela porque os jogos realizar-se-ão num recinto fechado. Então, estamos a prever que estas são as dificuldades que vamos atravessar no palco da competição”, acautelou.

O técnico-adjunto da equipa lembrou que no ano passado conquistaram o terceiro lugar no Campeonato Nacional. “Infelizmente até hoje não temos recebido apoios por parte das entidades de directo na província”, reclamou. Acrescentou que quando a equipa levou o troféu à província, não tiveram também uma recepção calorosa, o que causou desmotivação na equipa.

“Por isso é que começamos tarde a preparação, porque havia no grupo uma pequena greve. Depois conseguimos mobilizar os atletas porque há 15 anos que a equipa trabalha e nunca teve apoios grandes. Demos coragem aos atletas para estarmos presente nesta competição a fim de dignificarmos a província”, referiu.

                                                Gaudêncio Hamelay, no Lubango