Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Kevin Durant alcança sonho

14 de Junho, 2017

McLaren está prestes a fechar um acordo com a Mercedes para o fornecimento de motores

Fotografia: MAGES NORTH AMERICA | AFP

Foi uma época de sonho e toda a equipa merece o prémio\". As palavras são de Kevin Durant, no final do quinto jogo dos play off da final da NBA da época 2016-2017, disputado em casa dos campeões. Os Golden States Worriors bateu o Cleveland Cavaliers por 129-120. Em meio a emoção do primeiro título da carreira, Durant também recebeu o título de MVP - Jogador Mais Valioso.

Em lágrimas pela conquista, Kevin Durante elogiou o grupo de Golden States Warriors: \"Não dormia há dois dias. É incrível a maneira como se trabalha nesta equipa e como lutamos todos unidos\".No início da época, Kevin Durant trocou os Oklahoma City Thunder pelos Warriors com objectivo de conquistar o primeiro \"anel\" da carreira. Para alcançar o objectivo, contribuiu no quinto jogo com 39 pontos.

O  número 35 do conjunto de Steve Kerr não esteve sozinho. Longe disso, pois Stephen Curry também foi determinante com 34 pontos, 10 assistências e seis ressaltos, tal como um suplente especial, Andre Iguodala, o \'MVP\' da final de 2015, que marcou 20 dos 35 pontos que vieram do banco.Pelo trabalho defensivo, Klay Thompson (11 pontos) e Draymond Green (10 pontos, 12 ressaltos e cinco assistências) também deram contributos decisivos nos Warriors, que estiveram a última vez em desvantagem a meio do segundo período, no meio de um marcante parcial de 36-11.

Nos \'Cavs\', que com o triunfo no jogo anterior ainda acreditaram em repetir a recuperação de 2016 (de 1-3 para 4-3), LeBron James terminou o embate com 41 pontos, 13 ressaltos e oito assistências, mas não conseguiu evitar perder a quinta final, em oito disputadas.Kyrie Irving, com 26 pontos, JR Smith, com 25, dos quais sete \'triplos\' marcados em oito tentados, e Tristan Thompson, com 15 pontos e oito ressaltos, também fizeram exibições positivas, em termos individuais.Colectivamente, tudo foi mais complicado, pois, como nos jogos anteriores, os Cavaliers \'esqueceram-se\' de defender, o que tornou a sua missão quase impossível, até porque não repetiram os 24 \'triplos\' do quarto jogo, o único que ganharam.

O jogo começou equilibrado com várias alternâncias no comando do marcador, mas os \'Cavs\', moralizados pelo triunfo no terceiro jogo (137-116), assumiram o comando do jogo e chegaram a liderar por oito pontos (12-20).Os Warriors conseguiram aproximar-se e voltaram mesmo ao comando (31-30 e 33-32), só que os forasteiros estiveram melhor no final do primeiro período e no arranque do segundo (33-41), que abriu com dois lançamentos de LeBron James.Os locais cometiam demasiados erros e pareciam algo \'perdidos\', mas os suplentes David West e Andre Iguodala trouxeram-nos de volta e mudaram o rumo do encontro, o que, em números, se traduziu num sensacional parcial de 36-11.

O conjunto de Steve Kerr ficou a ganhar por 17 pontos (69-52) o que valeu JR Smith, na parte final da primeira parte, para o encontro não \'acabar\' a meio (71-60).No arranque da segunda parte, os Warriors aumentaram a vantagem para 14 pontos (74-60 e 76-62), mas, pela mão de LeBron James e Irving, os Cavaliers aguentaram como pode e reduziram para quatro pontos (90-86).

O terceiro período fechou com 98-93. Logo no início do quarto, James colocou os \'Cavs\' a uma posse de bola (98-95), mas Durant respondeu em \'grande\' e, até final, fez sempre a cada aproximação do adversário, com a ajuda de Curry.Os Warriors conseguiram recolocar a diferença na casa das dezenas, a menos de oito minutos do final, e, depois, não mais perderam o controlo do encontro, perante uns \'Cavs\' que não se cansaram de cometer inacreditáveis erros defensivos.

ESTADOS UNIDOS
Rodman quer apaziguar tensão com Pyongyang

O ex-jogador da NBA, Dennis Rodman, anunciou ontem na sua conta de Twitter que vai novamente viajar para a Coreia do Norte, com o objectivo de “abrir a porta” ao diálogo com o país.Rodman espera chegar hoje a Pyongyang, segundo disse à imprensa, durante a sua passagem pelo aeroporto de Pequim. Esta será a sua quinta visita ao país, num momento de particular tensão entre Washington e o regime liderado por Kim Jong-un.“Espero regressar, com uma atitude positiva, e espero que a porta esteja um pouco mais aberta”.