Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

LeBron James fora da lista dos Estados Unidos

29 de Junho, 2016

LeBron James, fora dos Jogos Rio2016.

Fotografia: AFP

O extremo LeBron James, uma das maiores ‘estrelas’ da Liga Norte-americana de Basquetebol (NBA), ficou fora da equipa olímpica dos Estados Unidos, para os Jogos Rio2016.A ausência de James  era esperada, uma vez que o jogador indicou na semana passada que precisava de descansar, depois de liderar os Cleveland Cavaliers na conquista do título da NBA, na final frente aos Golden State Warriors.

‘King James’, de 31 anos, podia conquistar no Rio de Janeiro a terceira medalha de ouro consecutiva, depois de  se ter sagrado campeão olímpico em 2008, em Pequim, e em 2012, em Londres, integrou ainda a selecção dos Estados Unidos que obteve o bronze em 2004, em Atenas.

Além de James, melhor marcador da equipa norte-americana, com 273 pontos, o "team USA" não conta também com outros jogadores de topo da NBA, como Stephen Curry, James Harden, Russell Westbrook, Kawhi Leonard ou Chris Paul, por opção, ou devido a lesões.

Apesar de várias ausências de peso, os Estados Unidos continuam a ser os principais favoritos ao ouro olímpico, integram alguns dos melhores basquetebolistas mundiais, em especial Kyrie Irving (Cleveland), Carmelo Anthony (New York) e Kevin Durant (Oklahoma City).

A lista de 12 convocados, inclui, Harrison Barnes (Golden State), Paul George (Indiana), Draymond Green (Golden State), DeMarcus Cousins (Sacramento), DeAndre Jordan (Clippers), Jimmy Butler (Chicago), DeMar DeRozan (Toronto), Kyle Lowry (Toronto) e Klay Thompson (Golden State).


PROTESTO
Polícias ameaçam greve


Os polícias civis do Rio de Janeiro ameaçam fazer greve, durante os Jogos Rio2016, que decorrem na cidade brasileira a partir de 05 de Agosto.
Em causa, segundo os polícias, estão os atrasos nos salários, a falta de material de expediente, serviços de limpeza e escassez de combustível. Como referência ainda estão as esquadras sem água, papel higiénico e tinta para impressão de boletins de ocorrência.

O presidente da Coligação de Polícias Civis do Estado do Rio de Janeiro, Fábio Neira, afirmou aos jornalistas tratar-se de uma questão de "subsistência" e descreveu uma situação de "colapso".

"Vamos, gradativamente, aumentar o movimento. Não queremos radicalizar, mas o governo está a  levar-nos para isso.

 A base está muito insatisfeita e sem perspectiva. Uma paralisação total não pode ser descartada", acrescentou, sobre a possibilidade de greve da categoria durante os Jogos Olímpicos.Centenas de agentes manifestaram-se nas ruas do centro da cidade com faixas e cartazes de protesto, segundo a Agência Brasil.

Um grupo de polícias também protestou no aeroporto Tom Jobim, seguraram uma faixa onde  podia ler-se, em inglês: "Bem-vindos ao inferno. Polícias e bombeiros não são pagos. Qualquer pessoa que vier para o Rio não está segura."

A polícia civil informou, numa nota, que entende as reivindicações, consideradas justas e motivadas em razão das dificuldades da categoria.O Estado do Rio de Janeiro decretou, a 17 de Junho, "estado de calamidade pública", devido à grave crise financeira que atravessa.