Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Libolenses e Petrolíferos na final da Taça

Melo Clemente - 13 de Abril, 2016

Falta de rigor defensivo contribuiu para a derrota do Clube Central das Forças Armadas

Fotografia: M. Machangongo

A equipa do Recreativo do Libolo apurou-se para a final da 32ª edição da Taça de Angola de basquetebol em seniores masculino, ao derrotar ontem, em pleno Pavilhão Victorino Cunha, o 1º de Agosto, por 70-68, em partida referente à segunda mão da meias-finais da competição. Na primeira mão, os militares haviam perdido por 94-101.

A reacção tardia em nada serviu para a equipa rubro e negra, que mais uma vez voltou a perder um troféu na presente época desportiva. Contratado para resgatar a "mística" perdida, o técnico espanhol continua a somar insucessos atrás de insucessos.

Depois de falhar a conquista do Campeonato Provincial, Taça Victorino Cunha e Taça dos Clubes Campeões Africanos, a formação do 1º de Agosto deixou escapar ontem o passe da final da Taça de Angola e, consequentemente, a possibilidade de conseguir o primeiro troféu da temporada.

Contra todas as expectativas, a formação do 1º de Agosto a jogar no seu reduto entrou mal no desafio, ao contrário do seu adversário que se mostrou bastante determinada nos minutos iniciais da partida.

Os militares precisaram de seis minutos para marcar os primeiros dois pontos, por intermédio do jovem Edson Ndoniema, medalha de ouro dos XI Jogos Africanos de Brazzaville, que saltou do banco para violar a cesta dos libolenses.

Com uma defesa pressionante, onde as ajudas funcionavam em pleno, o Recreativo do Libolo forçou a equipa caseira que passou a apostar mais nos lançamentos a longa distância, sem no entanto, o sucesso desejado.

Ricard Casas foi obrigado a solicitar o primeiro desconto de tempo, quando perdia por 2-7. Dois lançamentos certeiros a longa distância do extremo base Edson Ndoniema permitiu a formação rubro e negra reduzir a desvantagem (11-12). Roberto Fortes tratou de alargar a vantagem da sua equipa para seis pontos, isto ao cabo dos primeiros doze minutos (13-19).

Tal como no primeiro período, os pupilos do técnico espanhol Ricard Casas entraram novamente  apáticos no segundo quarto, situação que foi muito bem aproveitada pelo Recreativo do Libolo, equipa que se mostrava bastante serena na abordagem do seu jogo, quer no capítulo defensivo, quer no capítulo ofensivo.

Se no quarto inicial foi o jovem Edson Ndoniema que brilhou nos lançamentos a longa distância, no segundo período foi a vez do veterano Olímpio Cipriano, que vez vários arremessos na linha dos nove metros.

Curiosamente, o segundo quarto acabou por ser uma cópia do primeiro, em que os militares marcaram 13, contra 19 dos forasteiros, o que perfez 26-38 ao cabos dos primeiros 24 minutos.

Ndoniema era o mais inconformado, tendo terminado o quarto inicial com 13 pontos, contra 4 de Islando Manuel, três do Hermenegildo Santos e Francisco Sousa.

Nem mesmo o intervalo serviu para a equipa militar serenar o nervosismo que se apoderava do colectivo de uma maneira geral. Nesta etapa, os militares perderam no parcial por 15-18 (41-56).

Em desvantagem de 15 pontos no quarto derradeiro,  a equipa caseira conseguiu reduzir para nove (51-60), quando restavam sete minutos e 40 segundos para o termo da partida, para o gáudio dos adeptos que estavam praticamente o jogo todo em silêncio. Os militares ainda tentaram reagir nos minutos finais, mas a determinação do Libolo acabou por superar a força de vontade dos caseiros.

Ainda ontem, na outra meia final, a formação do Atlético Petróleos de Luanda mesmo desprovido de Leonel Paulo e Lazare Adingono, ambos castigados pelo Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Basquetebol, voltou a vencer o Atlético Sport Aviação (ASA) desta, por 100-75, depois de ter batido no prélio da primeira mão, por 107-65.

FICHA TÈCNICA
Pavilhão: Victorino Cunha
Comissário: Soares de Campo
Arbitragem: Osvaldo Neto, Clésio Francisco e António Samuel
 
1º DE AGOSTO: Francisco Sousa (10), Edson Ndoniema (18), Armando Costa (3), Jorge Taty (0), Felizardo Ambrósio (3), Joaquim Gomes "Kikas" (0), Mutu Fonseca (0), Cedrick Ison (9), Tercio Domingos (0), Hermenegildo Santos (7), Islando Manuel (9), Tariq Kirksay (9).
Treinador: Ricard Casas
 
LIBOLO: Olímpio Cipriano (14), Jianathn Wallace (5), Carlos Morais (6), Roberto Fortes ( 9), Valdimir Pontes (0 ), Roderick Nealy (11), Valdelicio Joaquim (6), Zola Paulo (0), Eduardo Mingas (3), Agostinho Coelho (0), Milton Barros (6), Manda João (0).
Treinador: Norberto Alves
 
Marcha marcador: 13-19, 26-38, 41-56, 68-70


22 DE ABRIL
Libolo e Petro
decidem a final


As formações do Atlético Petróleos de Luanda e do Atlético Petróleos de Luanda defrontam-se a 22 do mês em curso, no Pavilhão da Cidadela Desportiva, para a decisão da final da 32ª edição da Taça de Angola em basquetebol em seniores masculino.

Com duas Taças de Angola no seu palmarés, a formação do Recreativo do Libolo que ontem afastou o todo poderoso 1º de Agosto, a quem venceu por escassos dois pontos, 70-68, vai procurar alcançar o seu troféu.

Já o Atlético Petróleos de Luanda, que deixou pelo caminho o Atlético Sport Aviação (ASA), por 100-75, vai procurar igualmente superar os libolenses no dia 2 do mês em curso.
M.C

CONTRARIEDADE
Extremo Cissé
pára seis semanas

Mohamed Malick Cissé, extremo da formação do 1º de Agosto vai parar por um período de seis semanas, em virtude de ter contraído uma lesão no pé esquerdo, sexta-feira última, na vitória da sua equipa sobre o arqui-rival, Atlético Petróleos de Luanda, por 97-77, em desafio a contar a quarta jornada do Grupo A do BIC Basket.

Num contacto involuntário com um adversário, o medalha de ouro dos XI Jogos Africanos de Brazzaville, em 2015, caiu de forma aparatosa e quebrou um dos dedos do pé esquerdo.

Mohamed Malick Cissé engorda desta forma o departamento médico do Clube Central das Forças Armadas Angolanas, onde já está o jovem Johne Pedro, poste, uma das apostas do seleccionador nacional, Carlos António Dinis, para o torneio pré-olímpico de Belgrado, Sérvia, prova selectiva aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Brasil.

Entretanto, Johne Pedro já se encontra em Luanda, onde vai cumprir o plano de recuperação, depois de ter sido submetido a uma intervenção cirúrgica no joelho direito. O torneio pré-olimpico de Belgrado vai decorrer de 4 a 9 de Julho do ano em curso, ao passo que os Jogos Olímpicos estão agendados para o mês de Agosto.
M.C