Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Libolenses têm a pior defesa

Melo Clemente - 05 de Fevereiro, 2015

O grupo orientado por Norberto Alves tem estado em grande plano

Fotografia: M.Machangongo

Contra todas as expectativas, a formação do Recreativo do Libolo, campeã nacional em título, detém nesta altura a pior defesa do lote das cinco equipas que vão lutar pelo título da 37ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino, competição que amanhã disputa a segunda volta da fase regular.

Depois de terem destronado os militares, quer do título nacional como  da Taça dos Clubes Campeões Africanos, a equipa do Recreativo do Libolo tem sido incapaz de proporcionar na presente época desportiva as boas exibições patenteadas na época transacta, alegadamente por não contar com duas das suas principais unidades, nomeadamente, Carlos Morais e Olímpio Cipriano, ambos extremos bases.

O represente da vila de Calulo sofre em média 81,9 pontos por  desafio, é por isso a pior defesa do quinteto de equipas que lutam pela coroa nacional, designadamente, 1º de Agosto, Atlético Petróleos de Luanda, Grupo Desportivo Interclube, Atlético Sport Aviação (ASA) para além do Libolo.
Em 11 partidas disputadas até aqui, a formação do Recreativo do Libolo  que conta já com os préstimos do jovem base Braúlio Morais, sofreu 901 pontos, o que representa uma média de 81,9.

Se do ponto de vista defensivo os campeões nacionais apresentam grandes fragilidades, o mesmo não se pode dizer no capítulo ofensivo, em que têm estado em bom plano.

Os pupilos de Norberto Alves, técnico que cumpre o seu segundo ano de mandato a frente dos destinos do Recreativo do Libolo, já marcaram 936 pontos, o que representa uma média de 85 pontos por partida.

 Já o 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda travam um duelo interessante, não apenas na tabela classificativa do BIC Basket. Os militares assumiram de forma isolada a primeira posição, agora com 27 pontos, contra 26 pontos dos petrolíferos da capital, no segundo posto.

A equipa do Eixo-viário em 14 partidas disputadas marcou 1342 pontos, contra 1322 do arqui-rival, daí que  é nesta altura o melhor ataque da competição, com uma média de portos por desafio de 95,9. A equipa rubro negra ocupa o segundo posto, com 94,4.

Em termos defensivos, os militares superam os demais concorrentes. Em 14 jogos, a equipa rubro e negra sofreu 916 pontos, o que representa uma média de 65,4, contra 77,1 do Atlético Petróleos de Luanda, resultante dos 1080 pontos que sofreu até aqui.

A turma aviadora, liderada pelo técnico Carlos Dinis, tem a segunda melhor defesa da 37ª edição do Campeonato Nacional da “bola ao cesto”, com uma média de 75 pontos por desafio, ao passo que os petrolíferos da capital ocupam o terceiro lugar, com 77, 1.

O Grupo Desportivo Interclube está em quarto lugar, com 77,5 pontos resultantes dos 931 pontos que sofreu em 12 partidas.

      EQUIPA                            J       V       D         PM-PS               Pts
1º 1º de Agosto                     14     13     01       1322-916            27
2º Petro                                14     12     02       1343-1080          26
3º ASA                                  13     07     06       1019-976            20
4º Interclube                         12     07     05       1057-931            19
5º Sporting                           13      05     08       1030-1129          18
6º Libolo                               11      06     05        936-901            17
7º Vila                                  12      03     09        883-1043           15
8º Lusíada                            11      03      09        753-871            14
9º Marinha                            12      02      10       752-1053           14
10º Progresso                        10      03      07        516-811            13