Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Libolo de volta depois do estágio

Melo Clemente - 10 de Outubro, 2017

Grémio do Cuanza - Sul efectuou estágio pré-competitivo em Portugal

Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

A formação do Recreativo do Libolo desembarca hoje, quarta-feira, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, proveniente de Portugal, onde efectuou um estágio pré-competitivo, tendo em vista à nova época desportiva 2017/2018, que abre amanhã, quinta-feira, com a disputa da primeira jornada do Torneio Victorino Cunha.

Sob liderança do técnico angolano Raul Duarte, que substituiu no cargo o espanhol, Hugo López, a formação da vila de Calulo escolheu as terras de Camões para projectar a nova época desportiva, onde a grande meta passa pela conquista de todas as provas em que estiver engajada, quer a nível doméstico, quer a nível do continente berço da humanidade.

Aliás, depois de conquistar todos os troféus, na época transacta, nomeadamente, o Torneio Victorino Cunha, a Taça de Angola, Supertaça Waldemiro Romero e o Campeonato Nacional, vulgo BIC Basket, o técnico Raul Duarte vê-se na "obrigação" de repetir os feitos alcançados pelo seu antecessor, que chegou, viu e venceu no basquetebol doméstico.

Campeão nacional com a formação do Recreativo do Libolo, em 2012, Raul Duarte voltou a merecer  a confiança da direcção do grémio do Cuanza - Sul, a fim de manter a equipa na senda de conquistas de troféus.

Com um plantel algo "rejuvenescido", com as entradas de Pedro Bastos, Teotónio Tó, Hermenegildo Mbunga e Reggie Moore,  provenientes do Petro de Luanda, a formação do Libolo, actual campeã nacional, é sem sombra de dúvidas uma das principais candidatas à conquista do título da 40ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, vulgo BIC Basket.

Os libolenses aproveitam o Torneio Victorino Cunha para corrigirem eventuais debilidades, para que a equipa apareça  em grande forma, durante a disputa das eliminatórias da Taça dos Clubes Campeões Africanos da "bola ao cesto".

Durante o estágio pré-competitivo, que efectuou em terras lusas, os actuais campeões nacionais realizaram jogos amistosos que serviram para o técnico Raul Duarte aferir a capacidade da sua rapaziada. Do plantel que se sagrou campeão nacional na época transacta, o destaque para as saídas Valdelício Joaquim, extremo poste, que rumou para o basquetebol argentino, e  Eduardo Mingas, poste que representa actualmente o Clube Central das Forças Armadas Angolanas (1º de Agosto).

Entretanto, a 9ª edição do Torneio Victorino Cunha arranca amanhã, com a participação de quatro formações, designadamente, Recreativo do Libolo, actual detentor do ceptro, 1º de Agosto, Grupo Desportivo Interclube e Petro de Luanda.

O Torneio visa homenagear a figura do antigo seleccionador nacional dos hendecacampeões africanos, Victorino Cunha, um dos precursores do desenvolvimento da modalidade no país.


Recuperação
Pavilhão Osvaldo Serra Van-Dúnen em obras


O Pavilhão Osvaldo Serra Van-Dúnen, erguido na cidade do Huambo, em 2007, para albergar um dos grupos da 24ª edição do Campeonato Africano da Nações (Afrobasket), está a ser reabilitado, com realce para o piso, que se encontrava degradado.A Angop constatou,  que os trabalhos estão avançados, devem estar concluídos ainda esta semana.

A reabilitação da infra-estrutura, a cargo da empresa Omatapalo, consiste na substituição de tacos, envernizamento e pintura de algumas paredes à volta do rectângulo de jogo, com 1500 metros quadrados.

O piso do Pavilhão Osvaldo Serra Van-Dúnen foi considerado o mais degradado, entre os quatro construídos, por ocasião do Afrobasket (Benguela, Cabinda e Lubango), por causa do excessivo uso de actividades não desportivas.

O responsável dos trabalhos de recuperação, Manuel Lima, em declarações à Angop, informou que neste piso só é permitido circular com sapatilhas, desde que este calçado não transporte areia, facto que lamentou nunca ter sido observado.“Encontramos o recinto de jogo muito degradado, pois, era usado de forma inapropriada. Somente sapatilhas são permitidas nestes pisos, ainda assim, deve ser limpo antes do uso para retirar a areia, um dos inimigos dos pisos”, disse.

Com capacidade para 2.665 lugares, dos quais 20 para deficientes físico, 48 vips e 65 para jornalistas, o Pavilhão foi construído em 105 dias úteis, custou ao Governo 11 milhões e 800 mil dólares americanos.

Além de jogos do Afrobasket, também acolheu em 2008 uma série do campeonato africano sénior feminino, a taça dos clubes campeões africanos seniores masculino de basquetebol, e em 2012 a Taça Ze Dú que foi disputada pelas selecções nacionais seniores masculina de hóquei em patins do Chile, Brasil, Moçambique.

Colômbia, Alemanha e Angola.A infra-estrutura ocupa uma área plana de dez mil metros quadrados,  de acordo com a empresa chinesa que a construiu, pode durar, em condições normais, 50 anos.