Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Libolo e Petro aquecem o pavilhão da Cidadela

Melo Clemente - 26 de Abril, 2014

Pupilos de Norberto Alves procuram hoje a segunda vitória na fase final da competição

Fotografia: Jornal dos Desportos

A formação do Recreativo do Libolo pode aparecer no desafio desta noite (18h30m), frente ao Atlético Petróleos de Luanda, no Pavilhão Principal da Cidadela Desportivo, sem duas das suas principais unidades.

Trata-se de Carlos Morais e Olímpio Cipriano que desfalcaram o representante da vila de Caculo, no jogo inaugural da «Final Four».

Carlos Morais não foi convocado para o duelo com o 1º de Agosto, devido a lesão no ombro esquerdo, ao passo que Olímpio Cipriano foi obrigado a abandonar o desafio mais cedo, por ressentir-se de uma lesão no joelho esquerdo.

Ontem, os dois internacionais angolanos estiveram sob cuidados médicos e podem mesmo falhar o embate desta noite, frente ao Atlético Petróleos de Luanda, equipa de cilindrou o Grupo Desportivo Interclube, por 106-67.

Apesar das prováveis ausências, Norberto Alves não esconde o desejo de vergar logo mais a formação do Eixo-viário.

Ontem, os pupilos de Norberto Alves ensaiaram as estratégias para suplantar os petrolíferos da capital, equipa que está com os níveis de confiança acima da média.

Com a provável ausência de Carlos Morais e Olímpio Cipriano, as acções ofensivas do Recreativo do Libolo vão ser comandadas por Eduardo Mingas, internacional angolano, para além de Eric Coleman, norte-americano, e o gambiano Moses Soko.

Do lado petrolífero, a única preocupação prende-se com o poste Miguel Kiala, que continua a recuperar de uma intervenção cirúrgica.

Lazare Adingono, técnico principal do Atlético Petróleos de Luanda, que já manifestou o interesse em conquistar a 36ª edição do BAI Basket, tem o grupo preparado para desfeitear o seu opositor.
O Pavilhão Principal da Cidadela vai seguramente escaldar, já que vão estar em confronto os líderes da 36ª edição do BAI Basket.


Militares obrigados a vencer

1º de Agosto recebe esta noite no Pavilhão
Victorino Cunha o Interclube

Após três derrotas consecutivas, duas para a Taça de Angola e uma para o BAI Basket, a formação do 1º de Agosto recebe hoje, a partir das 18h00, no Pavilhão Victorino Cunha, o Grupo Desportivo Interclube, em desafio referente à segunda jornada da prova, com a obrigação de vencer o seu adversário, sob pena de continuar na cauda da tabela classificativa do «Nacional».

Nos últimos sete dias, a equipa rubro e negra consentiu nada menos nada mais do que três desaires, dois com o arqui-rival Atlético Petróleos de Luanda, para a segunda maior competição a nível da «bola ao cesto» (89-96 e 82-88) e outro para o Recreativo do Libolo, por 85-88, no arranque da «Final Four». Assim, é quase que obrigada a vencer esta noite a turma da Polícia, conjunto que baqueou na ronda inaugural, diante dos petrolíferos da capital, ao consentir a chapa cem (106-67).

O norte-americano, Cedrick Ison, extremo base, que na última quinta-feira regressou as grandes exibições, ao anotar 34 pontos, pode ser o trunfo do técnico Paulo Macedo, que minimizou a derrota sofrida frente ao Recreativo do Libolo.

A jogar no seu reduto e diante dos seus adeptos, o Clube Central das Forças Armadas Angolanas tudo vai fazer para conseguir os primeiros dois pontos, de modo a aproximar -se dos lugares cimeiros da 36ª edição do BAI Basket.

Se o extremo base Cedrick Ison parece regressar às grandes exibições, o mesmo já não pode dizer-se do internacional angolano, Reggie Moore, que continuar a fazer uma travessia no deserto.

Entretanto, o discurso no seio dos jogadores está virado para o triunfo, apesar de reconhecerem a matreirice da formação Interclube, orientada tecnicamente pelo Alberto Babo.

Ontem, na sessão de treinos, Paulo Macedo aproveitou para fazer algumas correcções, fundamentalmente, de ordem defensiva.

Se do lado militar existe a obrigatoriedade de vencer o prélio desta noite, o mesmo pode dizer-se da turma da Polícia, já que na jornada inaugural da «Final Four» perdeu em pleno Pavilhão 28 de Fevereiro, por 67-106, frente ao Atlético Petróleos de Luanda.

Depois de ter feito uma segunda volta da fase de grupos espectacular, em que relegou para o quarto posto a equipa do Eixo-viário, os polícias foram impotentes para travar a fúria petrolífera.

Aberto Babo promete um Interclube diferente no desafio de mais logo, partida que vai colocar frente a frente duas equipas que na primeira jornada foram derrotadas.

Apesar dos maus resultados da equipa rubro e negra, o Pavilhão Victorino Cunha vai registar seguramente uma enchente.

A entrada da segunda jornada da «Final Four», Atlético Petróleos de Luanda e Recreativo do Libolo, partilham a liderança da prova, ambos com dois pontos, seguidos do 1º de Agosto e Interclube, com um ponto cada.


BAI Basket
FAB reajusta série B


A direcção técnica da Federação Angolana de Basquetebol reajustou o calendário da série B da 36ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino, vulgo BAI Basket.

O órgão reitor da modalidade no país foi obrigada a reajustar o calendário, em virtude do Futebol Clube Vila Clotilde não ter viajado para a província de Benguela na última terça-feira, onde devia defrontar o Sporting local para a primeira jornada da série B.

Assim, a partida entre o Sporting de Benguela e Futebol Clube Vila Clotilde foi remarcada para o dia 15 de Maio próximo.

Entretanto, a série B calendariza duas partidas referentes a segunda jornada, com a formação do Clube Universidade Lusíada, líder da prova, com dois pontos, a receber no Pavilhão 28 de Fevereiro, a partir das 16h00, o Sporting de Benguela, ao passo que às 18h00, O futebol Clube Vila Clotilde recebe no Anexo número dois da Cidadela Desportiva, o Atlético Sport Aviação (ASA).

Os universitários vão procurar alcançar a sua segunda vitória na prova, ante um adversário que normalmente faz bons resultados na capital do país.
Por seu lado, os aviadores baquearam na ronda inaugural são obrigados a vencer esta noite, o Futebol Clube Vila Clotilde. O equilíbrio vai seguramente marcar o desafio de logo.                M.C