Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Madeira "caa" votos no Bi0

Melo Clemente - 15 de Dezembro, 2016

Presidente cessante apresentou linhas do programa filial e clubes

Fotografia: Vigas da Purificao

O candidato da lista B ao pleito eleitoral da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), que acontece a 22 do mês em curso, trabalhou na segunda-feira  dia 12 no Bié, onde procurou “caçar votos” para a reeleição à presidência do organismo. Paulo Alexandre Madeira concorre à sua própria sucessão às eleições da FAB,  tem como lema de candidatura “Pelo Basket-por Angola”, iniciou a campanha  no domingo no Cuanza-Sul, onde apresentou o programa aos associados e clubes locais.

O número “um” da lista B disse no contacto mantido com os responsáveis do órgão reitor da modalidade da "bola ao cesto" e associados do Bié, que o posicionamento do elenco que dirige passa por apostar no trabalho de continuidade. “Continuaremos a trabalhar na formação, criando uma base da pirâmide muito sólida, que nos permita ter mais árbitros e mais técnicos, para que a modalidade cresça de forma estruturada. Queremos com isso alargar o nível de conquistas”, argumentou.

Para esse efeito, acrescentou ainda “introduziu-se mais elementos, mais juventude e mais organização em termos estruturação do trabalho, para fazer face ao  nosso comprometimento que vem desde 2012”. O presidente cessante do órgão que superintende o basquetebol no país e candidato à sua própria sucessão, como é óbvio, frisou que durante o mandato que passa para a história, o elenco que dirigiu manteve um contacto muito próximo com os associados.

“Mantivemos uma relação muito estreita com as Associações Provinciais de Basquetebol (APB) e clubes, para que estes pudessem estar presentes nas tomadas de decisões do organismo reitor da modalidade, em relação às políticas adoptadas”, disse. De 47 anos de idade e antigo internacional angolano de basquetebol, Paulo Madeira diz que só com o estreitamento de relações foi possível adoptar as políticas e estratégias da direcção cessante da FAB, para as zonas de desenvolvimento da modalidade.

O candidato da lista B ao pleito eleitoral da Federação que está marcado para o dia 22 deste mês, realçou o facto da direcção cessante da FAB ter mantido os níveis de rendimento das selecções nacionais. A justificar isso citou os quatro Afrobasket conquistados pelas selecções nacionais seniores, de ambos os géneros, campeonatos continentais de Sub-16 e 18, assim como os Jogos Africanos, respectivamente, em masculinos, no mandato que cessa.

“Obtivemos ainda várias medalhas de prata e bronze, participamos em três Campeonatos de Mundo, e os nossos clubes mantiveram-se campeões africanos nos últimos quatro anos, quer em masculino, quer em feminino”, justificou. Para esse efeito, destacou que a conquista de todos esses sucessos “foi possível graças ao trabalho desenvolvido no seio dos clubes”. “Fruto disto, estamos dispostos a prosseguir com as nossas acções, ser mais fortes e contar com a colaboração das APB, clubes e outros agentes da modalidade”, acrescentou o cabeça da lista B.

Para o aspirante à reeleição ao cadeirão principal da FAB, para o quadriénio 2016/2020, é importante criarem-se ferramentas para que o desenvolvimento aconteça na vertente de formação de técnicos, árbitros, dirigentes e outros agentes afins.

ACÇÃO DE FORMAÇÃO
No que concerne à formação, o líder da lista B concorrente à presidência da FAB assegurou a realização de uma acção conjunta com o Comité Olímpico Angolano (COA), para a capacitação de agentes ligados à modalidade da "bola ao cesto". A mesma acção, que se há-de efectivar se o elenco de Paulo Madeira for reconduzido à presidência da FAB, pode alistar  gestores desportivos e decorrer sob o patrocínio do COA, e do próprio Comité Olímpico Internacional.

CRENÇA
Presidente cessante está confiante na vitória

“Ninguém vai a um jogo para perder”. Foi com esse argumento que Paulo Madeira reagiu à uma das questões colocadas pela imprensa, no encontro que  manteve com os responsáveis da Associação Provincial de Basquetebol (APB) do Bié e associados. O candidato da lista B revelou-se confiante na reeleição ao órgão reitor do basquetebol, pois a grande estratégia do elenco que dirige passa pela continuidade do trabalho desenvolvido, que  assenta no desenvolvimento da modalidade.

“Vamos trabalhar numa proximidade muito forte com as Associações provinciais, com os clubes e todos os agentes. Julgamos ser também conveniente que se olhe para o basquetebol numa perspectiva de auto-sustentabilidade”, disse. Paulo Madeira é de opinião que se deve encorajar o sector privado, para manter uma parceria estratégica com o desporto e o basquetebol, em particular, sobretudo, nesse momento de crise,  como disse, “a união faz a força.

O candidato da lista B “ataca” estas eleições da FAB para o quadriénio 2016/2020 com um elenco, que tem na presidência da Mesa da Assembleia-Geral, Manuel Arnaldo de Sousa Calado, que rende Carlos Cunha, da direcção cessante. Manuel Calado passa a ter como coadjutores, na Mesa da Assembleia-Geral, a médica e antiga basquetebolista Adriana Stela de Almeida Sebastião, como vice-presidente, enquanto a Maria Gonçalves Martins Portugal está apontada para o cargo de secretária.

Na direcção, constam como vice-presidentes, Gina Maria de Carvalho, Eurico Paulo Tavares de Sousa Araújo, ex-líder da APB de Luanda, o ex-internacional David Bartolomeu Dias e Júlio Jonston Paiva, que esteve a frente da APB de Benguela. Nuno João Teixeira, Ngouaby Salvador, Fernanda de Jesus Teixeira e Paulo Rufino Eduardo “Príncipe, ex-líder da APB do Bié, são os vogais de Direcção.

A presidência do Conselho Fiscal do elenco de Paulo Madeira vai ser presidido pelo economista Adriano Silva, enquanto Ana Sofia Roque Garrido e Antónia Paula Martins Fabuana, são vogais. O Conselho Jurisdicional é presidido pela jurista Olinda Maria dos Santos França, tem como vogais, Henrique Carlos Borja Bastos, Altair Djelany Correia Marta, Ildebrando Inácio Pereira Teixeira e Mauro António Ferreira Marques, todos ex-atletas.

Amaro Regino Cruz Lourenço, piloto de profissão, vai presidir o Conselho de Disciplina, caso o elenco de Paulo Madeira venha a ser reeleito neste mês, apontados para vogais, Carlos Manuel dos Reis e Telmo Jacinto Pereira. Quanto ao Conselho de Arbitragem, a lista B deposita o voto no árbitro António Soares Campos, por sinal o mais internacional dos homens do apito em África, como presidente, ao passo que Domingos Simão e Horácio Macedo são  vogais.
SVD | CUITO

VOTAÇÂO
Bienos apostam
na continuidade

No pleito passado, a população votante do Bié apoiou a candidatura de Paulo Madeira na eleição à presidência da Federação Angolana de Basquetebol (FAB). É ponto assente que tal proeza venha a repetir-se para  2016/2020. A fazer fé nesse desiderato, estão as várias intervenções dos responsáveis da Associação e clubes no Bié. Paulo Rufino Eduardo “Príncipe”, ex-presidente da Associação Provincial de Basquetebol e integrante da lista B está convicto de que o elenco vai ser reconduzido à presidência da FAB.

“Pelos êxitos que Paulo Madeira obteve no mandato cessante, penso que pode ser reconduzido a um novo ciclo olímpico, em que esperamos consiga catapultar o basquetebol para os mais altos patamares”, disse. Adolfo Ukuassapi, director - geral do Sporting Clube Petróleos do Bié, apelou ao maior apoio à província por parte da FAB, caso a lista B seja reconduzida. O responsável do emblema leonino bieno ateve-se, ainda, na sua intervenção, ao aspecto da formação para agentes da modalidade de basquetebol.

Nesse particular, o líder da lista B reiterou o facto de que o Bié continue a ser um pilar importante para o que são os propósitos da Federação, daí a chamada para o seu elenco, caso venha a ser reeleito, de mais um membro da APF local. Paulo Madeira retorquiu sobre da formação, descreveu que o Bié falhou numa acção de Nível II, promovida pelo elenco cessante.

Júlio Jonston Paiva, aspirante a uma das vice -presidências pela lista B, focalizou-se ainda ao aspecto da formação, falou de uma explosão massiva em termos de desenvolvimento do basquetebol bieno, nos últimos anos. O integrante da lista B admitiu por outro lado, que no tocante ao basquetebol feminino há ainda um certo défice em termos de margem de progressão, e justificou que “o maior incentivo do atleta passa pelo próprio jogo”.

Fernando Chicapa e João Massoxi Honório, vice presidente da APB do Bié e presidente do Sporting de Catabola, apelaram ao apoio aos associados locais, à aposta do elenco aspirante à reeleição à presidência da FAB, no capítulo de infra-estruturas. Paulo Madeira reconheceu que o Bié dispõe de um pavilhão para as modalidades de salão, por sinal, pertença do Sporting Clube Petróleos, enfrenta um défice grande nesse domínio.

“Essa infra-estrutura é um verdadeiro ‘messias’ para toda a gama de competições de basquetebol que tenha lugar no Bié”, disse a sentenciar o jurista de 47 anos que corre para um segundo mandato à presidência da FAB. O Bié conta a par de Benguela, Huíla e Luanda, com uma das Associações Provinciais com direito a voto e que nas eleições passadas apoiaram Paulo Macedo. No Bié, têm direito a voto, o Sporting, Benfica do Cunje, Clube Recreativo da Jasck do Cuito, Sport Andulo e Benfica e Sporting Clube de Catabola.
SÉRGIO VIERIA DIAS