Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Militares comandam

Melo Clemente - 01 de Junho, 2016

Libolenses recebem esta quinta-feira no Pavilhão do Dream Space os militares na terceira partida do play-off da final

Fotografia: José Cola

Sem o base norte-americano, Cedrick Ison, que foi obrigado a abandonar a quadra nos minutos inicias da partida, por conta de uma lesão no tornozelo, o 1º de Agosto voltou a derrotar ontem, no Pavilhão Victorino Cunha, a similar do Recreativo do Libolo, por 82-70, na segunda partida do play-off da final da 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino (BIC Basket), a melhor de sete. Com este triunfo, a equipa do Rio Seco vence a eliminatória por 2-0 e desloca-se esta quinta-feira ao Pavilhão do Dream Space, em Viana, para a terceira partida da final.

Tal como se esperava, a partida começou bastante intensa, com o jovem Islando Manuel a arrancar um afundanço logo no primeiro minuto do quarto inicial, tirando da bancada fortes aplausos. Com um defesa pressionante e um ataque eficiente, a formação do Recreativo do Libolo assumiu a liderança do marcador, com um lançamento a longa distância do internacional angolano, Roberto Fortes.

Ante a apatia da formação militar, os libolenses conseguiram fazer um parcial de 5-0 e quando restavam nove minutos e 16 segundos para o termo do quarto inicial a equipa forasteira vencia 8-2. A reacção militar não se fez esperar, tendo conseguido a igualdade a 12 pontos, a cinco minuto e 23 segundos. Nesta etapa registaram-se duas igualdades ( 12-12, 14-14), facto que atesta perfeitamente o equilíbrio que houve.

Ainda assim, os libolenses que perderam a primeira partida, por expressivos 113-83, terminaram com uma vantagem curta de um ponto (17-18). Os militares, que perseguem o décimo oitavo anel, entraram melhor no segundo período, ao contrário do Recreativo do Libolo, que cometia inúmeros erros, fundamentalmente, no capítulo defensivo. As duas equipas acabaram por baixar de intensidade, tendo a qualidade decaído a meio do segundo período. Quando restavam quatro minutos e 18 segundos, as duas agremiações tinham anotado apenas 10 pontos cada (27-28).

O francês Tarqui Kirksay com os seus lançamentos dos nove metros, era o mais inconformado na equipa visitada, que foi para o intervalo maior com uma desvantagem de quatro pontos (36-40). O extremo poste contabilizava até então 13 pontos. Os libolenses fizeram um parcial de 22-19. Carlos Morais, tetra campeão africano, destaca-se no Libolo, tendo terminado os primeiros 24 minutos, com 14 pontos, contra oito do seu companheiro de equipa, Olímpio Cipriano, que conta igualmente com quatro Afrobasket´s conquistados ao serviço da Selecção Nacional.

Com o extremo poste Tariq Kirksay a comandar as acções ofensivas, quer na organização do jogo, quer nas assistências, isto no terceiro período, o Clube Central das Forças Armadas Angolanas conseguiu um parcial de 18-14, o que perfez  uma igualdade a 54 pontos. O trio de arbitragem constituído por Rubem Ndungula, Gerson Calufefe e Claúdio Anderson claudicou em algumas etapas do desafio, fruto da pressão que sofriam dos jogadores das duas equipas.

Armando Costa, que depois foi chamado a conduzir as acções ofensivas da equipa caseira, tratou de colocar a sua equipa a vencer por uma margem de dez pontos (64-54), quando restavam nove minutos e 16 segundos para o termo da partida.Os militares experimentaram algumas dificuldades na ponta, mas a determinação dos seus jogadores mais experientes e, sobretudo, a solidez defensiva contribuíram para o  segundo triunfo consecutivo da equipa rubro que caminha rumo à conquista do décimo oitavo título.

Carlos Morais, com 24 pontos, foi o cestinha da partida, seguido pelo Tariq Kirksay, do 1º de Agosto, com 17 pontos. Tariq Kirksay e Edson Ndoniema foram os reis dos ressaltos, ambos com oito ressaltos cada. As duas equipas tiveram percentagens muito baixas nos lançamentos a longa distância. Os militares dos 34 que tentou converteu apenas nove, o que representa 26 por cento, contra 19 por cento do Libolo, que dos 27 que tentou converteu apenas cinco. 

FICHA TÉCNICA
Pavilhão Victorino Cunha
Comissário: José Mateus
Arbitragem: Gerson Calufele, Ruben Ndungula e Cláudio Anderson
1º DE AGOSTO: Francisco Sousa (4), Edson Ndoniema (7), Armando Costa (12 ), Jorge Taty (0 ), Felizardo Ambrósio “Miller” (14), Joaquim Gomes “Kikas” (0), Mutu Fonseca ( 7), Cedrick Ison (0 ), Tarcio Domingos (0 ), Hermenegildo Santos (13 ), Islando Manuel (8), Tariq Kirksay (17).
Treinador: Ricard Casas
 
LIBOLO: Olímpio Cipriano (8), Jonathan Wallace (0), Carlos Morais (24), Roberto Fortes (3), Wladimir Pontes (0), Braúlio Morais (0), Roderick Nealy (7), Valdelício Joaquim (10), Zola Paulo (0 ), Eduardo Mingas (12), Benvindo Quimbamba (0), Milton Barros (6).
Treinador: Norberto Alves
Marcha do marcador: 17-18, 36-40, 54-54, 82-70

DECLARAÇÕES
Ricard Casas(1º de Agosto)
“Foi uma partida difícil”

Apesar do triunfo, por 82-70, o técnico principal do 1º de Agosto, Ricard Casas, afirmou no final da partida que foi uma vitória bastante difícil, tendo reconhecido por outro lado, que a sua equipa vai ganhando confiança passo a passo. “Foi uma partida extremamente difícil, aliás, o Recreativo do Libolo tem nos causado sérios problemas nesta época, mas, felizmente, na partida decisória da prova, estamos melhor. Vamos continuar a trabalhar, porque a vantagem de 2-0 é facilmente recuperável”, alertou o espanhol ao serviço do Clube Central das Forças Armadas Angolanas.
 
Norberto Alves (Libolo)
 “Vamos lutar até ao fim”

 Visivelmente agastado com a segunda derrota da sua equipa, Norberto Alves, técnico português ao serviço do grémio de Calulo, reconheceu no final da partida a superioridade do seu adversário. “Entramos bem na partida, mas no decorrer da partida, fomos cometendo alguns erros e o nosso adversário acabou por nos surpreender. Vamos trabalhar para invertermos a desvantagem que temos na eliminatória”.