Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Mundial afectado com desfalques e v Estados Unidos ameaados

31 de Agosto, 2019

Nicolas Batum, Evan Fournier, Frank Ntilikina e Nando De Colo.

O mercado agitado de transferências da NBA está a influenciar directamente a disputa do Mundial. Sem grande favorito ao título, por conta do desmanche do Golden State Warriors, alguns dos principais nomes da modalidade pediram dispensa para treinar com os novos companheiros e  prepararem-se para a temporada 2019/2020 e vão desfalcar as suas seleções na competição.
Os Estados Unidos vão sentir mais. Estrelas como Stephen Curry e LeBron James avisaram com antecedência que não iam estar no Mundial. Mas, com o passar dos dias, vários atletas da pré-lista de 35 nomes para o ciclo Tóquio-2020 abriram mão do torneio.
Draymond Green, Kawhi Leonard, Russell Westbrook, Paul George, Damian Lillard e DeMar DeRozan foram alguns dos astros que abdicaram da convocação. Até mesmo os menos badalados Julius Randle e Landry Shamet declinaram a participação. Sobraram como principais nomes, Donovan Mitchell (Utah Jazz) e a dupla do Boston Celtics Jayson Tatum e Kemba Walker.
Mesmo sem estrelas, o treinador Gregg Popovich não deve aliviar os seus comandados, na sua primeira competição oficial pelos Estados Unidos. Conhecido pelo seu temperamento forte, o cinco vezes campeão da NBA com o San Antonio Spurs era o auxiliar de Mike Krzyzewski, tricampeão olímpico (2008, 2012 e 2016) e bi Mundial em 2010 e 2014.
Uma das primeiras medidas de Popovich, na selecção, foi acabar com o uso de celulares durante os jantares. “Sabemos que no desporto, quando as pessoas se importam com as outras, se amam e sentem empatia, as coisas funcionam melhor. Não nos conhecemos na selecção, como nos clubes, é um processo lento, mas tentamos  familiarizar -nos a cada dia. Vamos para o jantar sem celular e as pessoas realmente conversam, fazem perguntas sobre como cada um cresceu, esse tipo de coisas”, disse.
Nem mesmo a Austrália, rival que durante a fase de preparação derrotou os Estados Unidos, por 98-94 e tirou uma invencibilidade de 13 anos (66 jogos) da equipa norte-americana, vai ter o seu principal astro. Ben Simmons (Philadelphia 76ers) foi outro que optou por focar na NBA.
“Era melhor usar o tempo em Setembro,  para voltar para a Filadélfia, para me familiarizar com meus novos companheiros de equipa e preparar-me para a próxima temporada da NBA”, disse o jogador em comunicado.
A selecção do Canadá é outra, que sofre com desfalques. Poucos dias após acertar uma renovação de contrato no valor de Usd 170 milhões com o Denver Nuggets, Jamal Murray sofreu uma lesão no tornozelo e foi afastado.
 Além dele, outros seis atletas da NBA também são baixas para o técnico Nick Nurse, actual campeão da NBA com o Toronto Raptors: Tristan Thompson (Cleveland Cavaliers), Shai Gilgeous-Alexander (Oklahoma City Thunder), Brandon Clarke (Memphis Grizzlies), Dwight Powell (Dallas Mavericks) e Andrew Wiggins (Minnesota Timberwolves).
ASTROS PARA ACOMPANHAR  – Logo na fase de grupos, a selecção brasileira vai ter pela frente uma das maiores estrelas do Mundial, o grego Giannis Antetokounmpo. Eleito melhor jogador da última temporada da NBA, o extremo do Milwaukee Bucks está acompanhado do seu irmão, Thanasis. O membro mais novo da família, Kostas, também estava na relação para o torneio, mas acabou afastado.
Liderando a lista de favoritos ao título, a Sérvia conta com duas grandes estrelas. Nikola Jokic, poste do Denver Nuggets conhecido por sua capacidade de também conseguir armar jogadas, e o carrasco brasileiro na Olimpíada da 2016, Bogdan Bogdanovic, do Sacramento Kings. O base Milos Teodosic, ex-Los Angeles Clippers, foi afastado por lesão.
Mesmo sem Serge Ibaka, Sérgio Rodríguez, Nikola Mirotic e o lesionado Pau Gasol, a Espanha também chega forte para a disputa com os velhos conhecidos Ricky Rubio, Sergio Llull e Marc Gasol.
Outra selecção, que tem grande potencial para causar dores de cabeça,  é a de França e seu quinteto liderado por Rudy Gobert. O poste do Utah Jazz é um dos principais defensores da liga norte-americana e pode ser um diferencial para a equipa que também conta com nomes como Nicolas Batum, Evan Fournier, Frank Ntilikina e Nando De Colo.