Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Paulo Madeira faz apelo à aposta no sector feminino

Gaud?ncio Hamelay, no Lubango - 07 de Janeiro, 2017

Líder da Federação quer mais trabalho no escalão feminino no país

Fotografia: Arimatéia Baptista

O presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), Paulo Madeira, apelou no Lubango aos clubes a terem motivação para trabalhar com o basquetebol feminino, para aumentar a base competitiva da modalidade e o que são as aspirações do país a nível internacional.

Paulo Madeira falava na quinta-feira à noite, à imprensa, no final da reunião técnica com os clubes participantes nos nacionais da bola ao cesto em sub-16, em ambos os sexos, que decorrem na capital huilana desde ontem, até o próximo dia 13 do corrente, com a participação de dez equipas masculinas e seis femininas.

 O dirigente federativo reconheceu que em relação ao número de equipas masculinas esperava-se por mais duas, enquanto para o sector feminino, a cifra não é de todo satisfatória.

 “Não é satisfatório, embora fosse esperado porque  sabemos que neste momento temos muito poucas equipas a trabalhar com o basquetebol feminino. E, o que estamos a fazer é no sentido de lançar um apelo aos clubes, para que se sintam também motivados a trabalhar com o basquetebol feminino”, justificou.

 Por essa razão, Paulo Madeira aproveitou a ocasião para apelar aos clubes, principalmente aqueles que já têm o basquetebol instalado, no masculino, para que se sintam também motivados a trabalhar com o sector feminino.

 Defendeu que isto pode aumentar a base competitiva do nosso basquetebol, e aquilo que são as aspirações da Federação à nível internacional.
 Afirmou que ao longo da reunião técnica com os clubes participantes, foram apresentadas algumas preocupações e solicitações de apoio de índole logística, na solução desta ou aquela situação administrativa, que podem ter resposta administrativa por parte da FAB e do comité organizador local.

 Trata-se mormente dos clubes, Petro de Luanda, Petro do Huambo, Sporting Clube de Benguela, Heja Sports do Lubango, 1º de Maio de Benguela, Inter de Luanda, Inter de Benguela, Benfica do Lubango, CFD Kwanza de Luanda, 1º de Agosto, Recreativo do Libolo, Progresso do Sambizanga, Clube Desportivo da Huíla, Formigas de Luanda.

  “Por isso, acho que a competição vai acontecer com certeza sem sobressaltos”, assegurou Paulo Madeira.

 O presidente da Federação Angolana de Basquetebol, confirmou que os nacionais em sub-16,  masculino e feminino, iniciados ontem, na cidade do Lubango, decorrem em simultâneo com as categorias de sub 14, em Luanda.

 Fundamentou que infelizmente não foi possível à Federação realizar o campeonato em sub 14, no mês de Dezembro de 2016, devido aos VII Jogos da SADC que o país organizou.

 Por esta razão, explicou Paulo Madeira “tivemos de adiar. Daí, estarmos hoje a fazer em simultâneo com os sub-16 na Huíla e os sub-14, em Luanda, esta última  não recebia provas de formação há cerca de 10 anos. E, estamos todos satisfeitos, por isso”, disse.


ADULTERAÇÃO DE IDADES
FAB implementa testes de ressonância magnética 


O comité organizador dos nacionais de basquetebol, em ambos os sexos, relativamente aos campeonatos em várias categorias que vão decorrer na cidade do Lubango, de 6 a 13 do corrente, vai submeter os atletas a testes de ressonância magnética para a comprovação da idade biológica, no caso de situação de suspensão para combater a adulteração de idade.

O alerta é do presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), Paulo Madeira que sublinhou que o teste serve para desencorajar os clubes a falsear aquilo que é a condição dos atletas, com vista os objectivos desportivos.

Explicou que a Federação Angolana de Basquetebol trabalha desde  2014, no sentido de introduzir em caso de suspensão, os testes de ressonância magnética para a comprovação da idade biológica dos atletas.

Disse que a realização dos testes de ressonância magnética é hoje uma exigência internacional. “E nós, temos de passar essa exigência para as nossas competições de formação, para prevenir a possibilidade depois de termos atletas nas nossas selecções nacionais de formação que não tenham as idades correctas. Isto, serve também para prevenir o que seria o resultado desportivo que não espelhasse de facto a verdade desportiva e a qualidade efectiva dos atletas nesta idade”, sustentou.

Por outro lado, acrescentou que serve para desencorajar os clubes que falseiam a condição dos atletas, para os seus objectivos desportivos.

“Mas acredito que os clubes, já estão consciente disso, por ser um trabalho que tem vindo a ser feito já há algum tempo, e esperamos que nesta prova, não venha ter qualquer incidente”, confirmou.

 Informou que a Federação está a trabalhar com a direcção Provincial da Saúde da Huíla e o governo local, para a nível do hospital central Dr. António Agostinho Neto, ser possível fazer os exames nas situações em que a comissão organizadora identifique ou haja uma situação de suspensão. “Se fizermos os exames, se não houver nenhuma situação de suspensão, que ninguém será submetido ao exame”, garantiu.


NO LUBANGO
ASA e 1º de Agosto
ausentes da  competição


As formações do ASA, campeão em título, e do 1º de Agosto, finalista derrotado, estão ausentes da 29ª edição do campeonato nacional de basquetebol de sub-16, em masculinos, que arrancou ontem, no Lubango.

O Asa, que teria a missão de defender o título, não efectuou as inscrições junto da federação angolana de basquetebol, enquanto que a equipa militar do Rio Seco está de fora por razão desconhecidas.

As equipas presentes são da Huíla, Luanda, Benguela, Huambo, Cuanza Norte e Sul, como Petro do Huambo, 1º de Maio e Sporting de Benguela, Heja Sport Clube e Desportivo da Huíla, Progresso, Interclube e Petro, todas de Luanda, Recreativo do Libolo, e Desportivo do Cuanza Norte.

Os jogos são realizados nos pavilhões Nossa Senhora do Monte e do Benfica do Lubango.

Em femininos o Inter de Benguela é campeã em título.