Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pavilho do Interclube est degradado

Juscelino da Silva - 22 de Julho, 2019

A ttulo de exemplo so as borrachas volta das tabelas. Esto amarradas com cordas.

Fotografia: Dr

Os placard e as tabelas do pavilhão 28 de Fevereiro, afecto ao Grupo Desportivo Interclube, aguardam por reparações, depois dos transtornos causados aos atletas e às equipas técnicas durante a época basquetebolística passada. A menos de mês e meio para a abertura da nova temporada, os jogadores queixam-se todos os dias da qualidade dos aros durante os treinos.
As tabelas e os aros não oferecem as condições para a prática de basquetebol. Um dos placard electrónico não funciona há mais de seis meses, o que cria constrangimentos aos utentes.
A gravidade das condições técnicas estende-se à acomodação. Alguns assentos estão vencidos pelo tempo e apresentam madeiras partidas. O divórcio do público com aquele recinto está acrescido com a grande quantidade de lixo debaixo dos assentos. A limpeza parece que deixou de marcar a presença.
Nos dias correntes, duas selecções nacionais, mormente a sénior e a Sub-16, ambas femininas,  a equipa sénior masculina do Interclube e outras de escalões de formação trabalham no pavilhão 28 de Fevereiro.
Em busca de esclarecimento sobre a degradação do recinto, o vice-presidente para o basquetebol do clube da Polícia Nacional, Miguel António Camulogi, disse ao Jornal dos Desportos que \"a direcção tem conhecimento da situação e nos próximos dias vai saná-la\".
Em véspera do arranque de mais uma época, contactámos a Federação Angolana de Basquetebol (FAB) para esclarecimentos sobre as anuências atribuídas aos pavilhões. O Secretário-Geral da FAB, Nelson Sardinha, garantiu que as inspecções são feitas com regularidade antes do arranque de cada época, mas há um senão na cidade de Luanda: a falta de campos e pavilhões para a prática da modalidade.
\"Por norma, a Federação Angolana de Basquetebol inspecciona os pavilhões todos os anos antes da prova maior. Infelizmente, estamos condicionados. Há poucos campos disponíveis. As nossas selecções treinam em recintos inapropriados, mas não há outros. As condições do pavilhão do Interclube é um assunto interno. O campo é propriedade daquele clube e os dirigentes devem fazer mais por ele. Garanto que vamos inspeccioná-lo antes de começar o campeonato nacional\", prometeu Sardinha.
Antes do arranque da época passada, o treinador do ASA, Carlos Dinis, havia lamentado sobre as condições do pavilhão 28 de Fevereiro. O timoneiro havia sugerido a suspensão da autorização do recinto por constituir perigo à integridade física dos atletas e do corpo técnico.
Um dos treinadores, que trabalha no pavilhão 28 de Fevereiro, sugere que \"é primordial a reparação do placard electrónico e as substituições das tabelas e das armações para dar dignidade ao trabalho das equipas\". A título de exemplo são as borrachas à volta das tabelas. Estão amarradas com cordas.