Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petro canta na final

Melo Clemente - 11 de Maio, 2017

Jogo colectivo do Atlético Petróleos de Luanda ofuscou as estrelas do Clube Central das Forças Armadas Angolanas

Fotografia: M.Machangongo|Edições Novembro

A formação do Atlético Petróleos de Luanda recebeu e venceu ontem, no Pavilhão Principal da Cidadela, o arqui-rival, 1º de Agosto, por 95-86, na quarta partida do play-off das meias-finais da 39ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, vulgo BIC Basket, a melhor de cinco.

Com este triunfo, a equipa do Eixo-viário qualificou-se para a final da edição 39 do BIC Basket e, consequentemente, alcançou a tão almejada desforra da temporada passada. A eliminatória ficou em 3-1, à da turma petrolífera. O Petro defronta o Recreativo do Libolo na final,a melhor de sete.

Moralizados com a vantagem que traziam da eliminatória (1-2), os petrolíferos da capital entraram melhor na partida, fruto do maior rigor evidenciado na defesa, aliado a um ataque eficiente, onde eram privilegiados os lançamentos à longa distância.

O primeiro período foi inteiramente dominado pela equipa caseira, que marcou 31 pontos, contra 24 do Clube Central das Forças Armadas Angolanas.
O internacional angolano, Domingos Bonifácio, destacava-se nos lançamentos à longa distância por banda da equipa do Eixo-viário, sempre auxiliado por Pedro Bastos.

Tal como no quarto inicial, os petrolíferos da capital voltaram a entrar melhor no segundo período, ao contrário da equipa militar que se mostrava bastante insegura nas suas transições defesa ataque.

Depois do pedido de desconto de tempo solicitado pelo técnico espanhol, Ricard Casas, os actuais campeões nacionais em título conseguiram travar o ímpeto ofensivo da turma tricolor. A partir do minuto seis os militares tomaram o comando das operações, com uma defesa pressionante, facto que obrigou a equipa caseira a cometer inúmeros erros.

Face ao domínio exercido, os militares venceram no parcial, por 21-13, o que perfez 44-45, a favor do Clube Central das Forças Armadas Angolanas.
O base do Atlético Petróleos de Luanda, Domingos Bonifácio, com 11 pontos, destacava-se entre os demais, ao passo que do lado militar Hermenegildo Santos e Felizardo Ambrósio "Miller", eram os mais inconformados, com sete pontos cada.

A vencer por um ponto de diferença, a equipa militar entrou de modo avassalador e, quando restavam nove minutos para o fim do terceiro período, a equipa visitante vencia já por uma margem "confortável" de dez pontos (47-57).

Os petrolíferos da capital reagiram na ponta final deste quarto, tendo reduzido a vantagem militar em apenas três pontos de diferenças (67-70).
Para não variar, os pupilos de Ricard Casas venceram no parcial, por 25-23.

No derradeiro quarto, o árbitro internacional, Osvaldo Neto quase que manchava o espectáculo, com decisões precipitadas. Mas, foram os petrolíferos da capital que superiorizaram-se, ante um 1º de Agosto que dependia sistematicamente de Emanuel Quezada. A equipa tricolor venceu no parcial, por 28-16, fixando o resultado final em 95-86.

Islando Manuel, extremo base do 1º de Agosto, com 21 pontos marcados, foi o cestinha da partida, contra 20 do jovem Pedro Bastos, do Petro.
Hermenegildo Mbunga e Gerson Gonçalves "Lukeny", com dez ressaltos cada, foram os reis dos ressaltos. Eis os resultados registados nas meias-finais  (101-93, 94-92, 89-82 e 95-86).

FICHA TÉCNICA
Pavilhão: Principal

Comissário: Domingos Simão
Arbitragem: Osvaldo Neto, Mbunga Padro e António Bernardo
Petro: Childe Dundão (6), Pedro Bastos (20), Erikson Silva ( 1), Zola Paulo (0), Jossue Ebondo (0), Teotónio Dó (3), Leonel Paulo (11), Domingos Bonifácio (15), Hermenegildo Mbunga (16  ), Joaquim Pedro (0), Gerson Gonçalves "Lukeny" (16), Reggie Moore (7).
Treinador: Lazare Adingono

1º de Agosto: Edson Ndoniema (9), Armando Costa ( 0), Johne Pedro ( 4 ), Vlademir Ricardino (1  ), Felizardo Ambrósio "Miller" (15), Joaquim Gomes "Kikas" (0), Mutu Fonseca (8), Emanuel Quezada ( 11), Tarcio Domingos (0), Hermenegildo Santos (9), Islando Manuel (21), Mohamed Malick Cissé (8).
Treinador: Ricard Casas

Marcha do marcador:
31-24, 44-45, 67-70, 95-86

TAÇA DE ANGOLA
Extremo Fidel Cabita pode falhar a final


O internacional angolano, Fidel Cabita, extremo do Grupo Desportivo Interclube, poderá falhar amanhã, sexta-feira, a final da 33ª edição da Taça de Angola de basquetebol em seniores masculinos, diante do Recreativo do Libolo, partida marcada para o Pavilhão Arena do Kilamba.

Depois de regressar da África do Sul, onde foi reavaliado, o internacional angolano continua a ser acompanhado pelo departamento médico da formação adstrita a Polícia Nacional.

O extremo de 23 anos de idade, dois metros e seis centímetros de altura, havia contraído uma lesão num dos tornozelo, aquando da disputa dos quartos-de-final da 39ª edição do Campeonato Nacional da "bola ao cesto".

Em face disso, o internacional angolano tinha seguido viagem para as terras de Nelson Mandela, onde foi  reavaliado, tendo o médico evitado a intervenção cirúrgica do jovem Fidel Cabita.Apesar de ter regressado ao país, o extremo poste continua sob olhar atendo do departamento médico do Interclube, devendo falhar o embate diante do Recreativo do Libolo para a final da Taça de Angola.

MARINHA E ASA
LUTAM PELO QUINTO

As formações do Clube Desportivo Marinha de Guerra e ASA defrontam-se a partir de sábado, para as classificativas do quinto e sexto lugares da 39ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, a melhor de três.

Os aviadores eliminaram os sambilas, por 2-0, ao passo que a Marinha de Guerra ultrapassou a formação do Futebol Clube Vila Clotilde, por 2-1. Progresso e Vila vão agora discutir o sétimo e oitavo lugares, respectivamente.
M.C