Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petro cria vantagem sobre o 1º de Agosto

Melo Clemente - 20 de Maio, 2016

Emanuel Quezada voltou a evidencia-se ontem frente ao 1º de Agosto ao anotar 30 pontos

Fotografia: Jornal dos Desportos

A formação do Atlético Petróleos de Luanda deu um passo importante, rumo ao apuramento à fase final da 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino (BIC Basket), ao derrotar ontem, no Pavilhão Victorino Cunha, o 1º de Agosto, por 86-96, na terceira partida do play-off das meias-finais da aludida competição, quando ao intervalo conservava já uma vantagem confortável de 16 pontos (36-52).

 Depois de estar a perder, por 0-3, nos minutos inicias do primeiro período, a formação militar conseguiu assumir a liderança do marcador (5-3), quando restavam nove minutos e 52 segundos.

Dado o rigor defensivo evidenciado pela equipa forasteira, os militares foram obrigados a jogar distante da área restritiva, onde eram privilegiados os lançamentos a longa distância. Tariq Kirksay, Hermenegildo Santos e Armando Costa eram os principais protagonistas.

 A vencer por 18-9, a cinco minutos e 47 segundos para termo do quarto inicial, a equipa rubro e negra permitiu a recuperação do seu adversário (18-17), que soube explorar convenientemente os ataques perdidos pela formação caseira.

 Ainda assim, a equipa do Rio Seco que procura o título perdido a época transacta, curiosamente, para o arqui-rival, Atlético Petróleos de Luanda, terminou em vantagem no marcador (24-22).

Nesta etapa, os pupilos de Ricard Casas conseguiram converter cinco triplos, contra apenas dois dos comandados de Lazare Adingono,
 A equipa caseira entrou melhor no segundo quarto e depois de estar a ganhar por 30-22, foi surpreendido com a pronta reação do Atlético Petróleos de Luanda, que em menos de oito minutos conseguiu marcar 20 pontos, contra seis  do seu opositor (30-42).

Casas foi obrigado a solicitar um time out (desconto de tempo) para serenar os ânimos dos seus pupilos, que estavam completamente desencontrados.

 Com Felizardo Ambrósio “Miller” de fora, o jogo interior dos militares deixou de existir e perante a ineficácia nos lançamentos a longa distância, a formação caseira não conseguia violar a cesta alheia.

 O segundo período foi verdadeiramente dominado pelos petrolíferos da capital, ao conseguirem um parcial de 30-12, o que perfez 36-52, ao cabo dos primeiros 24 minutos.

Já com Felizardo Ambrósio “Miller” na quadra, a entrada do terceiro período, o jogo interior da equipa visitada melhorou significativamente.  O domínio militar durou apenas dois minutos, uma vez que Petro voltou a assumir as rédeas da partida, para o desalento da claque militar.

 A vencer por 21 pontos de diferença (44-65), os militares conseguiram reduzir para 12 pontos (55-67), quando restavam quatro minutos e 55 segundos para o termo do terceiro período.

 Joaquim Gomes “Kikas” e Felizardo Ambrósio “Miller” acabaram por ser os principais responsáveis da recuperação militar, que conseguiu um parcial de 32-20, fixando o resultado ao fim desde quarto em apenas quatro pontos de diferença (68-72).

 Com Emanuel Quezada endiabrado, o Petro numa ápice alargou para 18 pontos de diferença (72-90), ante a passividade da defesa contrária. A equipa do Eixo-viário limitou-se a gerir o resultado até ao apito final.

 Quezada, com 30 pontos foi o cestinha da partida, ao passo que do lado militar Tariq Kirksay destacou-se com 21 pontos.

 A equipa petrolífera dominou em todos os itens, dois, três pontos e nos lançamentos livres.  Nos lançamentos a curta distância o Petro conseguiu 53 por cento, contra 38 da turma rubro e negra. Já nos triplos a equipa visitante superiorizou-se, com 45 por cento, contra 29 por cento dos militares.

 O trio de arbitragem constituído por Ruben Ndungula (nacional de primeira), Claúdio Anderson e Mendonça Manuel, ambos nacional de segunda, com um ou outro erro, não teve influência no resultado final.

 As duas equipas voltam a jogar amanhã, novamente, no Pavilhão Victorino Cunha, a partir das 19h00. Em caso de vitória da formação militar, a decisão passa para o Pavilhão Principal da Cidadela.


FICHA TÉCNICA
Pavilhão:   Vitorino Cunha
Comissário: David Dias
Arbitragem: Ruben Ndungula, Claúdio Anderson e Mendonça Manuel

1º de Agosto: Francisco Sousa ( 0), Edson Ndoniema (7 ), Armando Costa ( 13), Jorge Taty ( 0), Felizardo Ambrósio “Miller” ( 10), Joaquim Gomes “Kikas” ( 5), Mutu Fonseca (0 ), Cedrick Ison ( 15), Tarcio Domingos ( 0), Hermenegildo Santos (10 ), Islando Manuel ( 5), Tariq Kirksay ( 21).
Treinador: Ricard Casas
Petro:  Pedro Bastos (1 ), Delcio Ucuahamba ( 0), Reggie Moore (23 ), Paulo Santana ( 0), Teotónio Dó (1 ), Emanuel Quezada (30 ), Leonel Paulo ( 20), Domingos Bonifácio (6 ), Hermenegildo Mbunga ( 0), Joaquim Pedro ( 0),Gerson Gonçalves ( 9), Jaso Cain ( 6).
Treinador: Lazare Adingono
Marcha do marcador:
24-22, 36-52, 68-72, 86-96