Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petro e 1º de Agosto em busca da final

Melo Clemente - 14 de Maio, 2016

As duas agremiações já se defrontaram por quatro ocasiões no BIC Basket tendo cada uma vencido duas partidas

Fotografia: AFP

As formações do Atlético Petróleos de Luanda e do 1º de Agosto defrontam-se hoje a partir das 18h00, no Pavilhão Principal da Cidadela Desportiva, na primeira partida dos play-off das meias-finais da 38ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculino, vulgo BIC Basket, a melhor de cinco encontros.

Moralizado com a excelente campanha realizada durante a fase de Qualificação, onde mostrou a sua superioridade, ao somar quatro triunfos em igual número de partidas, a equipa tricolor, actual campeã nacional e africana, vai procurar começar com vitória a luta pelo passe de acesso à final da 38ª edição do BIC Basket.

Com a excepção do posto Teotónio Dó, que se encontra sobre cuidados médicos, por conta de uma lesão, Lazare Adingono, camaronês ao serviço dos petrolíferos da capital, vai contar para o desafio desta noite diante do arqui-rival, 1º de Agosto, com as suas principais unidades.

Durante a semana, Lazare Adingono incidiu mais os seus trabalhos no aprimoramento dos aspectos técnicos tácticos, sem descurar as transacções rápidas defesa ataque, onde normalmente é privilegiada a circulação da bola em todas as áreas de jogo.

O técnico camaronês alertou os seus pupilos sobre a necessidade de se entrar com os índices de concentração em alta, por formas a não serem surpreendidos pelos militares, que apesar de terem realizado uma paupérrima fase de Qualificação, podem eventualmente aparecer em grande nesta fase da competição.

A actuação da sua rapaziada, fundamentalmente, durante a fase de Qualificação, aumentou a confiança da equipa técnica que procura o segundo anel doméstico consecutivo, depois de arrebatar o ceptro na época desportiva 2014/2015.

Apesar de se valer por um conjunto, na formação do Atlético Petróleos de Luanda tem sido o quinteto constituído por Emanuel Quezada, Jason Cain, Reggie Moore, Domingos Bonifácio e o jovem Gerson Gonçalves, este último medalha de ouro dos XI Jogos Africanos de Brazzaville a fazer toda a diferença, sem desprimor  pelos demais jogadores.

O internacional angolano, Reggie Moore, que cumpre o seu primeiro ano de contrato com a equipa tricolor, depois de ter deixado o Clube Central das Forças Armadas Angolanas, tem sido fundamental quer no jogo interior, quer no jogo exterior dos petrolíferos da capital.

Lazare Adingono vai seguramente apostar no seu habitual cinco, onde se ressalta a presença de dois bases, designadamente, Emanuel Quezada e Domingos Bonifácio. A estes juntar-se-ão Reggie Moore, Jaso Cain e Gerson Gonçalves.

As duas equipas já se defrontaram por quatro ocasiões no BIC Basket, tendo se registado duas vitórias para cada equipa. Na fase regular, os militares venceram a tangente os petrolíferos, por 83-82, isto na primeira volta, ao passo que na segunda volta os tricolores vencerem, por 85-75. Na fase de grupos, os pupilos de Ricard Casas venceram de forma folgada, por expressivos 97-77, enquanto na fase de Qualificação a vitória sorriu para a equipa do Eixo-viário, por 94-87.

Entretanto, com Johne Pedro, poste, e Mohamed Malick Cissé, extremo, ainda em dúvida, já que ambos recuperam satisfatoriamente das mazelas que os apoquentavam, a equipa militar que tem a testa o técnico espanhol, Ricard Casas, vai apresentar-se na partida de logo mais com o único propósito de apagar a pálida imagem deixada na fase de Qualificação, onde não foi para além do quarto lugar.

Casas aproveitou os dias que antecederam o arranque dos play-off das meias-finais da 38ª edição do BIC Basket para efectuar correcções, quer dos aspectos defensivos, quer dos aspectos ofensivos.

O técnico espanhol, que foi contratado pela direcção do 1º de Agosto para resgatar a mística do clube, promete uma equipa completamente transfigurada nesta etapa da competição, onde a margem de erro é quase que diminuta, sob pena de ficar arredada da final da edição 38ª do BIC Basket.

À semelhança do que tem acontecido na presente época, o jovem Hermenegildo Santos, que tem feito uma temporada sensacional, será chamado uma vez mais a conduzir as acções ofensivas da equipa rubro e negra, em detrimento do experiente base Armando Costa, tetra campeão africano.
Edson Ndoniema a par de Islando Manuel é outra das unidades que tem estado em grande destaque no plantel rubro e negro. Joaquim Gomes “Kikas”, Felizardo Ambrósio vão assumir o jogo interior dos militares.

O extremo base norte-americano, Cedrick Ison, pode igualmente reaparecer neta ponta final da prova, depois de ter passado praticamente ao lado das fases anteriores, à semelhança de Francisco Sousa, base, e Jorge Taty, extremo.

Os amantes da “bola ao cesto” vão seguramente acorrer em massa logo mais ao Pavilhão Principal da Cidadela, a fim de testemunhar o embate entre duas das melhores equipas do país e do continente africano.