Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Petrolíferos superam libolenses no Dream Space

Melo Clemente - 11 de Maio, 2016

Pupilos de Lazare Adingono terminaram a fase de Qualificação de forma invicta

Fotografia: kindala Manuel

Numa noite de grande inspiração do base norte-americano Emanuel Quezada, que anotou 26 pontos, a formação do Atlético Petróleos de Luanda conseguiu a sua primeira vitória sobre o Recreativo do Libolo, no BIC Basket'2016, ao derrotá-lo ontem, em pleno Pavilhão do Dram Space, em Viana, por 87-96, em partida referente à quinta e última jornada do Grupo A da fase de Qualificação da 38ª edição do Campeonato Nacional de "bola ao cesto". Com este triunfo, os petrolíferos terminaram invictos, com oitos  pontos, os mesmo que o Libolo, na segunda posição.

Com a estatística ao seu desfavor (cinco derrotas na presente edição do BIC Basket), a formação do Atlético Petróleos de Luanda entrou para a quadra bastante determinada, tendo liderado a marcha do marcador durante oito minutos.A jogar em casa e apoiado pela sua massa associativa, os libolenses precisaram de onze minutos para assumirem as rédeas da partida. Liderados pelo quarteto maravilha constituído por Carlos Morais, Olímpico Cipriano, Eduardo Minhas e Milton Barros, os libolenses venceram o quarto inicial, por 23-18.

O equilíbrio acabou por ser a tónica dominante no quarto inicial. Aliás, as quatro igualdades registadas nesta etapa (2-2, 14-14, 16-16 e 18-18) atesta perfeitamente o quão as equipas bateram de igual para igual, para o gáudio do público que esteve em número considerável no Pavilhão do Dream Space, em Viana.Depois de um começo fulgurante do Recreativo do Libolo, no segundo período, onde conseguiu uma vantagem de sete pontos (30-23), nos minutos iniciais, os petrolíferos da capital conseguiram rapidamente reduzir para três pontos (30-27), quando restavam oito minutos e 25 segundos para o intervalo maior.

Após um começo electrizante, as duas equipas baixaram de produtividade a meio do segundo período, tendo os forasteiros se agigantado nos minutos finais do segundo quarto, ante a apatia da formação do Recreativo do Libolo.Dois lançamentos a longa distância efectuados por Emanuel Quezada e Gerson Gonçalves permitiu a cambalhota no marcador (37-41), quando estavam pouco menos de quatro minutos para o intervalo maior. O resultado obrigou o técnico português ao serviço do Recreativo do Libolo a solicitar um time Out (desconto de tempo).

Liderados pelo jovem Gerson Gonçalves, medalha de ouro dos XI Jogos Africanos de Brazzaville, e Emanuel Quezada, os petrolíferos da capital foram para o intervalo maior com uma vantagem de oito pontos (42-50). Gerson Goncalves e Emanuel Quezada terminam com 15 e 10 pontos respectivamente.A equipa tricolor conseguiu nesta etapa um parcial de 32-19, depois de perder por 23-18.

A equipa visitante esteve melhor nos lançamentos a longa distância, obtendo um percentagem de 45, contra 21 da formação visitada. Nos lançamentos a curta distância houve certo equilíbrio, com os forasteiros a conseguiram 48 por cento, contra 47 dos vice-campeões africanos.No terceiro período, as duas equipas entraram mais cautelosas e privilegiavam a circulação da bola em todas as áreas de jogo. Em cinco minutos, os pupilos de Lazare Adingono tinham marcado apenas dois pontos, contra cinco dos comandados de Norberto Alves (45-52).

Quando restavam seis minutos para o termo do terceiro quarto, os petrolíferos da capital que contaram com o apoio incondicional da sua claque, conseguiu uma vantagem de 12 pontos (46-58). Perante o domínio dos forasteiros, Norberto Alves viu-se forçado a solicitar sistematicamente descontos de tempo, o que não resultava, dado a eficácia, quer nos lançamentos a curta distância, quer a longa distância. 64-70 foi o resultado ao cabo do terceiro período.

O Atlético Petróleos de Luanda voltou a dominar o rumo dos acontecimentos no quarto derradeiro, tendo a equipa da casa acordado, quando restavam apenas três minutos para o fim da partida. Olímpio Cipriano, com um lançamento a longa distância tratou de reduzir a vantagem da equipa adversária para dois pontos (84-86).Mas a determinação da equipa tricolor nos minutos finais acabou por ditar o triunfo esperado dos adeptos da equipa do Eixo-viário, que venceu por 96-87.O trio de arbitragem constituído por Clésio Francisco, de categoria internacional, da província de Luanda, Cláudio Anderson, do Huambo, e Ruben Dugala, de Benguela, com um ou outro erro não teve influência no resultado final.

FICHA TÉCNICA

Pavilhão: Dream Space
Comissário: Tony Sofrimento
Arbitragem: Clésio Francisco, Cláudio Anderson e Roben Dugula
LIBOLO: Olímpio Cipriano (14), Jonathan Wallace (16), Carlos Morais (20), Roberto Fortes (3), Vladimir Pontes (0), Braulio Morais (0), Roderick Nealy (6), Valdelício Joaquim (12), Zola Paulo (0), Eduardo Mingas (7), Benvindo Quimbamba (1), Milton Barros (0).
Treinador: Norberto Alves
PETRO DE LUANDA:  Pedro Bastos (5), Delcio Ucuahamba (0), Reggie Moore (5), Walter
Tadeu (0), Paulo Santana (6), Emanuel Quezada (26), Leonel Paulo (10), Domingo Bonifácio (15), Hermenegildo Mbunga (4), Joaquim Pedro "Quinzinho" (0), Gerson Goncalves (15), Jason Cain (10).
Treinador: Lazare Adingono
Marcha do marcador: 23-18, 42-50, 64-70, 87-96

Duelo grande
Petro vai defrontar
1º de Agosto


Ao derrotar ontem o Libolo por 96-87, o  Petro de Luanda vai cruzar com o arqui-rival, 1º de Agosto nas meias-finais dos play-offs do BIC Basket-2015/2016.  Os petrolíferos, que colocaram ontem fim ao ciclo de cinco triunfos consecutivos do representante da vila de Calulo, que foi relegado para o segundo lugar do Grupo A, vão enfrentar o 1º de Agosto, que esteve muito aquém do seu rendimento nesta etapa. Aliás, o quarto lugar ocupado pela equipa militar atesta perfeitamente o sub-rendimento dos militares. Já os libolenses vão medir forças com Interclube.  M.C