Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Pires Ferreira enaltece ascenso do compatriota

Melo Clemente - 20 de Junho, 2019

Antnio Pires Ferreira, mostrou-se radiante com a ascenso do angolano Paulo Alexandre Madeira Rodrigues da Silva

Fotografia: Edies Novembro

O antigo presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), António Pires Ferreira, mostrou-se radiante com a ascensão do angolano Paulo Alexandre Madeira Rodrigues da Silva, que deve ser confirmado amanhã, sexta-feira, às 15h00, em Bamako, capital do Mali, como o novo presidente da Zona VI da Fiba-Afrique, substituindo no cargo o moçambicano Aníbal Manave, que vai assumir a presidência do organismo que tutela a modalidade no continente africano.
De acordo ainda com António Pires Ferreira, a presidência da Zona VI, por parte de Angola, poderá funcionar com um vector para a estratégia do basquetebol angolano.
"Como sabe, Angola já ocupou a presidente da zona VI em tempos idos. Portanto, o potencial é, ou era, nosso, e temos que assumir esta responsabilidade. Por outro lado, parece-me que é um vector importante, para aquilo que é estratégia para o basquetebol de Angola, que durante vários anos dominou o nosso continente. Espero que as coisas corram da melhor maneira possível para o nosso candidato  e que, de facto, seja confirmado amanhã, como o novo presidente da Zona VI ", augurou, o antigo homem forte da FAB.
António Pires Ferreira disse, por outro lado, que espera que Angola possa tirar benefícios com a ascensão de Paulo Alexandre Madeira Rodrigues da Silva, ao cargo de presidente da Zona VI.
"Espero muito sinceramente que Angola possa tirar, com esta eleição, os benefícios  que são diversos pela condução dos destinos da zona. Antes de mais são posições , quer dizer, existe uma organização continental que é a Fiba-Afrique, que dirige os destinos do basquetebol a nível do continente, então, Angola na liderança e os países que integram, podem desempenhar estratégias que resultem em benefícios da região. Portanto, há muita coisa que podem resultar em benefício, para os países que compõem a zona".
A finalizar, António Pires Ferreira reconheceu, que Angola poderá ajudar os países da zona com recursos técnicos, para ajudar a desenvolver o basquetebol da região.
"O trabalho é enorme. Angola tem condições para fazer, portanto, estou a falar em recursos técnicos dentro de programas bem estabelecidos, para que os outros países possam alcançar níveis aceitáveis".