Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Reforos decisivos na vitria

Melo Clemente - 20 de Setembro, 2015

Pupilos de Carlos Dinis terminaram da melhor forma a sua participao nos XI Jogos Africanos do Congo Brazzaville ao arrebatarem o ouro

Fotografia: Paulo Mulaza

Os vice-campeões africanos, Reggie Moore, Edson Ndoniema e Roberto Fortes acabaram por ser determinantes na Selecção Nacional sénior masculina B, que conquistou a medalha de ouro nos XI Jogos Africanos do Congo - Brazzaville, competição que encerrou ontem as cortinas.

A Selecção Nacional sénior masculina B, comandada pelo técnico Carlos Dinis, superou sexta-feira na final a similar do Egipto, por 83-73, conjunto que esteve desfalcado das suas principais unidades que disputaram recentemente a 28ª edição do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, prova disputada na cidade portuária de Radès.

Os atletas acima referenciados estiveram em grande plano, não apenas na partida da final, onde o combinado nacional experimentou algumas dificuldades, fundamentalmente no último quarto, em que os egípcios anularam uma vantagem de 15 pontos para dois.

Entretanto, dos 83 pontos que a Selecção Nacional marcou na partida decisiva dos XI Jogos Africanos do Congo -Brazzaville, 60 pontos foram marcados pelo trio maravilha, constituído por Reggie Moore, que anotou 20 pontos, para além de Edson Ndoniema e Roberto Fortes, ambos com 15 pontos cada.

Reggie  Moore foi o cestinha da partida (20 pontos), seguido do egípcio Mohamed Gunady, que marcou 17 pontos.

O trio conseguiu liderar de forma competente o grupo de atletas, que apesar da  juventude  representaram da melhor forma as cores da bandeira nacional.

Por seu lado, a Selecção Nacional sénior feminina, bicampeã africana, conquistou a medalha de bronze nos XI Jogos Africanos do Congo - Brazzaville.

No jogo com o Senegal, na busca do terceiro lugar, Angola demonstrou, aliás, como ao longo do torneio, que podia disputar a final, mas um jogo incaracterístico das bicampeãs continentais nas meias-finais (derrota contra a Nigéria por 59-61), além de uma arbitragem tendenciosa, impediram este desiderato perfeitamente ao alcance.

Ao combinado nacional, liderado por Jaime Covilhã, resta continuar a trabalhar e fazer melhor no Campeonato Africano das Nações, prova a decorrer de 24 deste mês a 04 de Outubro. O objectivo é a revalidação do título africano e o consequente apuramento aos Jogos do Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.