Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco segue para Espanha

Melo Clemente - 12 de Agosto, 2013

Angolanas vo busca do segundo ttulo africano consecutivo em Abidjan

Fotografia: Jos Cola

A Selecção Nacional sénior feminino de basquetebol partiu na última madrugada para Casablanca, em trânsito para Madrid, onde a partir de amanhã começa a etapa derradeira do estágio pré-competitivo, com vista a participação na fase final do Campeonato Africano das Nações, de 20 a 29 de Setembro próximo, em Maputo. A delegação angolana deixou Luanda às 3h00 da manhã de hoje, com rumo à capital marroquina, para posteriormente seguir para Madrid, é composta por 22 elementos, entre atletas, treinadores e dirigentes.

Entretanto, Artemies Afonso, atleta que milita em Portugal, integrou o grupo,”ocupando” o lugar deixado por Rosa Gala, excluída da Selecção Nacional, por força do regulamento da Fiba-Afrique, que não permite que uma jogadora de 17 anos dispute o Campeonto Africano das Nações a nível de seniores. Deste modo seguiram para Espanha 15 atletas, ao contrário das 14 anunciadas inicialmente pelo seleccionador Nacional, Aníbal Moreira.
Chefia a caravana angolana, Príncipe Paulo, presidente da Associação Provincial de Basquetebol do Bié. De acordo com o programa de preparação, a que tivemos acesso, a Selecção Nacional tem agendado em Madrid, dez jogos de controlo com equipas locais, antes de deixar o país ibérico, com destino a capital moçambicana, com passagem ainda por Luanda.

Uma equipa de avançado agora reforçada com o presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), Paulo Alexandre Madeira, está já em Madrid, para constatar as condições criadas para o estágio pré-competitivo sem grandes sobressaltos. Angola está inserida no Grupo B, ao lado das selecções de Cabo Verde, Mali, Camarões, Quénia e Nigéria. Eis as 15 atletas que seguiram viagem: Catarina Camufal, Mereciana Fernandes, Astride Vicente, Nguendula Filipe, Nadir Manuel, Sónia Guadalupe, Fineza Eusébio, Nacissela Maurício, Ana Gonçalves, Luísa Tomás, Clarisse Mpaka, Whitney Miguel e Artemies Afonso. Completam a caravana, Aníbal Moreira, seleccionador Nacional, os adjuntos, Eliza Pires e Hilário Bernardo, Ndona Jacqueline, fisioterapeuta, Delfina Campos, estatística, e Agdel Cristiano, preparador físico.

Campeonato em maputo
Seleccionador acredita da revalidação


O seleccionador Nacional, Aníbal Moreira, mostrou-se convicto na revalidação do título no Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, prova a decorrer de 20 a 29 de Setembro próximo, em Muputo. Aníbal Moreira teceu estas considerações no último sábado, no final da partida, onde o “cinco” nacional perdeu contra os cadetes do Petro de Luanda, por 58-74, naquele que foi o último jogo de controlo no país das actuais campeãs africanas em título.

“Estamos a trabalhar com o único propósito de revalidar o título africano, reconhecendo, como é evidente, o potencial das demais selecções que vão disputar a fase final do Campeonato Africano das Nações”, alertou Aníbal Moreira. Durante a preparação que decorreu entre as províncias de Benguela e Luanda, a equipa técnica nacional privilegiou mais a componente física do grupo, sem descurar os aspectos técnicos e tácticas.

A entrega das atletas durante as sessões de treinos deixou satisfeita a equipa técnica nacional. “As atletas deram o seu máximo durante o período de preparação e mesmo aquelas que foram dispensadas também estiveram bem mas, como deve compreender não podem ir todas, daí que, tivemos que reduzir o grupo para 15 atletas”, assegurou Aníbal Moreira. Os desempenhos de Clarisse Mpaka e de Whitney Miguel, que militam no basquetebol francês, foram enaltecidos pelo seleccionador Nacional, que as considera “valor acrescentado” ao combinado nacional.            
MC

Só com vitórias
Decacampeões africanos
encerram estágio em Madrid


A Selecção Nacional sénior masculino de basquetebol que projecta o Afrobasket da Costa do Marfim, prova a decorrer de 20 a 31 do mês em curso, encerra esta noite, o estágio pré-competitivo que efectua em Madrid, quando defrontar a partir das 19h30, a Universidade de Portlad, em desafio a contar para a última jornada do torneio internacional. Depois de ter vencido no sábado último, na segunda jornada, a Universidade da Carolina do Norte, por 82-62, os angolanos que vão a busca do 11º título africano, estão dispostos a terminar a prova de forma invicta.

Dos nove jogos de controlo realizados até aqui, os decacampeões africanos somaram igual número de triunfos, facto que vai seguramente elevar os índices motivacionais da Selecção Nacional que está a oito dias da sua estreia na maior cimeira desportiva africana, a nível da “bola ao cesto”. Entretanto, os próximos dias vão ser decisivos para a equipa técnica, liderada pelo Paulo Macedo, já que vai escolher os 12 atletas que vão representar as cores da Bandeira Nacional no acontecimento, que apura os três primeiros classificados para o Campeonato do Mundo de 2014, com palco em Espanha.                 
MC

HISTÓRIA
Percurso dos Afrobasket

XIX Edição

País-Sede: Senegal

Data: 25 de Julho a 03 de Agosto de 1997

Campeão: Senegal

Participantes (9): Senegal, Nigéria, Angola, Mali, RCA, Mali, Cabo Verde, Costa do Marfim e África do Sul. Duas décadas depois de ter organizado pela última vez o “Afrobasket”, o Senegal voltou a acolher a competição em 1997. Já não ganhava há 17 anos e tinha deixado de ser a principal referência do basquetebol continental, embora com alguma frequência no pódio. Contudo, pelo histórico recente, Angola era a principal candidata ao título neste campeonato que contava com duas estreias, designadamente Cabo Verde e África do Sul, esta acabada de ser readmitida no concerto das nações após o fim do Apartheid. A prova prometia níveis de disputa altíssimos, pois iam competir todos os campeões continentais, com excepção de Marrocos. A contar com o factor casa, o Senegal não permitiu que Angola erguesse o quinto título no seu solo, afastou o perigoso adversário ainda nas meias-finais. Na final, bateu a Nigéria, consagrava-se como “grande” no continente.
 
XX Edição

País-Sede: Angola

Data: 29 de Julho a 06 de Agosto de 1999

Campeão: Angola

Participantes (12): Angola, Nigéria, Egipto, Mali, Tunísia, Argélia, Senegal, Costa do Marfim, Cabo Verde, Moçambique, Marrocos, África do Sul.
 Angola chamou a si novamente a organização do Campeonato Africano, que acontecia pela segunda vez 10 anos depois. O objectivo era claríssimo: reconquistar a primazia do basquetebol continental, a que já estava habituado e que fazia exactamente há uma década. A jogar em casa e com uma das equipas mais fortes da sua história em “Afrobasket’s”, Angola não deixou os créditos por mãos alheias, superou de forma olímpica a concorrência, num dos poucos campeonatos que não teve estreia, mas houve muitas surpresas como a do Senegal (campeão anterior) acabar na sétima posição da tabela geral. Foi uma das maiores conquistas de Angola, que erguia o quinto troféu da sua história, igualava assim os poderosíssimos Egipto e Senegal nesta matéria.
 
XXI Edição

País-Sede: Marrocos

Data: 04 a 12 de Agosto 2001

Campeão: Angola

Participantes (12): Angola, Argélia, Egipto, Tunísia, Nigéria, Marrocos, Senegal, Costa do Marfim, RCA, Moçambique, Mali e África do Sul.
Uma vez mais o campeonato decorreu em “terras de ninguém” em relação aos principais aspirantes ao título. O Marrocos, uma vez campeão no longínquo ano de 1965, não era propriamente uma selecção que pudesse ameaçar as poderosas Angola, Egipto, Nigéria e Senegal. Por isso, era difícil vaticinar o campeão, apesar de a reconquista do título ter dado muito valor anímico à selecção de Angola, que era a principal candidata. Das poucas vezes que todos os campeões continentais se reuniam, era para abordar o primeiro lugar do “Afrobasket”, o que fazia pressagiar briga séria. Mas, apesar de um pequeno percalço frente à Argélia na primeira fase, Angola ergueu o troféu pela sexta vez, superando países com histórias mais longas no “Afrobasket”, tais como os “incontornáveis” Senegal e Egipto. Angola passa a reinar em matéria de títulos conquistados