Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco de Basquetebol projecta torneio de Maputo

Melo Clemente, em Maputo - 11 de Novembro, 2019

Seleccionador nacional promete uma equipa bastante competitiva na prova

Fotografia: EDIES NOVEMBRO

A saída tardia da convocatória da Selecção Nacional de basquetebol sénior feminina, que projecta em Luanda a participação no Torneio de pré-qualificação zona africana, a decorrer de 14 a 17 do mês em curso na cidade de Maputo, capital moçambicana, forçou o seleccionador Apolinário Quaresma Paquete a interromper o processo de renovação que devia levar a cabo no combinado nacional na corrida ao Torneio Pré-Olímpico de Fevereiro de 2020.
Depois de ter alcançado o quinto lugar na fase final do Campeonato Africano das Nações, também conhecida por Afrobasket, prova realizada em Dakar, Senegal, o técnico mais titulado do continente africano a nível de clubes, isto no sector feminino, tinha como principal objectivo a renovação profunda das bicampeãs africanas, que vão à busca do passe de acesso ao Torneio Pré-Olímpico de Fevereiro de 2020, prova selectiva aos Jogos Olímpicos de Tóquio, Japão, do mesmo ano.
A precisamente sete dias do arranque do torneio de Maputo, altura que a direcção da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) fez sair a convocatória, o seleccionador nacional foi obrigado a apresentar uma Selecção de recurso, em função do pouco tempo que restava para o início da referida competição.
Em declarações à comunicação social, Apolinário Quaresma Paquete lamentou pelos constrangimentos vividos pelo combinado nacional, com particular realce para o facto do processo de renovação ser mais uma vez adiado.
“Infelizmente, o processo de renovação que estava em carteira, depois da nossa participação no Campeonato Africano das Nações, ficou mais uma vez mutilado. Primeiro, ficamos a saber que não iríamos para a competição e depois, a menos de uma semana do início da prova, ficamos a saber que era possível disputarmos o Torneio de Pré-qualificação de Maputo e acabamos por não nos preparar em condições. Portanto, não temos outra alternativa senão, com o grupo que temos, irmos para a competição para, no mínimo, dignificarmos o país e o basquetebol nacional”, desabafou o técnico, que preferiu “esquecer” os pendentes que tem com a direcção da FAB e aceitar mais uma vez conduzir os destinos do combinado nacional.
Entretanto, apesar do pouco tempo de preparação, o seleccionador nacional assumiu que as  meninas vão dar o melhor para dignificarem as cores da bandeira nacional.
“Independentemente das peripécias vividas, a Selecção Nacional vai para o Torneio de Maputo para competir. Temos a consciência que vai ser extremamente difícil, porque as outras selecções se prepararam melhor do que nós, por um lado. Por outro, existem automatismos que não estarão naturalmente como desejássemos. Por esta razão é que disse, anteriormente, que estamos a levar oito jogadoras, que já estão juntas há algum tempo. E porque tinham uma competição próxima, então fica mais fácil termos um grupo mais compacto. Mas, vamos para esta prova cientes de que iremos encontrar dificuldades. Os outros preparam-se melhor do que nós, mas não nos dá o direito de pensar que estamos a ir para lá brincar”, frisou.
Apolinário Paquete não escondeu o desejo de lutar por vitórias, durante o torneio que vai apurar as duas representantes de África ao Torneio Pré-Olímpico de Fevereiro de 2020.
“Vamos para competir e, se eventualmente tivemos condições, não nos faremos rogado em tentar vencer a quem quer que seja”, revelou o seleccionador nacional, que tem já o grupo definido para o Torneio, que contará com a participação de seis selecções, nomeadamente, Moçambique, país anfitrião, Nigéria, Senegal, Mali, Angola e República Democrática do Congo.
A Selecção Nacional está inserida no Grupo B, ao lado do Senegal e Mali, ao passo que no Grupo A estão as de Moçambique, Nigéria e República Democrática do Congo.
O Torneio de Pré-qualificação zona africana será disputado no sistema de todos contra todos a uma volta. O vencedor do Grupo A terá pela frente, nas meias-finais, o segundo colocado do Grupo B, ao passo que o líder do Grupo B medirá forças com o segundo classificado do Grupo A. As selecções vencedoras apuram-se automaticamente para o Torneio Pré-Olímpico de Fevereiro de 2020, prova que vai apurar as nações para os Jogos Olímpicos de Tóquio, Japão.

DOZE JOGADORES
Técnico vai contar
com sete sobreviventes


Das doze (12) jogadoras convocadas pelo seleccionador nacional, Apolinário Quaresma Paquete, visando a disputa do Torneio de Pré-qualificação zona africana, prova a decorrer de 14 a 17 do mês em curso, em Maputo, Moçambique, sete representaram as cores da bandeira nacional no Afrobasket, competição que teve como palco a capital senegalesa, Dakar. Tratam-se de Italle Lucas, Felizarda Jorge Ventura, Finesa Eusébio, Rosemira Daniel, Elizabeth Mateus, Regina Pequeno e Avelina Peso.
Impossibilitado de efectuar transformações profundas, devido as peripécias vividas pelo cinco nacional, que tinha a participação no evento tremido, o técnico Apolinário Paquete decidiu manter a estrutura da Selecção Nacional. Entretanto, as ausências de Nadir Manuel, lesionada, e de Luísa Macuto, por opção técnica, deixaram fragilizada a posição cinco do combinado nacional.
Alexia Dizeko, de apenas 18 anos de idade, e que esteve em grande na fase final do Afrobasket de Dakar, é outra baixa de realce.
Cinco caras novas vai fazer a estreia, designadamente, Eduarda Gabriel, Jéssica Malagi, Joana António, Angelina Golombo e Juda Quindanda.                                                        

ADAPTAÇÂO
Nigéria e Mali já respiram ares de Maputo


Nigéria e Mali já respiram os ares da cidade de Maputo, que a partir desta quinta-feira até sábado, acolhe o Torneio de Pré-qualificação zona africana, prova selectiva ao Torneio Pré-Olímpico de Fevereiro de 2020, com palco em Tenerife, Espanha.
 Nigerianas e malianas, que chegaram de forma amputadas, acabaram por ser as primeiras delegações a pisar o solo do país do Índico.
A República Democrática do Congo e o Senegal devem desembarcar amanhã, terça-feira, na capital moçambicana, ao passo de Angola, que vai participar de forma milagrosa na prova, será a última comitiva a pisar o solo moçambicano. A delegação angolana deixa Luanda na quarta-feira, por volta das 9h50min e deve desembarcar em Maputo às 14h00 locais (13h00, em Angola).