Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Seleco Feminina de Sub-18 pronta para o "Africano"

Juscelino da Silva - 06 de Agosto, 2018

Seleccionador escolhe hoje as representantes do pas na competio

Fotografia: Contreiras Pipas | Edies Novembro

Depois de uma preparação possível em solo nacional, a selecção feminina de basquetebol de Sub-18 está pronta para competir no Campeonato Africano a decorrer de 10 a 19 do corrente em Maputo, capital de Moçambique. Os jogos efectuados com as equipas seniores serviram para as jogadoras terem uma boa endurance com vista a enfrentar as dificuldades. A garantia é do seleccionador Aníbal Moreira, no final de jogo-treino com o 1º de Agosto-B a quem venceu dificilmente por 50-48.
\"O nosso trabalho foi bem feito. O grupo está pronto para dar a resposta positiva\", disse.Apesar da prontidão, o treinador apresentou-se pouco entusiasta. Aníbal Moreira lamentou a ausência da base Rafaela Henriques, jogadora do Benfica do Montijo, que esteve recentemente ao serviço da selecção nacional de Sub-17 no Mundial da categoria que decorreu em Minsk, Bielorrússia.
“Tenho a lamentar a ausência da base Rafaela Henriques, mas aguardo a todo estante do pronunciamento da Federação quanto a esse caso. Temos muitas dificuldade na posição zero-um. Foi combinado que as duas atletas (a par de Alexia Dizeko) tinham de sair da selecção Sub-17 e entrarem para o nosso grupo de trabalho”, esclareceu.
Aníbal Moreira havia recebido a garantia da Federação Angolana de Basquetebol (FAB) que devia contar com a jogadora, pois \"é uma mais-valia para o cinco nacional e devia reforçar a posição zero-um”. A esperança esfumou-se. Rafaela Henriques saiu do palco do Mundial directamente para a Portugal, onde reside e joga.
Para colmatar a ausência de Rafaela Henriques, Aníbal Moreira repescou seis atletas da selecção de Sub-17 e formou um grupo de 17 jogadoras com destaque à extremo Alexia Dizeco, do Sion da Suíça. A escolha definitiva das 12 atletas para o Africano de Maputo acontece hoje no final do jogo com o Desportivo Maculusso.
Tal como a seleccionadora nacional de Sub-17, Elisa Pires, manifestou-se antes de partir para Minsk, a baixa estatura das atletas também preocupa Aníbal Moreira. Sem receitas para fazê-las crescer, o seleccionador contenta-se com \"o produto\" à disposição. “As nossas adversárias estão melhor em termos de estatura física”, disse.
Aníbal Moreira mostrou uma réstia de esperança com a integração de Alexia Dizeko. A jogadora do Sion da Suíça constitui “o pilar de suporte\" do grupo.
Aníbal Moreira apontou a falta de estágio pré-competitivo fora do país como a principal nota negativa do ciclo de preparação. Defendeu que o entrosamento entre os sectores teria maior acutilância nos jogos com as selecções fortes. Contudo,”a equipa está motivada e preparada para o grande desafio”. A selecção nacional deixa o país na quarta-feira com destino a Maputo.