Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Tcnico Paulo Macedo apela vigilncia

24 de Julho, 2015

Paulo Macedo chama a ateno para factores extras protagonizados pelos anfitries

Fotografia: Jos Cola

A revalidação do título africano e consequente apuramento aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro'2016 vai exigir a atenção da selecção nacional sénior masculina de Angola a todos os aspectos evolutivos da Nigéria, Egipto, Senegal e Tunísia, no Afrobasket'2015 a decorrer de 19 a 30 de Agosto, em Tunis. A apreciação é do ex-seleccionador nacional, Paulo Macedo.

O antigo atleta do cinco nacional sustenta que as quatro selecções são as mais capazes de impedir a concretização do objectivo de Angola, por auferirem jogadores altos e tecnicamente bem dotados, muita coesão defensiva e convicção nos lançamentos dos três pontos.

Paulo Macedo prevê dificuldades aos angolanos por enfrentarem os tunisinos diante do seu público, na fase a eliminar, e confrontarem-se com os senegaleses e nigerianos por resistirem facilmente a jogos em situação de alta pressão.

O ex-seleccionador recordou o jogo da final com o Egipto no Afrobasket de Abidjan'2013 e aponta a selecção faraónica como a "rival mais perigosa" na competição por exibir uma abordagem de jogadas muito lenta. Os egípcios tiraram grande proveito da sua postura e complicou os campeões africanos.

O agora treinador da Marinha de Guerra destacou o Afrobasket'1989, em Luanda, e Afrobasket'1991, em Egipto, na trajectória da selecção nacional.
Paulo Macedo ressalta que, após as duas vitórias do país nessas edições, as selecções adversárias esforçaram-se mais sempre que defrontassem Angola. Àquele tempo, o país começou a afirmar-se como dominadora da modalidade.

Sob orientação técnica de Vitorino Cunha, Paulo Macedo disse que a selecção nacional era "muito forte", mas no campeonato africano do Egipto as dificuldades vinham de factores extra-jogos como alimentação, pouca habituada aos angolanos, além de um triste episódio no balneário no dia da final. A selecção nacional ficou "retida" durante 15 minutos no balneário, num momento em que a equipa anfitriã já se encontrava na quadra a aquecer. Com muita determinação, Paulo Macedo era o base e o troféu veio para Angola.

Paulo Macedo foi campeão africano nos Afrobasket de Angola (1989), Egipto (1991), Quénia (1993) e medalha de prata na Tunísia (1987). Como treinador conquistou o campeonato nacional de basquetebol em 2013, duas Supertaças de Angola e igual número de Ligas dos Clubes Campeões Africanos.